A classe mais recente de astronautas da NASA é 50% feminina

0
5629

Publicado na Science Alert

O ano passado foi incrível para a exploração espacial, com (entre muitas outras realizações notáveis) a NASA anunciando seus planos para levar seres humanos para Marte na década de 2030 e lançando uma chamada na Internet para pessoas se inscreverem. Mas o que você talvez não saiba é que a classe mais recente de astronautas da NASA, recrutada em 2013 e já em formação, será formada pelos candidatos para a primeira viagem para Marte, e pela primeira vez na história da NASA, 50% deles são do sexo feminino.

739535-valentina-tereshkova
Valentina Tereshkova, a primeira mulher a ir para o espaço.

Todo mundo sabe que as mulheres são astronautas de arrasar (vide Sally Ride e Valentina Tereshkova), então essa estatística não deveria ser particularmente excitante ou notável. Mas dado o fato de que, a partir de 2011, as mulheres só faziam parte de 24 por cento de todos os empregos na ciência, tecnologia, engenharia e matemática nos EUA, torna isso muito relevante e faz-nos ainda mais esperançosos sobre o futuro da exploração do Sistema Solar.

“Nós nunca determinamos quantas pessoas de cada sexo vamos selecionar, mas estas foram as pessoas mais qualificadas que entrevistamos,” Janet Kavandi vice-diretor do centro de pesquisa de Glenn da NASA explicou em uma entrevista para o Google quando a classe de 2013 foi anunciada.

NASAAstronauts_1024A classe é composta por oito recrutas no total Josh Cassada, Victor Glover, Tyler Hague, Christina Hammock, Nicole Aunapu Mann, Anne McClain, Jessica Meir Andrew Morgan selecionados de um total de cerca de 6.100 candidatos. Isso é uma feroz taxa de sucesso de 0,13 por cento.

O processo de candidatura sozinho levou 18 meses de testes rigorosos, médicos psicológicos, e os recrutas estão agora passando por dois anos de treinamento antes que eles se juntem oficialmente aos atualmente 46 astronautas ativos. Mas o que é muito legal é que eles são a primeira classe a ter candidatos para missão a Marte. “Se formos a Marte, iremos representar a nossa espécie inteira em um lugar que nunca estivemos antes. Para mim é a coisa mais alta que um ser humano pode alcançar,” disse McClain para Ginny Graves em entrevista exclusiva pararevista Glamour no final do ano passado.

mcclain-spacesuit-w724Eles também estão sendo ensinados sobre um monte de coisas de sobrevivência geral, habilidades que podem ajudá-los a lidar com as coisas inumeráveis que poderiam dar erradas no planeta vermelho, onde a temperatura média é de –55 graus Celsius (–67 F), há tempestades de poeira gigantes, e os astronautas constantemente bombardeados por radiação ionizante que causa câncer.

“Não é como a Lua; Essa é uma viagem de três dias,” Jason Crusan, diretor de sistemas avançados de exploração da NASA disse para a Glamour.” Quando você vai para Marte, você vai. Não pode abortar.”

A viagem em si será de aproximadamente 56 milhões de quilômetros (25 milhões de milhas), que levará entre seis a nove meses. Mas o pagamento para qualquer astronauta que faça a viagem valer a pena, é  ser capaz de ganhar título de um dos primeiros humanos a colocar uma pegada no planeta vermelho“Marte pode nos ensinar muito sobre o passado, presente e futuro do nosso planeta,” disse Meir. “Tentar entender nosso lugar no Universo é o que procuro mais do que tudo.”

Uma lição de humildade: esse minúsculo ponto azul abaixo do majestoso Saturno é o planetinha que chamamos de casa.
Uma lição de humildade: esse minúsculo ponto azul abaixo do majestoso Saturno é o planetinha que chamamos de casa.
 “Do espaço, você não pode ver as fronteiras. O que você vê é o solitário planeta,” acrescentou o Mccain. “Aqui estamos nele, com raiva um do outro. Gostaria que mais gente pudesse ver como Terra pequena e como somos dependentes uns com os outros.”
NASALetterNós não poderíamos concordar mais como, e não podemos esperar para ver o talento que está selecionado na próxima classe de astronautas, para o qual estão ainda abertas as candidaturasÉ um alívio saber que as coisas mudaram desde a década de 1960, quando a NASA escreveu esta carta de rejeição a uma astronauta esperançosa (acima).
CONTINUAR LENDO