Algumas pequenas ilhas estão ficando maiores mesmo com a subida do nível do mar

0
85
(Créditos: USDA)

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

Em meio a subida do nível do mar, as ilhas mais baixas parecem ser totalmente vulneráveis. Cercados pelo oceano por todos os lados – com as marés subindo cada vez mais – esses acidentes geográficos isolados parecem não ter para onde ir.

A menos que elas possam crescer. Estranhamente, algumas ilhas parecem estar fazendo exatamente isso.

Embora pareça incrível, muitas ilhas de recife de baixa altitude parecem estar crescendo em meio à crise contínua das mudanças climáticas – de alguma forma expandindo seu território, em vez de serem engolidas pelo mar.

“Contrariando nossas previsões, a cobertura popular da mídia e as alegações políticas, estudos recentes mostraram que a maioria das ilhas de recife estudadas se mantiveram estáveis ​​ou aumentaram de tamanho desde meados do século 20″, uma equipe de pesquisa liderada pelo geomorfologista costeiro Murray Ford, do Universidade de Auckland, na Nova Zelândia, explica em um novo estudo.

Ilha Jeh hoje, com contorno de 1943 em vermelho. (Créditos: USDA)

Mas como exatamente essas ilhas estão se mantendo acima da água assim?

Para descobrir, Ford e outros pesquisadores investigaram a Ilha Jeh, uma das 56 ilhas que compõem o Atol de Ailinglaplap, um atol de coral que faz parte das Ilhas Marshall – uma república de ilhas baixas considerada uma das nações mais ameaçadas na Terra devido a subida do nível do mar.

Embora não possamos negar que a subida do nível do mar está causando sérios problemas aos países vulneráveis ​​e de baixa altitude, a questão científica das pequenas ilhas serem simplesmente engolidas em massa parece ser mais complicada do que muitos esperavam.

“Essas projeções baseiam-se no pressuposto de que as ilhas são formas de relevo geologicamente estáticas que simplesmente se afogarão com a subida do nível do mar”, explicou Ford, junto com seus coautores, em outro estudo publicado no ano passado.

Essa suposição acaba sendo falha. Uma análise de 2018 de 30 atóis de coral nos oceanos Pacífico e Índico – abrangendo 709 ilhas no total – descobriu que 88,6 por cento das ilhas estavam estáveis ​​ou aumentaram em área nas últimas décadas, e que nenhum dos atóis perdeu área total.

Ilha Jeh em 1943, com o contorno de hoje em vermelho. (Créditos: Arquivos Nacionais dos EUA)

“Isso deu início a uma ‘corrida do ouro‘ em termos de estudos”, disse Ford à CNN esta semana. “O sinal foi meio consistente – não há erosão crônica generalizada de ilhas de atol no Pacífico.”

Mesmo assim, nunca ficou totalmente claro como essas ilhas – que se formam a partir de sedimentos que se acumulam ao redor dos recifes de coral – crescem dessa maneira.

Nós sabemos que elas estão crescendo externamente e talvez para cima – já que os níveis globais do mar aumentaram cerca de 20 centímetros desde 1900 – mas de onde vem o sedimento extra que faz essas massas de terra surgirem? É material recém-produzido no recife ou antigas areias remanescentes que estão de alguma forma sendo levadas para as formações de coral?

Na nova pesquisa, Ford e sua equipe examinaram a Ilha Jeh como um estudo de caso, comparando imagens aéreas e de satélite da ilha de cima, bem como coletando sedimentos da ilha para datar amostras de massa terrestre recém-formada.

Os dados de sensoriamento remoto indicam que a Ilha Jeh aumentou sua área de terra em cerca de 13 por cento desde 1943, crescendo de 2,02 quilômetros quadrados para 2,28 quilômetros quadrados em 2015. Além disso, a ilha atual pode ter sido mais de uma ilha, com novos sedimentos agora se juntando ao que parece ter sido quatro massas de terra separadas.

Além disso, as amostras coletadas na ilha sugerem que as novas partes de Jeh são recentemente geradas por matéria orgânica produzida pelo recife, ao contrário de sedimentos mais antigos sendo reorganizados na estrutura da ilha.

Embora os pesquisadores digam que não podemos saber com certeza se o mesmo processo pode estar em funcionamento em outras ilhas, as descobertas sugerem que os sistemas de recifes com regimes saudáveis ​​de produção de sedimentos devem ser capazes de continuar crescendo apesar da subida do nível do mar.

“Os recifes de coral que circundam essas ilhas [são] a fábrica do crescimento da ilha, produzindo sedimentos que são levados para a costa da ilha”, explica Ford. “Recifes de coral saudáveis ​​são essenciais para que esse processo continue no futuro.”

É claro que os próprios recifes de coral saudáveis não são exatamente comuns hoje em dia. O que levanta a questão de um milhão de dólares: por quanto tempo esse fenômeno inesperado pode durar e com que rapidez? As ilhas, mesmo as que crescem sozinhas, podem acompanhar a subida acelerada do nível do mar no futuro?

A Ilha Jeh não pode responder a essa questão, pelo menos não agora. Mas ajudou a pavimentar o caminho para alguns novos insights importantes – aqueles que os cientistas precisarão incorporar em seu pensamento sobre as ilhas de recife.

“Os modelos existentes consideram uma ilha como uma forma singular de um estado embrionário até o seu desenvolvimento completo, normalmente em escalas de tempo milenares”, escrevem os autores.

“Nossas observações e datações apresentam um mecanismo adicional para a formação de ilhas, no qual as ilhas atuais podem ser o produto da fusão de várias ilhas menores e cada uma pode ter se formado em momentos diferentes.”

Os resultados são relatados em Geophysical Research Letters.