Artemis I tirou fotos impressionantes da Terra, agora se pondo em seu primeiro sobrevoo lunar

0
52
A Terra espreita no horizonte da Lua além da espaçonave Orion. (Créditos: NASA)

Traduzido por Julio Batista
Original de Nancy Atkinson para o Universe Today

A espaçonave Orion fez seu primeiro sobrevoo próximo à Lua na segunda-feira, 21 de novembro, chegando a 130 quilômetros da superfície lunar.

Enquanto a espaçonave não tripulada da missão Artemis 1 passava pelo outro lado da Lua, o motor do sistema de manobra orbital de Orion disparou por 2 minutos e 30 segundos para colocar com sucesso a cápsula na órbita desejada para a missão, chamada de órbita retrógrada distante ao redor da Lua.

“Esta disparada do motor está colocando Orion para orbitar a Lua e é o maior evento propulsivo até agora, já que Artemis está sobrevoando a Lua”, disse Mike Sarafin, gerente da missão Artemis em uma entrevista na segunda-feira.

A disparada do motor, chamada de disparada de sobrevoo com alimentação de saída, é a primeira de duas manobras necessárias para entrar na chamada órbita retrógrada distante ao redor da Lua.

A próxima disparada ocorre na sexta-feira, 25 de novembro, usando os motores do Módulo de Serviço Europeu. Orion permanecerá nesta órbita por cerca de uma semana para testar os sistemas da espaçonave.

A órbita retrógrada distante levará Orion 64.500 quilômetros além da Lua. A maior distância de Orion da Terra será na segunda-feira, 28 de novembro, às 09:05 UTC (06:05, no Horário de Brasília), a mais de 432.110 quilômetros.

A maior distância de Orion da Lua será na sexta-feira, 25 de novembro, às 21:53 UTC (18:53, no Horário de Brasília), a mais de 92.135 quilômetros. Este é o mais longe que qualquer espaçonave humana já voou além da Lua.

Aqui está uma boa descrição da órbita incomum de Orion ao longo da missão:

Nunca cheguei perto de entender a mecânica orbital. Que viagem fascinante para casa para Orion (Grande contribuição da Primal Space). (Créditos: Chris Combs @DrChrisCombs/Primal Space @thePrimalSpace/Twitter)

Sarafin disse que as equipes da missão tiveram a chance de revisar o desempenho do foguete do Sistema de Lançamento Espacial, da espaçonave e dos sistemas terrestres da missão Artemis I.

Os resultados, disse ele, foram “de encher os olhos”, o que significa que tudo atendeu ou superou as expectativas.

“Não vimos nada no foguete ou na espaçonave que nos fizesse questionar qualquer parte da missão”, disse Sarafin.

“Este é em grande parte um voo com sinal verde. Os sistemas do veículo atenderam as expectativas, mas estamos trabalhando em alguns imprevistos – nada que coloque quaisquer restrições na missão, apenas algumas coisas que estavam operando de maneira diferente do esperado. No geral, a missão continua a proceder como planejado.”

Durante o sobrevoo, as câmeras a bordo da espaçonave enviaram imagens impressionantes da Lua, com a Terra ao fundo.

Pôr-da-Terra. A Orion da NASA capturou esta foto da Terra “se pondo” enquanto a espaçonave passava perto da Lua. A quase 430.000 km de distância, Artemis I logo ultrapassará a distância recorde da Apollo 13 da Terra em uma espaçonave projetada para transportar astronautas. (Créditos: NASA @NASA/Twitter)

“Um nascer da Terra de nosso pálido ponto azul e seus 8 bilhões de habitantes humanos estão nessa foto”, disse a comentarista do Controle da Missão Sandra Jones na TV da NASA quando as imagens foram recebidas da Orion.

“Não esperávamos obter transmissão de vídeo ao vivo como fizemos”, disse Judd Frieling, diretor de voo de decolagem e entrada do Artemis 1, “mas, como parte do teste do sistema, estávamos vendo até onde podemos pressionar as limitações da largura da banda. Deste ponto em diante, quando tivermos largura da banda disponível, transmitiremos a transmissão ao vivo da missão.”

Artemis 1 foi lançado em 16 de novembro e é a primeira missão em 50 anos em que uma espaçonave com capacidade humana está na Lua. A NASA espera usar Orion, o Sistema de Lançamento Espacial e outros hardwares ainda a serem construídos, como um módulo lunar construído pela SpaceX – para enviar astronautas de volta à superfície lunar.

Essa primeira missão de pouso lunar pode ser lançada em 2025. O Artemis 1 está testando grande parte da tecnologia que será necessária para voos futuros.

Frieling também disse que a Orion passará pela Lua novamente em 5 de dezembro, e a iluminação deve ser boa o suficiente para que as câmeras da Orion capturem imagens dos locais de pouso da Apollo.

A Terra é vista do outro lado da Lua além da espaçonave Orion nesta captura de tela de um vídeo. (Créditos: NASA)

Embora seja uma proposta empolgante, não espere ver boas visualizações dos aparelhos deixado para trás. O Orion não estará tão perto quanto o Lunar Reconnaissance Orbiter –que já obteve visualizações de alta resolução dos locais de pouso da Apollo – nem as câmeras do Orion são tão boas quanto as do LRO.

Orion retornará à Terra cerca de 25 dias após o lançamento, e o pouso na água de Orion está previsto para 11 de dezembro.

Usando as câmeras dos painéis solares do Módulo de Serviço Europeu, os engenheiros foram capazes de avaliar o exterior do Orion e consideraram que ele estava em ótimas condições. Portanto, Orion já foi liberado para reentrada.

Sarafin disse que no dia 5 de dezembro as equipes se reunirão para decidir quando e onde implantar as forças de recuperação da espaçonave, um esforço conjunto entre a Marinha dos EUA e a NASA.

A zona de recuperação será no Oceano Pacífico, mas o local exato de pouso será decidido com base em uma série de fatores, principalmente o clima.