Após Lua e Marte, a NASA quer ir até Alpha Centauri em 2069

0
1208

Artigo traduzido e originalmente publicado no site Futurism.

Há 48 anos, a NASA lançou a missão Apollo 11, com os astronautas Neil Armstrong, Buzz Aldrin e Michael Collins. Em 20 de julho de 1969, Neil Armstrong daria o primeiro passo na Lua, com Buzz Aldrin a segui-lo pouco tempo depois. Esses dois homens se tornaram os primeiros humanos a caminhar na Lua.

Embora não voltemos para a Lua há décadas, isso não quer dizer que a humanidade nunca tenha se arriscado no espaço – a Estação Espacial Internacional continua sendo uma prova viva da presença contínua da humanidade fora da Terra.

Por um tempo, os pensamentos de voltar para a Lua foram ofuscados por um anseio de ir a Marte. No entanto, após o anúncio do vice-presidente, Mike Pence, em outubro, de que os Estados Unidos começariam a enviar os astronautas de volta à Lua, Marte novamente tomou o banco de reservas. Apenas nas últimas semanas, o presidente Trump assinou uma nova diretriz que ordena à NASA se concentrar em um novo programa de exploração espacial dos EUA.

“Imagine as possibilidades que nos esperam nessas grandes e incríveis estrelas se nos atrevermos a sonhar alto”, afirmou o presidente Trump. “Isso é o que o nosso país está fazendo novamente, estamos sonhando grande”.

“Sonhar grande” é certamente uma maneira de tudo isso, já que a NASA tem vários projetos e missões em desenvolvimento que nos levariam muito além da Lua. Para começar, existe o foguete Space Launch System (SLS) e a nave espacial Orion – que são componentes-chaves para os planos da organização para chegar à Lua, à Marte e ao espaço profundo. São seguidos pelo Deep Space Gateway, que será construído perto da Lua e servirá como uma estação espacial para facilitar a longa viagem até Marte.

Se a NASA chegar a esse caminho, porém, enviará pessoas ainda mais longe no espaço profundo exterior. Conforme relatado pela New Scientist, a NASA está planejando lançar uma nave espacial para um exoplaneta próximo em 2069 – 100 anos após o sucesso da missão Apollo 11 acima mencionada.

De acordo com a Newsweek, a missão levará a nave espacial ao sistema Alpha Centauri, casa do exoplaneta Proxima Centauri b. Não é de surpreender que a missão seja tão nova na fase de planejamento que nem sequer tem um nome ainda. Anthony Freeman, gerente da Fundação de Inovação no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, classificou todo o projeto como algo ainda “muito nebuloso”. Mesmo a tecnologia para tal expedição ainda não foi desenvolvida, embora a NASA esteja pensando em usar a mesma técnica de sonda robótica usada pelo bilionário russo Yuri Milner e seu projeto Breakthrough Starshot.

Embora a missão não identificada tenha sido revelada na conferência da União Geofísica Americana de 2017 em 12 de dezembro, esta ideia não é inteiramente nova. Na verdade, a ideia nasceu em 2016, quando o Representante dos EUA, John Culberson, ordenou à NASA planejar uma viagem ao sistema estelar em 2069. No relatório que acompanhou o projeto de lei, Culberson e um grupo de pessoas que supervisiona a NASA incentivaram a agência a “estudar e desenvolver conceitos de propulsão que poderiam permitir a criação de uma sonda científica interestelar com a capacidade de alcançar uma velocidade de 0.1c (10 por cento dos velocidade da luz).”

A Voyager 1, única nave espacial a chegar ao espaço interestelar, está viajando a menos de 1 por cento de 1 por cento da velocidade da luz, de acordo com a Newsweek. Como Alpha Centauri está a cerca de 4,4 anos-luz de distância, a sonda da NASA provavelmente chegaria ao sistema em cerca de 44 anos se conseguisse se mover com uma velocidade de 10% da velocidade da luz. A sonda também não seria o único hardware usado na missão. A NASA seguiria a sonda com um telescópio espacial capaz de reunir dados sobre o sistema sem a necessidade de ver tudo dentro do sistema – uma característica inestimável considerando a distância de Alpha Centauri de nós.

Claro, até 2069 são décadas de distância, dando à NASA muito tempo para projetar, construir e testar a tecnologia necessária para tornar a viagem possível. A Voyager 1 foi lançada há quase 40 anos e ainda tem mais para nos mostrar. O que veremos nesses próximos 50 anos antes de realmente chegarmos a outro sistema estelar?

CONTINUAR LENDO