Policiais videntes realmente resolvem crimes?

Por Joe Nickell
Publicado na Skeptical Inquirer

O tema não é nada senão controverso. Em um programa de televisão, um detetive experiente insiste que nenhum vidente jamais ajudou seu departamento a solucionar um crime, enquanto outra programação apresenta um investigador igualmente experiente, que afirma que os videntes são um recurso ocasionalmente valioso, citando exemplos de seus próprios casos resolvidos. Quem está certo? É uma questão de ciência versus misticismo, como alguns afirmam, ou uma questão de ter uma mente aberta em oposição a uma mente fechada, como outros defendem? Vamos olhar para as evidências.

Alegações paranormais

Nos tempos antigos, aqueles que procuravam pessoas desaparecidas, ou que tentavam descobrir crimes, podiam consultar oráculos ou empregar várias outras formas de adivinhação, incluindo astrologia. Depois que a radiestesia se tornou popular no século XVI, alguns praticantes usaram varetas de adivinhação para rastrear supostos culpados. Ao longo do século XIX, certas pessoas “sensíveis” receberam informações sobre crimes em seus sonhos, enquanto durante o auge do espiritismo alguns médiuns alegaram resolver crimes através de informações fornecidas pelos espíritos dos mortos.

Hoje praticamente todas as técnicas antigas, supostamente desacreditadas, estão em voga. Alguns autoproclamados detetives videntes empregam astrologia, enquanto outros afirmam obter informações de seus “guias espirituais”. Outros ainda têm colocado suas hastes e pêndulos de radiestesia no suposto serviço de detecção de crimes. A atual vidente superstar Noreen Renier emprega ainda outra técnica antiga de adivinhação chamada psicometria, a qual supostamente recebe impressões paranormais de objetos conectados a uma determinada pessoa. Muitos videntes afirmam usar a clarividência (“ver claramente”), segundo a qual supostamente “veem” imagens e cenas remotas como se fossem vistas na tela de um filme. Alguns videntes até estudam as “auras” das pessoas ou leem as linhas em suas palmas.

Pelo menos, aparentemente, essa disparidade de abordagem – na qual uma técnica parece funcionar tão bem quanto outra – não parece fornecer uma base credível para investigações paranormais. Nem testes específicos. Por exemplo, o detetive radiestesista francês do século XVII, Jacques Aymar, foi extensivamente testado em Paris com resultados embaraçosos: ele não conseguiu detectar os culpados e até acusou aqueles que eram inocentes, enquanto inventava desculpas absurdas para seus fracassos. Em 1991, os testes de “polícia paranormal” com a britânica Nella Jones indicaram que sua capacidade de “psicometrizar” possíveis armas de crime era inexistente. De fato, os testes conduzidos por pesquisadores do Departamento de Polícia de Los Angeles, relatados no Journal of Police Science and Administration, mostraram que as informações geradas pelos videntes não eram melhores do que o acaso permitia.

Retroadaptação

E os depoimentos de detetives experientes em homicídios que realmente usaram videntes? A maioria dos sucessos relatados parece ser como o que um capitão da polícia de Nova Jersey atribuiu à falecida Dorothy Allison. Suas previsões “eram difíceis de verificar quando iniciadas”, disse ele. “Normalmente, a precisão não pode ser verificada até que a investigação tivesse chegado a uma conclusão”. De fato, essa combinação posterior ao fato – conhecida como “retroadaptação” – é o segredo por trás dos supostos sucessos paranormais. Por exemplo, a declaração, “vejo água e o número sete”, seria um palpite seguro em quase todos os casos. Depois que todos os fatos estiverem presentes, será incomum se não houver um riacho, corpo de água ou outra fonte que não possa de alguma maneira estar associada ao caso. Quanto ao número sete, que mais tarde pode ser associado a uma distância, uma rodovia, o número de pessoas em uma equipe de busca, a parte de um número de placa ou qualquer uma das inúmeras outras interpretações possíveis. Muitos policiais experientes caíram no truque da retroadaptação.

