Astrônomos descobrem anel com 5 bilhões de anos-luz de diâmetro: a maior estrutura no universo

33
7341
Uma imagem da distribuição de GRBs no céu a uma distância de 7 bilhões de anos-luz, centrada no anel recém-descoberto. As posições de GRBs são marcadas por pontos azuis e a Via Láctea é indicada como referência, entre a esquerda e a direita da imagem. Créditos da Imagem: L. Balazs.

Publicado na Royal Astronomical Society

Uma equipe de astrônomos da Hungria e dos EUA descobriram o que parece ser a maior feição no universo observável: um anel de nove explosões de raios-gamma – e portanto, galáxias – com 5 bilhões de anos-luz de diâmetro. Os cientistas, liderados pelo Prof. Lajos Balazs, do Observatório Konkoloy, em Budapeste, reportou seu trabalho num artigo do Montlhy Notices of the Royal Astronomical Socitey.

Explosões de raios-Gamma as GRBs, são os eventos mais luminosos no universo, lançando o equivalente à energia que o Sol lança em 10 bilhões de anos em poucos segundos. Acredita-se que elas sejam o resultado do colapso de massivas estrelas em buracos negros. A grande luminosidade desses eventos, ajuda os astrônomos a mapearem o local de distantes galáxias, algo que a equipe explorou.

As GRBs que constituem o recém-descoberto anel foram observadas, usando uma grande variedade de telescópios, tanto em Terra como no espaço. Elas aparecem a uma distância muito similar de nós, cerca de 7 bilhões de anos-luz, num círculo de 36 graus através do nosso céu, ou o equivalente a mais de 70 vezes o diâmetro da Lua Cheia. Isso implica que o anel tem mais de 5 bilhões de anos-luz de diâmetro, e de acordo com o Professor Balazs, existe somente a probabilidade de 1 em 20000 das GRBs estarem nessa distribuição por coincidência.

Os modelos mais atuais indicam que a estrutura do cosmos é uniforme em grandes escalas. Esse “Princípio Cosmológico“, é estabelecido a partir das observações do universo inicial e da assinatura da radiação de micro-ondas de fundo, observadas pelos satélites WMAP e Planck. Outros resultados recentes e essa nova descoberta, desafiam esse princípio, que coloca o limite de 1.2 bilhões de anos-luz para as maiores estruturas. O anel recém-descoberto é quase cinco vezes maior que esse limite.

“Se o anel representa uma estrutura espacial real, então ele é visto quase que de frente, devido à pequena variação nas distâncias das GRBs ao redor do centro do objeto. O anel poderia ser pensado como sendo a projeção de uma esfera, onde as GRBs todas ocorressem dentro de um período de 250 milhões de anos, uma escala de tempo curta comparada com a idade do universo.”

Uma projeção de um anel esférico espelharia o anel de aglomerados de galáxias vistos ao redor dos vazios no universo; vazios e formações parecidas com correntes são vistas e previstas por muitos modelos do cosmos. O anel recém-descoberto é contudo, no mínimo dez vezes maior que os vazios conhecidos.

O Prof. Balazs comenta: “Se nós estivermos corretos, essa estrutura contradiz os modelos atuais do universo. Foi uma grande surpresa encontrar algo tão grande – e nós ainda não entendemos bem como isso possa existir.”

A equipe agora quer descobrir mais sobre o anel, e estabelecer se os processos conhecidos para a formação de galáxias e para a estruturas de grande escala poderiam ter levado à sua criação, ou se os astrônomos precisam revisar radicalmente suas teorias sobre a evolução do cosmos.

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorNASA faz imagem espetacular da Lua transitando o disco da Terra
Próximo artigo6º Hangout do Universo Racionalista – Casamento Homoafetivo
Sergio Sancevero
Graduado em Geofísica pela Universidade de São Paulo (1999), mestrado em Ciências e Engenharia do Petróleo pela Universidade de Campinas (2003) e doutorado em Geociências pela Universidade de Campinas (2007). Atuou na empresa ROXAR entre os anos de 2007 e 2011 como consultor especializado na área de modelagem de reservatórios, participando ativamente das atividades da empresa em toda América do Sul. Atualmente trabalha na Landmark como especialista em Geologia voltado exclusivamente para buscar soluções que respondam às atuais demandas do mercado brasileiro. Tem experiência na área de Geociências com ênfase em Geofísica Aplicada.

Deixe um comentário

33 Comentários em "Astrônomos descobrem anel com 5 bilhões de anos-luz de diâmetro: a maior estrutura no universo"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Maiquel Paula Nascimento
Visitante

Galera tudo esta em movimento em talves uns 100 bilhoes de anos tudo deve ser uma unica e imensa galaxia, tudo ira se unir todas as galaxias do universo seram uma só em harminia querem apostar, esperem e veram

adaray3
Visitante

Você esta ignorando a energia escura, que faz o universo expandir e não contrair, aposto que sera um enorme vazio.

Jonathan
Visitante

N da, Irei morrer antes :/

Webb
Visitante
Na verdade não faz sentido nenhum a matéria do Big Bang ter pra onde se expandir se não há espaço infinito ou então espaço imensurável, já que a expansão está acelerando e não diminuindo. Também não faz sentido a existência de uma borda já que nada no universo se expande sem ganhar massa ou perder densidade, e como matéria não é criada e sim transformada pode-se dizer que o universo tem a mesma quantidade de matéria hoje que sempre teve, ou seja, ele se expande porque perde sua densidade por uma força separadora desconhecida. Logo uma “borda” seria algo muito… Read more »
katabruk
Visitante

A equipe agora quer descobrir mais sobre o anel, e estabelecer se os processos conhecidos para a formação de galáxias e para a estruturas de grande escala poderiam ter levado à sua criação,
-> “ou se os astrônomos precisam revisar radicalmente suas teorias sobre a evolução do cosmos.”

