A neuroimagem pode ler a mente?

Créditos: Merydolla / Adobe Stock.

Por Jamie Hale
Publicado na Center for Inquiry

Os métodos de neuroimagem ou varredura cerebral são utilizados para observar e manipular o cérebro e suas atividades. A neuroimagem também é útil para localizar lesões cerebrais. Existem vários métodos de neuroimagem, incluindo gravações elétricas, estimulação cerebral, imagem de raios-X e imagem dinâmica (Kolb e Whishaw 2009). A neuroimagem levou a importantes descobertas psicológicas e comportamentais e acelerou o progresso da neurociência. Os modernos dispositivos de neuroimagem permitem que os pesquisadores olhem mais para o cérebro do que nunca. Essas técnicas ajudaram a identificar correlatos cerebrais dos processos comportamentais, sociais e emocionais. Um dos métodos mais recentes é a ressonância magnética funcional (fMRI), e os estudos que a utilizam atraíram grande interesse financeiro e da mídia.

Imagem por ressonância magnética funcional

Tudo o que o cérebro nos permite fazer está associado a alterações no consumo de oxigênio e no fluxo sanguíneo regional. Ao se envolver em uma tarefa, regiões específicas do cérebro são ativadas e ocorre um aumento no fluxo sanguíneo e no oxigênio nessas regiões específicas. O aumento do fluxo sanguíneo e o aumento dos níveis de oxigênio são utilizados como proxies para o aumento da ativação das células cerebrais. Como Satel e Lilienfeld (2013) apontam, é importante incluir o termo aumentado ao descrever a ressonância magnética “porque todo o cérebro vivo está sempre ligado; o sangue está sempre circulando e o oxigênio está sempre sendo consumido. O único cérebro verdadeiramente silencioso é um cérebro morto”. A RMf é uma medida indireta para detectar a atividade cerebral, não mede diretamente a atividade elétrica.

A chave para detectar o aumento da atividade cerebral é medir a concentração de oxigênio dissolvido no sangue. Existe um poderoso ímã dentro da máquina de ressonância magnética que mede o influxo de sangue para áreas do cérebro. A concentração relativa de sangue oxigenado e com falta de oxigênio cria um sinal conhecido como resposta BOLD (dependente do nível de oxigênio no sangue). Quanto maior a proporção de sangue oxigenado para o sangue sem oxigênio em uma área específica, maior o consumo de energia nessa área (significando níveis mais altos de atividade). Ao medir a atividade cerebral, os participantes se envolvem em uma tarefa (como visualizar imagens visuais) e a atividade durante a tarefa é comparada à atividade que ocorreu enquanto se envolvia em uma tarefa de linha de base (como sentar com os olhos fechados e relaxando). O computador gera uma imagem mostrando regiões que se tornam mais ativas em uma condição em relação à outra.

A imagem final do cérebro vista em revistas ou na televisão geralmente representa os resultados médios de todos os participantes do estudo. A imagem não representa um cérebro individual em ação. As fotos utilizadas para ilustrar os estudos de neuroimagem costumam ser coloridas e atraentes para uma ampla audiência. Essas fotos são poderosas e, para muitos, representam uma visão não filtrada de nossos pensamentos mais profundos. De acordo com muitos jornalistas, os dispositivos de neuroimagem de alta tecnologia são a janela para nossos desejos, psicologias complexas, crenças e desejos (Jarrett 2015).

Neurociência incompreendida

Os avanços na neurociência levaram a uma melhor compreensão da função cerebral, dos processos cerebrais, da psicologia e do comportamento, tanto em animais humanos como em não humanos. Muitos dos avanços na neurociência podem ser atribuídos à neuroimagem dinâmica. Ser capaz de ver o cérebro em ação é algo emocionante e existe um futuro promissor. Para ser mais claro: esse artigo não é uma avaliação crítica da neurociência, mas uma discussão sobre o mau uso da neurociência. O mau uso da neurociência envolve a simplificação excessiva, má interpretação e aplicação prematura da ciência do cérebro a vários domínios, incluindo os domínios jurídico, comercial e clínico. Frequentemente, neuro– é um prefixo utilizado para persuasão.