Outras explicações para a reputação de sucesso dos videntes incluem:

  1. Alguns videntes exageram seus sucessos, mesmo alegando resultados positivos em casos que foram fracassos ou que nunca existiram.
  2. Os videntes podem usar meios comuns para obter informações que eles apresentam como tendo sido obtidas psiquicamente. Por exemplo, os videntes foram acusados ​​de se passar pela polícia e até mesmo por suborno de policiais para obter informações. Em um caso, o vidente, desconhecido para um detetive, havia sido informado sobre o caso por outros. Os videntes astutos podem se informar estudando arquivos de jornais ou mapas de áreas, e alguns fazem uso das técnicas de adivinhação de “leitura fria” (uma técnica na qual o paranormal busca informações enquanto observa o ouvinte em busca de reações que sugerem correção ou erro) .
  3. Outra explicação potencial para os aparentes sucessos dos videntes é a lembrança defeituosa do que foi realmente dito. A falibilidade da memória é bem conhecida e muitas histórias do sucesso paranormal melhoram à medida que são contadas e recontadas.
  4. Muitos videntes lidam com vagas generalidades: por exemplo, um vidente relatou perceber “os nomes ‘João’ ou ‘José’ ou algo assim”.
  5. E há fatores sociais e psicológicos que podem influenciar as pessoas a aceitar a precisão das informações. Obviamente, seu próprio sistema de crenças terá efeito.

Esses fatores, combinados com as técnicas sempre presentes de retroadaptação, podem fazer quaisquer pessoas se tornarem “videntes”. O resultado é como pintar o alvo ao redor da flecha depois que foi disparada. Alguns policiais crédulos até ajudam o vidente na reinterpretação necessária para converter uma falha em um aparente “acerto”. Por exemplo, em um caso em que não havia igreja próxima como havia sido previsto, as propriedades pertencentes a uma igreja eram consideradas como se encaixassem no critério.

Ponto-chave

Exceto no caso extremamente raro em que um vidente estava realmente envolvido no crime ou aparentemente havia recebido informações secretas (a partir de uma dica), os videntes raramente levam a polícia a corpos escondidos ou assaltantes desconhecidos. De fato, eles podem usar suas próprias habilidades lógicas ou podem se beneficiar da sorte ou da perseverança, mas não há nenhuma evidência científica credível de que o poder paranormal tenha resolvido um crime. Em vez disso, os crimes são invariavelmente resolvidos pela polícia que busca cenas de crimes, entrevista testemunhas e executa todas as inúmeras tarefas necessárias para localizar uma pessoa desaparecida ou condenar um criminoso.

O senso comum sugere que, se os videntes realmente tivessem os poderes que reivindicam, há muito tempo teriam identificado o “Unabomber” ou descoberto os restos mortais do ex-presidente do Teamster, Jimmy Hoffa. Se eles não podem realizar tais missões individualmente, quanto mais revelador é sua incapacidade coletiva de fazê-lo.

Recursos desperdiçados

Na verdade, o caso contra os videntes é pior do que apenas sua incapacidade de fornecer informações que realmente resolvam crimes. Existe um problema muito mais sério no que diz respeito aos recursos desperdiçados dos departamentos de polícia que gastam tempo precioso e atividade humana no acompanhamento de “pistas” desprovidas de sentido de um vidente. Em um exemplo, a polícia de Nutley, Nova Jersey, passou a tarde inteira cavando uma vala de drenagem que Dorothy Allison erroneamente pensou que continha o corpo de um garoto desaparecido. Em outro caso, o corpo de bombeiros bombearam a água do porão inundado de um prédio abandonado em uma busca infrutífera pelos restos de um garoto que eventualmente foram descobertos na cidade.

Pior ainda, os videntes acusaram injustamente as pessoas de cometerem crimes, um exemplo memorável é o de Peter Hurkos, “o homem com o cérebro de radar”, que erroneamente identificou um homem inocente como o notório Estrangulador de Boston. Esses exemplos respondem à pergunta que é muitas vezes feita por aqueles que defendem o uso de videntes: “Que mal pode causar?” Outro argumento usado pelos defensores é que, em algumas ocasiões, os pronunciamentos de um vidente exigiriam mais esforços de busca, resultando na descoberta do corpo da pessoa desaparecida, mesmo que o vidente não tenha realmente identificado o local. Porém, certamente, a polícia não deve ter que confiar em videntes para incentivá-los a fazer um trabalho mais completo.

Em resumo, policiais experientes resistem à tentação de empregar videntes. Eles sabem que as alegações paranormais não têm qualquer de verificação científica e que, de fato, os videntes não resolvem crimes. A polícia não deve resolver crimes ao mesmo tempo que tolera que pretendentes ocultos, que buscam a publicidade, levem todo o crédito.

CeticismoClarividênciaCrimesCriminologiaEspiritualEspiritualismoInvestigação CriminalMédiumMediunidadeParanormalParapsicologiaPolíciaPseudociênciaPseudociência ForenseSobrenaturalVidenteViolência