Marcelo
Visitante

Nossa 5 bilhões de anos-luz.. *-*

Eduardo André
Visitante

Quanto mais notícias como esta, mais a ideia de um deus criador se distancia da realidade. Foda-se, Deus!

Mario Daniel
Visitante

Toda essa beleza e perfeição do universo não é obra do acaso, e sim de uma força superior, Deus. Porém não é obra de um deus mitológico que faz tudo num passe de mágica, sim de um deus muito inteligente que arquitetou bem o universo e os lugares que nele há vida. Como o nosso caso, estamos na zona habitável, com elementos necessários para manutenção da vida e num sistema solar com o sol ideal e com planetas gasosos bem colocados que servem de escudo para nosso planeta. “O acaso não seria tão inteligente assim.”

Starman
Visitante

Mário Daniel, esse argumento é o mais falho de todos. Essas condições de ter vida só explicam o porquê da maioria dos planetas não terem vida (diminui as probabilidades, mas nunca chega ao 0% de chances). São por esses motivos que a vida é rara (amplie isso para o universo e a raridade continua, porém com bem mais planetas dotados de vida).

César
Visitante

Engraçado! Penso o contrário de você, quanto mais mistério maior a certeza da existência de Deus! E maior a ignorância do homem achando que sabe alguma coisa sobre a criação de Deus!

Juliano
Visitante

Concordo com você César, isso só mostra o quanto estamos errados quanto ao pensamento de um deus antropomórfico e como estamos longe de começar a compreender a realidade Divina.

Renato
Visitante

Se nao fosse essa tal “ignorancia” do homem, estariamos na idade media ate hj, achando que a terra era plana e sustentada por pilares, e que o sol girava em torno da terra e bla bla bla! se foi Deus que criou isso tudo ou nao, ja é outra conversa, mas nao vejo mau algum no ser humano querer desvendar os misterios que nos cerca, e entender mais sobre o mundo em que vivemos!

Gabriel
Visitante

Não confunda ignorância com ciência, nem com curiosidade. A “ignorância” que César destacou é o sentimento de superioridade, enquanto somos meros pontos no espaço, vulneráveis. Já disse Neil DeGrasse Tyson: “A ciência trabalha na fronteira entre conhecimento e ignorância. Não há vergonha em admitir o que não se sabe. A única vergonha é fingir que tem-se a resposta pra tudo.”

Runnerba
Visitante

De boa, “não acredito em Deus, mas o odeio por via das dúvidas”. EHEHEHEHEHEHEHEHEHEHEH

AL.
Visitante

deus é a “resposta” para mente humana daquilo que ele nao consegue compreender.

Leandro
Visitante

Se o universo é infinito, como podem saber se essa é a maior estrutura?

Joao Pedro
Visitante

Leia de novo amigo… Do universo OBSERVAVEL

Fábio
Visitante

Até o momento.

Keven
Visitante

É a maior estrutura no universo *observável* :) E é impossível saber se o universo é infinito..

Caique
Visitante

Universo observável, leia com atenção!

Marcos
Visitante

Como pode ser infinito se está em expansão? Ao meu ver não é infinito e sim finito

Daniel
Visitante
O próprio espaço está em expansão, não é “a borda” que está se deslocando. Cada objeto cósmico está se distanciando dos demais porque o próprio espaço entre eles está crescendo. A imagem de um balão enchendo de ar engana, porque pensamos na borda. Na verdade, não temos ideia se existe uma borda – a ideia é que, como na superfície do balão, cada ponto está se distanciando dos demais. Nada de borda. Assim, pode-se ter expansão em algo infinito (dê uma olhada no conceito de infinito da matemática para verificar o que estou dizendo). Mas também não sabemos se o… Read more »
Fernando
Visitante

Tanto poderíamos dizer que o espaço se está expandindo, como que “as coisas” que nele estão se estão contraindo. Qualquer das referências poderia estar em modificação. Ou não? De outra forma: há algum estudo que comprova que o tamanho do fóton (?) é o mesmo desde sempre? Nunca soube de algo por aí.

Daniel
Visitante

Interessantíssima a sua colocação! Imagino que se toda a referência que temos diminuir junto, não temos mesmo como saber! Ou seja, o tamanho do fóton sempre será relativo a alguma coisa – a um metro, por exemplo. Ele pode sempre permanecer o mesmo do nosso ponto de vista, desde que o metro também se mantenha no mesmo tamanho sempre. O ponto é que se tudo que conhecemos está encolhendo, nunca descobriremos que não é “o resto” que estaria em expansão.

Obrigado pela reflexão, Fernando!

Richard Gomes
Visitante

“Infinito” é um conceito matemático. Na verdade, não observamos “infinito” na realidade que nos circunda, nem no microcosmo, nem no macrocosmo.

Dieik
Visitante

Ninguém nunca pode afirmar de fato que é Infinito, está fora do nosso alcance estabelecer está Meta…

Marlon
Visitante

realmente, mas está ainda mais longe podermos afirmar que é finito, já que não se tem alcance de alguma borda do universo.

Rodrigo
Visitante

…descobriram o que parece ser a maior feição no “universo observável”.

Bruno
Visitante

O maior já encontrado, em universo observável.. LEIA !

wpDiscuz