Arqueólogos desenterraram um esqueleto antigo. Então, eles notaram algo muito estranho

0
219
Esqueleto 4926, o homem crucificado. Créditos: Albion Archaeology / Adam Williams.

Por Rebecca Cohen e Erin Schumaker
Publicado no Business Insider

Cientistas dizem que um esqueleto encontrado com um prego atravessado no pé na Inglaterra é uma rara evidência de uma crucificação romana.

O esqueleto foi incluído em um relatório recente da revista British Archaeology, que detalha as descobertas de uma escavação de um antigo assentamento romano encontrado em Fenstanton, Cambridgeshire, que remonta ao final do primeiro ou início do segundo século d.C.

Em um dos cinco cemitérios descobertos, um esqueleto – que se pensava ser de um homem por volta de 25-35 anos na época de sua morte – tinha um prego alojado em seu calcanhar.

“Isso nos surpreendeu um pouco”, disse ao Insider David Ingham, supervisor do projeto da Albion Archaeology, que liderou a escavação. O grupo não descobriu o prego até estarem de volta ao laboratório limpando os ossos.

Um prego foi encontrado no osso do calcanhar de um antigo esqueleto na Inglaterra. Crédito: Albion Archaeology.

Os pés da vítima estavam provavelmente “posicionados de cada lado do poste vertical da cruz, com os pés presos por pregos horizontais nos calcanhares”, escreveram Ingham e Corinne Duhig, arqueóloga da Universidade de Cambridge, no estudo da British Archaeology.

Depois de consultar um especialista em ossos humanos e descartar várias teorias menos prováveis, os arqueólogos concluíram que o prego foi enfiado no pé da vítima durante uma antiga crucificação romana, tornando-a a quarta execução conhecida em todo o mundo – e a mais bem preservada.

Embora se acreditasse que a crucificação era relativamente comum nos antigos assentamentos romanos, encontrar evidências arqueológicas dela é extremamente raro.

O esqueleto de Cambridgeshire é apenas a segunda vez que a evidência física da crucificação foi documentada. Duas das quatro execuções reivindicadas anteriormente – uma na Itália e outra no Egito – não tinham nenhum prego associado a elas.

Um esqueleto encontrado em Jerusalém em 1968 tinha um prego posicionado de forma semelhante em seu calcanhar, levando os cientistas a acreditar que ambos estavam posicionados de forma semelhante no momento da crucificação, de acordo com o relatório da British Archaeology. Na recente descoberta em Cambridgeshire, o prego foi mantido no pé do esqueleto porque havia se dobrado e se fixado no osso.

“Todo mundo sabe sobre a crucificação por meio do cristianismo”, disse Ingham. “O que as pessoas não percebem necessariamente é que havia muitas maneiras diferentes pelas quais os romanos crucificavam as pessoas. Portanto, não é apenas a imagem clássica, em cima da cruz, com os braços abertos, abertos, os pés juntos”.

Em vez disso, as pessoas podem ter sido amarradas à cruz em vez de serem pregadas, Ingham explicou.

Os cientistas não encontraram o prego no pé do esqueleto crucificado até que estivessem de volta ao laboratório. Créditos: Albion Archaeology / Adam Williams.

Quando os pregos eram usados, geralmente eram removidos do corpo para que pudessem ser reutilizados. Pregar os pés na cruz não era necessariamente feito para fixar o corpo na estrutura. Em vez disso, pode ter imobilizado as pessoas sendo crucificadas e impedido de usar os pés para facilitar a posição em que estavam.

“Era relativamente comum, mas ainda era reservado para os crimes mais graves. Crimes que ameaçam o Estado, particularmente sedição, bruxaria, esse tipo de coisa”, disse Ingham, acrescentando: “Essas eram pessoas que haviam caído seriamente em desgraça com o Estado, a ponto de terem sido crucificados”.

A família e os amigos podem ter temido a associação a uma persona non grata na sociedade local, mesmo morta, e não conseguiram providenciar um enterro adequado. Deixada acima do solo, a decomposição teria destruído as evidências da execução, explicou Ingham.

O esqueleto de Cambridgeshire acrescenta evidências de textos históricos sobre a crucificação romana e também indica a situação política na época da execução da vítima.

“Isso mostra que a lei romana ainda era aplicada mesmo nas províncias mais longínquas do império”, disse Ingham. “O extremo oeste do império – na Grã-Bretanha – era um lugar bastante conflituoso na época em que essa pessoa vivia, nos séculos III e IV. Houve muita convulsão política”.