A misteriosa cabeça humana de argila de 2.100 anos com um crânio de carneiro dentro

A fluoroscopia moderna identificou ossos de carneiro dentro da máscara mortuária da cultura Tagar.

0
77
A tecnologia de raios-X do período indicava que algo era incomum sobre os ossos que estavam dentro da cabeça de argila - mas não era possível revelar mais. Crédito: Vyacheslav Porosev.

Por Anna Prokhozheva
Publicado no The Siberian Times

A descoberta da magnífica escultura semelhante a um jovem no montículo funerário Shestakovsky nº 6 há muito tempo intrigou os arqueólogos russos.

Entre pessoas cremadas, essa máscara elegante de, talvez, um belo guerreiro imediatamente se destacou como uma descoberta notável quando foi desenterrada pela primeira vez em Cacássia em 1968 pelo professor Anatoly Martynov.

A tecnologia de raios-X do período indicava que algo era incomum sobre os ossos dentro da cabeça de argila – mas não podia revelar mais.

“Há ossos do crânio e um pequeno espaço oco, que, no entanto, não corresponde ao tamanho interno do crânio humano, mas é muito menor”, observou Martynov em 1971.

Mas ver melhor a cabeça de argila por dentro era algo considerado impossível, pois destruiria essa antiga relíquia.

“Foi sugerido que havia um crânio humano dentro. É claro que foi bastante surpreendente ver, em vez disso, um crânio de carneiro”. Crédito: Evgeny Babichev.

Quase quatro décadas depois, os cientistas se voltaram novamente ao mistério desse homem da cultura Tagar, conhecido por seus elaborados ritos funerários como, por exemplo, o uso de grandes criptas contendo cerca de 200 corpos que foram incendiados.

Como a cientista Dra. Elga Vadetskaya havia observado, as cabeças dos mortos eram cobertas de argila, moldando uma nova face no crânio e muitas vezes cobrindo a face de argila com gesso.

Assim, a expectativa era – ao implantar uma nova tecnologia na máscara mortuária do homem – que os ossos dentro, embora pequenos fragmentos, fossem humanos.

Mas eles não eram.

A pesquisa foi liderada pela professora Natalya Polosmak, do Instituto de Arqueologia e Etnografia, e pelo Dr Konstantin Kuper, do Instituto de Física Nuclear, ambos em Novosibirsk, e parte da Seção Siberiana da Academia Russa de Ciências.

O homem “poderia ter se perdido na taiga, se afogado ou desaparecido em terras estrangeiras”. Crédito: Mikhail Vlasenko.

“Eu estava trabalhando com Natalya Polosmak em outras pesquisas, e ela sugeriu verificar esta cabeça porque eles não conseguiam simplesmente olhar para dentro – e ficaram intrigados”, explicou Kuper. “Foi sugerido que havia um crânio humano dentro. É claro que foi bastante surpreendente ver, em vez disso, um crânio de carneiro”.

Mas por quê?

O que fez esses povos antigos encherem os restos humanos com restos de carneiro?

No estudo para a revista Science First Hand, a professora Polosmak oferece duas opções, mas também reconhece que “como este é o único caso até agora, quaisquer explicações sobre esse fenômeno certamente conterão, ao lado dos elementos de singularidade, elementos do acaso”.

O professor Anatoly Martynov desenterrou a cabeça em 1968 em Cacássia. Crédito: Universidade Estadual de Kemerovo.

Ela acredita que o povo Tagar “pode ​​ter enterrado dessa maneira extraordinária um homem cujo corpo não foi encontrado”.

Ela supõe que o homem “poderia ter se perdido na taiga, se afogado ou desaparecido em terras estrangeiras”.

Por esta razão ele foi “substituído por seu ‘ser duplo’ – o animal em que sua alma estava incorporada” e neste foi enviado para a vida após a morte junto com os restos de seus companheiros humanos.

“Esta deve ter sido a única maneira de garantir a vida após a morte de uma pessoa que não voltou para casa. Os arqueólogos conhecem vários desses sepultamentos, chamados de cenotáfios, que não têm restos humanos, mas podem conter um substituto simbólico. Como este último, um animal poderia ter sido usado”.

Cabeça de argila preparada para fluoroscopia no Instituto de Física Nuclear, SB RAS. Crédito: Vyacheslav Porosev.

Sua outra teoria para o “falso sepultamento” é que isso pode ter sido feito para dar ao homem “uma chance de ter um novo começo, uma nova vida em um novo status”.

