A melhor maneira de restaurar florestas pode não envolver o plantio de árvores

0
123
(Créditos: Roy Morsch/The Image Bank/Getty Images)

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

As melhores e mais diversificadas florestas são as que se plantam. É algo que esses incríveis ecossistemas vêm fazendo há centenas de milhões de anos, e alguns defensores do meio ambiente no Reino Unido acham que devemos simplesmente sair do caminho da natureza.

Um novo relatório da organização ambiental sem fins lucrativos Rewilding Britain argumenta que as árvores só devem ser plantadas por humanos se a regeneração natural for improvável ou se demorar muito. Primeiro, devemos tentar preparar e proteger a terra para um crescimento normal.

A ideia não é nova nos círculos de conservação, nem é uma tática em discussão apenas no Reino Unido. Embora o plantio de árvores traga muitos benefícios para o ambiente local e para o clima mais amplo, os melhores resultados dependem do que, quando, onde e como a árvore é plantada e cuidada.

Hoje, as tentativas de reflorestamento rápido frequentemente produzem monoculturas ou espécies de árvores invasoras, reduzindo a biodiversidade local e o acesso à terra, água ou alimentos nas comunidades vizinhas.

Mesmo quando se trata de sequestro de carbono, os especialistas acham que a qualidade de uma floresta pode ser mais importante do que a quantidade de árvores, embora as pesquisas nesse campo sejam limitadas.

Nos últimos anos, o plantio de árvores emergiu como uma estratégia de conservação popular em todo o mundo, mas muitas políticas governamentais nem mesmo tentam permitir a regeneração natural, que é mais barata e tende a ter melhores resultados ambientais.

Recentemente, o Reino Unido anunciou vários esquemas de plantio de árvores, incluindo a promessa de cobrir 30.000 hectares de terra.

Mas a Rewilding Britain quer uma abordagem mais abrangente e direta. Está pedindo aos funcionários do governo que incentivem explicitamente a regeneração natural em suas políticas de reflorestamento.

“Não podemos substituir nossas florestas perdidas apenas plantando”, argumenta a executiva-chefe Rebecca Wrigley.

“Proteger fragmentos de florestas antigas e permitir e ajudar as árvores a se regenerarem naturalmente em grande escala é a maneira mais eficaz de reverter a triste sorte de nossas florestas e bosques devastados, e assim beneficiar as pessoas, a natureza e o clima.”

Deixar que as florestas cresçam sozinhas também pode ser muito mais barato a longo prazo, especialmente em comparação com os custos de manejo de espécies invasoras, impedir surtos de doenças importadas e produzir protetores de plástico para árvores.

Em situações em que as florestas estão limitadas para o crescimento natural, as sementes de árvores nativas podem ser semeadas no solo.

Embora algumas pessoas possam não gostar da aparência do matagal subsequente, é esse tipo de terreno que fornece o melhor habitat para as árvores jovens criarem raízes. Quando essas florestas começam a crescer, seus benefícios são numerosos.

Um estudo recente publicado em setembro de 2020 descobriu que a regeneração natural era muito melhor no sequestro de carbono do que o plantio ativo de árvores.

Se o mundo reservasse 1,67 bilhão de acres para as florestas crescerem e se espalharem, o paper estimou que as árvores e o solo absorveriam cerca de sete anos das atuais emissões de carbono até 2050 – tornando-se “a maior solução climática natural” nas mãos da humanidade.

Transformar esses números em realidade é outra questão. Restaurar florestas deve ser tão fácil quanto deixar as árvores se plantarem, mas em um nível prático, provavelmente exigirá um equilíbrio de abordagens.

Em setembro, o geógrafo Matthew Fagan disse a Science que ele pensou que o estudo era “um rápido passo a frente”, mas que a regeneração natural por si só não vai salvar o planeta.

Florestas jovens, diz ele, estão constantemente sendo derrubadas para dar lugar a novas terras e fazendas antes que possam atingir seu potencial. Em alguns casos, a pesquisa sugere que os danos da degradação florestal são piores do que o desmatamento ativo.

Como tal, a terra não só deve ser reservada para regeneração, mas também protegida e mantida. No Reino Unido, por exemplo, reservar terras para reflorestamento exigirá que os criadores de ovelhas e veados locais desistam de novas pastagens. Em um mundo em rápida mudança, a competição por novas terras só aumentará.

A Rewilding Britain está, portanto, conclamando o governo a proteger as florestas antigas, fornecer habitats mais bem conectados e permitir que grandes porções de terras selvagens cuidem de si mesmas, fornecendo incentivos financeiros e subsídios quando necessário.

“Nossas florestas antigas estão ausentes porque nós as destruímos e continuamos a trabalhar duro para evitar seu retorno por meio de desflorestamento excessivo, desmatamento excessivo e formação excessiva de pastagem”, diz Wrigley.

“Se permitirmos, milhões de árvores se plantarão na maior parte da Grã-Bretanha.”

Se plantamos ou deixamos a natureza seguir seu curso, a decisão depende de nós.