Pular para o conteúdo

Besouros antigos se alimentavam de restos de dinossauros emplumados do Cretáceo

Traduzido por Julio Batista
Original de Enrico de Lazaro para o Sci. News

Vertebrados e artrópodes são dois dos grupos de animais mais frequentemente fossilizados com boa preservação, mas evidências diretas de sua interação no tempo profundo – envolvendo a fossilização conjunta e íntima de restos de ambos os grupos – são extremamente raras. Novas descobertas no âmbar do Cretáceo Inferior em San Justo, no nordeste da Espanha, mostram que uma relação simbiótica, provavelmente comensal/mutualística, foi estabelecida entre larvas de besouros que se alimentam de penas isoladas e dinossauros não aviários com penas há mais de cem milhões de anos.

“As penas, como os pelos, são estruturas tegumentares compostas de queratina resistente e durável”, disse o Dr. Ricardo Pérez-de la Fuente do Museu de História Natural da Universidade de Oxford, e seus colegas.

“Apesar de ser uma fonte concentrada dessa proteína, poucos grupos de artrópodes desenvolveram adaptações para ingerir e metabolizar a queratina — a chamada ceratofagia.”

“Além de seu significado ecológico, a ceratofagia também é importante do ponto de vista evolutivo, representando, por exemplo, um estágio de transição entre os piolhos de vida livre e os verdadeiros piolhos parasitas, na forma de piolhos-de-livros que geralmente se alimentam de restos de ninhos, incluindo queratina.”

“A ceratofagia como uma especialização trófica implica uma simbiose parasitária se o hóspede artrópode que se alimenta causa danos no tegumento do hospedeiro vertebrado.”

“Ao contrário, a ceratofagia também pode envolver uma simbiose comensal-mutualística entre o hospedeiro, com o artrópode consumindo as estruturas tegumentares acumuladas do hospedeiro, possivelmente vantajosas para o hospedeiro ao limpar seu ninho.”

“Apresentamos diversas evidências de ceratofagia envolvendo restos de besouros e penas preservados em âmbar cretáceo da Espanha, representando um raro exemplo de relação simbiótica artrópode-dinossauro em tempos profundos.”

As mudas larvais preservadas no âmbar de 105 milhões de anos em San Justo foram identificadas como relacionadas aos besouros-de-couro modernos, ou dermestídeos.

Besouros dermestídeos são pragas comuns de produtos armazenados ou coleções de museus, alimentando-se de materiais orgânicos difíceis de digerir por outros organismos, como fibras naturais.

No entanto, os dermestídeos também desempenham um papel fundamental na reciclagem de matéria orgânica no ambiente natural e costumam habitar os ninhos de pássaros e mamíferos, onde se acumulam penas, pelos ou pele.

As penas quase certamente se soltaram do dinossauro hospedeiro, pois mostravam sinais de danos e decomposição, incluindo filamentos de fungos crescendo em sua superfície.

Consequentemente, os pesquisadores propõem que as larvas do besouro provavelmente viveram dentro ou sobre um ninho de dinossauro, onde penas suficientes poderiam se acumular para sustentar uma população.

Este ninho estaria sobre ou perto de uma árvore produtora de resina, levando à formação dos fósseis de âmbar quando um fluxo de resina prendeu as larvas e as penas, preservando-as juntas por milhões de anos.

“Não está claro se o hospedeiro terópode emplumado se beneficiou das larvas do besouro que se alimentava de suas penas soltas neste cenário de ninho plausível”, disse o Dr. Pérez-de la Fuente.

“No entanto, o terópode provavelmente não foi danificado pela atividade das larvas, pois nossos dados indicam que elas não se alimentavam de plumagem ‘viva’.”

“Além disso, as larvas careciam de estruturas defensivas semelhantes a cerdas que, entre os dermestídeos modernos, podem irritar a pele dos hospedeiros do ninho e até mesmo matá-los”.

“A visão emergente é que alguns grupos de artrópodes em simbiose com terópodes com penas no final do Mesozoico fizeram a transição para aves modernas no Cenozoico, a atual era geológica da Terra”, acrescentou o Dr. Pérez-de la Fuente.

“Suspeito que, à medida que mais fósseis forem desenterrados, continuaremos encontrando mais evidências importantes sobre como dois dos grupos mais proeminentes de animais, artrópodes e vertebrados, influenciaram os caminhos evolutivos fascinantes e frequentemente entrelaçados um do outro”.

Um paper sobre as descobertas foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.