“Em vez de um homem vivo cuja morte foi encenada por algum motivo, um animal – um carneiro se passando por humano – foi oferecido no lugar”.

Uma coisa é clara: para os antigos, o carneiro tinha um grande significado.

“O que o crânio do carneiro escondido sob as camadas de argila representando o rosto de um homem nos diz? Que é algo acidental? Ou foi o animal o principal herói da história antiga? A última hipótese parece justificada. Um carneiro está entre os animais mais adorados dos tempos antigos. Inicialmente, o deus egípcio Quenúbis era representado como um carneiro (mais tarde, como um homem com cabeça de carneiro)”.

Restos de 200 corpos mumificados encontrados em um dos montículos funerários da cultura Tagar em Belaya Gora. Crédito: A. Poselyanin.

Uma terceira versão foi proposta pela Dra. Vadetskaya em seu livro ‘The Ancient Yenisei Masks from Siberia’ (As Antigas Máscaras Ienissei da Sibéria, na tradução livre) depois de estudar elaborados ritos funerários de povos antigos durante este período de Tesinsk.

Seu trabalho foi baseado em pesquisas de outros arqueólogos, mas também teve contribuições fascinantes de especialistas forenses.

Ela acreditava que o rito funerário tinha duas etapas – a primeira delas era colocar o corpo morto em uma “caixa de pedra” que depois ficava em uma cova rasa ou sob uma pilha de pedras por vários anos.

O objetivo principal era a mumificação parcial – a pele e os tecidos se decompuseram, mas os tendões e a medula espinhal permaneceriam.

Em seguida, o esqueleto era levado intacto e amarrado por pequenos galhos.

Fotos tiradas da cabeça de argila em 1968. Vestígios das cordas e galhos, que foram usados ​​para prender a cabeça ao “boneco fúnebre” são visíveis na parte de trás da cabeça. Crédito: Anatoly Martynov.

O crânio foi trepanado e o resto do cérebro foi removido. Em seguida, o esqueleto foi transformado em uma espécie de ‘boneco’ – foi enrolado com ervas e embainhado com pedaços de couro e casca de bétula.

Então, de acordo com a Dra. Vadetskaya, eles reconstruíram ‘o rosto’ no crânio.

O orifício do nariz, a órbita dos olhos e a boca foram preenchidos com argila, então a argila foi colocada no crânio e o ‘rosto’ foi moldado, embora sem necessariamente muita semelhança facial com o falecido.

Muitas vezes esse rosto de argila era coberto com uma fina camada de gesso e pintado com ornamentos.

Ela suspeitava que essas múmias mascaradas voltaram para suas famílias enquanto aguardavam seu segundo funeral maior.

Isso pode ter acontecido há alguns anos: há evidências de que o gesso foi reparado e repintado.

Os rostos moldados nos crânios eram frequentemente cobertos com uma fina camada de gesso pintada com ornamentos. Créditos: Elga Vadetskaya / Museu Hermitage.

Ela escreveu: “Para algumas múmias, a espera foi muito longa. Elas se decompuseram, então apenas as cabeças foram deixadas para serem enterradas. Em alguns casos, nem a cabeça sobreviveu. Então eles tiveram que recriar toda a imagem do falecido”.

Ela acreditava que esse era o caso do misterioso crânio de carneiro.

Os restos de carneiro foram usados ​​para substituir o crânio humano real deste ‘boneco de múmia’ perdido ou destruído durante as décadas entre os dois ritos fúnebres.

De acordo com Vadetskaya, um grande poço foi cavado para esses ‘grandes’ funerais.

Dra. Elga Vadetsakaya.

Uma casa feita de troncos foi erguida e coberta com casca de bétula e tecidos.

Muitos desses restos humanos foram colocados no interior, e a casa feita de troncos onde os restos mortais estavam foi incendiada.

A casa feita de troncos foi parcialmente incendiada e muitas vezes o telhado desabou.

O sepultamento da cripta foi então coberto com turfa e terra e formou um monte.

Nesse caso em particular, havia relativamente poucos restos humanos – não mais de 15, mas em outros o número pode chegar às centenas.

Então – existem três teorias principais.

Talvez futuros cientistas tenham acesso a uma tecnologia mais elaborada para examinar essa máscara mortuária e desvendar mais segredos sobre essa descoberta extraordinária.