Neuropersuasão é algo predominante. Acrescente a palavra neuro ao seu produto ou mensagem e observe seu valor aumentar. Nas palavras de um psicólogo cognitivo (parafraseado), se não conseguir persuadir os outros, use um neuroprefixo e a influência aumenta ou seu dinheiro volta (Jarrett 2015). Oferecer explicações relacionadas ao cérebro ou fotos de neuroimagem geralmente ajuda bastante a influenciar consumidores e participantes de pesquisas. Como exemplo, você provavelmente já viu fotos comparando cérebros de pessoas que consomem açúcar com cérebros de pessoas que consomem drogas. As fotos parecem semelhantes, portanto, de acordo com os proponentes, consumir açúcar é como tomar drogas viciantes. O consumo de açúcar pode ativar os mesmos mecanismos de recompensa do cérebro (via da dopamina referida como sistema de dopamina mesolímbica) que o consumo de drogas viciantes ativa. O problema com a reivindicação é a maneira como ela é apresentada e suas inferências são feitas em relação à reivindicação. As recompensas têm valor positivo e facilitam sentimentos de prazer e emoção positiva. Elas agem como reforçadores positivos. As recompensas não apenas levam à ativação do mecanismo de recompensa do cérebro, como também às expectativas ou à antecipação de recompensas. “O fluxo de dopamina é desencadeado pela expectativa mais simples de prazer, mesmo que o prazer não se materialize” (Kandel 2012). Os mecanismos de recompensa do cérebro são ativados quando gostamos de arte, experimentamos belas paisagens, somos expostos a rostos atraentes, ouvimos música agradável, somos expostos a humor ou novidade, dirigimos um carro esportivo e experimentamos amor romântico. O cérebro açucarado poderia facilmente ser chamado de cérebro amoroso. É uma simplificação drástica sugerir que, como o consumo de açúcar pode levar à ativação dos mecanismos de recompensa do cérebro, é semelhante ao uso de drogas.

Em um estudo, verificou-se que a simples inserção da frase “mostra de varreduras cerebrais” levou os estudantes de graduação a aceitar explicações logicamente falhas, derivadas de estudos de neuroimagem (Weisberg et al. 2008). Um estudo de estudantes universitários relatou que a inclusão de informações inúteis de neurociência na descrição de estudos aumentou a probabilidade dos participantes aceitarem explicações como lógicas (Schwartz et al. 2015).

A neuroimagem pode ser utilizada para diagnosticar distúrbios psiquiátricos? A maioria dos distúrbios psiquiátricos é diagnosticada com base em sintomas comportamentais e cognitivos. Os correlatos neurais dos distúrbios psiquiátricos não são suficientemente distintos para permitir um diagnóstico. Atualmente, não existem biomarcadores de neuroimagem que sejam clinicamente úteis para qualquer categoria de diagnóstico em psiquiatria. A neuroimagem combinada com outros níveis de análise pode ser útil em diagnósticos psiquiátricos, mas a neuroimagem por si só não é suficiente ao tentar identificar distúrbios.

O neuromarketing é uma área preocupada em usar os supostos recursos de leitura da mente da fMRI, no que se refere ao marketing e ao comportamento do consumidor. Uma publicação popular relata que esse tipo de marketing revolucionou a publicidade e o marketing. Uma revisão de neuromarketing, publicada na Nature Reviews Neuroscience, não suporta o progresso revolucionário feito pelo neuromarketing. Os autores da revisão concluíram que ainda não está claro se a neuroimagem fornece dados melhores do que outras estratégias de marketing (Ariely e Berns 2010). Há várias maneiras pelas quais a varredura cerebral pode complementar as estratégias de marketing existentes, mas isso não significa que possa substituir essas estratégias – nem significa que elas são superiores às estratégias atuais.

Dispositivos de neuroimagem não são dispositivos de leitura da mente. Como observou um pesquisador, “não estamos lendo a mente aqui. Não estamos realmente olhando seu cérebro e reconstruindo imagens em sua cabeça. Estamos lendo sua atividade cerebral e utilizando essa atividade cerebral para reconstruir o que você viu. E essas são duas coisas muito diferentes” (Nishimoto et al. 2011).

Seja cauteloso ao ler sobre estudos inovadores de neuroimagem. Os jornalistas costumam dar saltos lógicos em seus textos: inferindo a causalidade da correlação, assumindo que processos estritamente neurais são tudo o que é necessário para entender comportamentos e pensamentos complexos, e assumindo que os dados de neuroimagem são mais confiáveis do que os dados derivados de medidas cognitivas e comportamentais.

Referências

  • Ariely, D., and G. Berns. 2010. Neuromarketing: The hope and hype of neuroimaging in business. Nature Reviews Neuroscience 11(4): 284–292.
  • Jarrett, C. 2015. Great Myths of The Brain. Malden, MA: Wiley Blackwell.
  • Kandel, E. 2012. The Age of Insight: The Quest to Understand the Unconscious in Art, Mind, and Brain. New York, NY: Random House.
  • Kolb, B., and I. Whishaw. 2009. Fundamentals of Human Neuropsychology 6th edition. New York, NY: Worth Publishers.
  • Nishimoto, S., et al. 2011. Reconstructing visual experiences from brain activity evoked by natural movies. Current Biology 21(19): 1641–1646.
  • Satel, S., and S. Lilienfeld. 2013. Brainwashed: The Seductive Appeal of Mindless Neuroscience. New York, NY: Basic Books.
  • Schwartz, S.J., et al. 2015. The role of neuroscience within psychology: A call for inclusiveness over exclusiveness. American Psychological Association.
  • Weisberg, D.S., et al. 2008. The seductive allure of neuroscience explanations. Journal of Cognitive Neuroscience 20: 470–477.
CONTINUAR LENDO