As epidemias e suas ligações com as mudanças climáticas

0
1098

Um modelo matemático, feito por pesquisadores da University College London, mostra que mudanças climáticas combinadas com crescimento populacional e uso indevido do solo são três fatores importantes para prever surtos de doenças transmitidas por animais como ebola e Zika vírus.

O estudo também concluiu que mais de 60% das doenças infecciosas emergentes no planeta de origem animal estão relacionadas a fatores ambientais. “Este modelo é um grande avanço na nossa compreensão da transmissão de doenças de animais para pessoas. Esperamos que o modelo possa ser usado para ajudar as comunidades a se preparar e responder a surtos de doenças, assim como influenciar decisões sobre o meio ambiente que podem estar dentro de seu controle”, explica Kate Jones, cientista líder do projeto.

Essas doenças, conhecidas como zoonóticas, podem formar epidemias grandiosas e de muito impacto, quase sem controle. Entre 2013 e 2014, a epidemia de ebola atingiu muitas comunidades carentes da África, deixando o continente em estado de emergência.

O modelo foi feito tendo como base a febre Lessa, doença  hemorrágica viral transmitida por ratos e endêmica do oeste da África. Cerca de 408 locais na África conhecidos por terem surtos de febre Lessa foram mapeadas. Os pesquisadores analisaram dados de 1967 a 2012 e avaliaram as mudanças no uso de terras, colheitas, temperaturas e índice de chuvas, além do comportamento das comunidades locais, acesso e cuidados com a saúde.

Como resultado, também houve a identificação de subespécies de ratos que transmitem a doença. Com isso, o modelo mostrou que, em 2070, 406.725 pessoas estarão infectadas com a doença. Esse número é mais que o dobro da estimativa feita anteriormente. Para chegar a esse número, o modelo levou em consideração as mudanças climáticas e o crescimento populacional.

Agora, a esperança é de que o modelo possa ajudar governantes a tomarem decisões e traçarem melhor políticas públicas de saúde, acesso á alimentação e cuidados com o meio ambiente. O modelo dá uma visão alternativa para os problemas das grandes epidemias zoonóticas, mostrando que o problema é complexo e envolve vários fatores que ultrapassam a saúde pública. Esta, também, é a oportunidade de rever a questão do Zika vírus no Brasil e saber com mais exatidão sua causa e como agir para conte-la.

Via site da Fapeam.

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorVai começar o curso de astrobiologia da USP pelo Coursera
Próximo artigoVamos falar sobre álcool?
Yara Laiz Souza
Estudante de Ciências Biológicas na Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Divulgadora Científica nas redes sociais, escreve para diversos sites e revistas online, tem uma modesta página no Facebook (Ciência em Pauta - Por Yara Laiz Souza) e, nas horas vagas, cultua fotos do Benedict Cumberbatch no celular.