Centenas de túmulos antigos revelam a história muçulmana secreta de uma cidade espanhola

0
495
Os mortos foram colocados de frente para Meca. Crédito: Associação Cultural El Patiaz.

Por Tom Metcalfe
Publicado na Live Science

Um sítio arqueológico no nordeste da Espanha abriga um dos mais antigos cemitérios muçulmanos conhecidos no país, com a descoberta de 433 túmulos, alguns datando dos primeiros 100 anos da conquista islâmica da Península Ibérica.

As descobertas confirmam que a região, ao longo da fronteira entre os mundos islâmico e cristão em guerra no turbulento início da Idade Média, já foi dominada por governantes muçulmanos, que mais tarde foram substituídos por governantes cristãos e a sua história islâmica foi esquecida.

Os arqueólogos desenterraram os túmulos antigos de uma maqbara ou necrópole muçulmana, datando entre os séculos VIII e XII, na cidade de Tauste, no Vale do Ebro, cerca de 40 quilômetros a noroeste de Saragoça.

As escavações em Tauste se concentraram em uma única estrada. Crédito: Associação Cultural El Patiaz.

Os restos mortais mostram que os mortos foram enterrados de acordo com rituais fúnebres muçulmanos e sugerem que a cidade foi em grande parte islâmica por centenas de anos, apesar de não haver menção a essa fase nas histórias locais.

“O número de pessoas enterradas na necrópole e o tempo em que foi ocupada indicam que Tauste era uma cidade importante no Vale do Ebro na época islâmica”, disse a arqueóloga Eva Giménez, da empresa patrimonial Paleoymás, ao Live Science.

Giménez e a empresa Paleoymás foram contratados para as últimas escavações pela Associação Cultural El Patiaz, que foi fundada pela população local em 1999 para investigar a história da cidade.

Suas escavações iniciais em 2010 sugeriram que uma necrópole islâmica de 5 acres (2 hectares) em Tauste pode conter os restos mortais de até 4.500 pessoas. Mas o orçamento limitado da associação fez com que apenas 46 sepulturas pudessem ser desenterradas nos primeiros quatro anos de trabalho.

Crédito: Associação Cultural El Patiaz.

Giménez disse que as últimas descobertas indicam que ainda mais sepulturas muçulmanas ainda podem ser encontradas. “Agora temos informações que indicam que o tamanho da necrópole é maior do que se conhecia”, disse ela.

Conquista muçulmana

Os túmulos datam da época em que os exércitos muçulmanos do Norte da África, que eram aliados do califado omíada do Islã em Damasco, invadiram o que hoje é a Espanha em 711 d.C. Em 718, eles haviam conquistado a maior parte da Península Ibérica – hoje Espanha e Portugal – exceto algumas regiões montanhosas do noroeste que permaneceram reinos cristãos independentes.

Os invasores muçulmanos, chamados de “mouros” pelos cristãos, tentaram conquistar a Gália – agora França – mas foram impedidos, primeiro na Batalha de Toulouse em 721 e depois na Batalha de Tours em 732, onde foram derrotados por um exército franco menor liderado pelo nobre Charles Martel. Diz-se que o uso franco da cavalaria pesada desempenhou um papel decisivo na batalha, informou a Live Science anteriormente.

Depois disso, os líderes muçulmanos estabeleceram seu governo ao sul de Barcelona e dos Pirineus, a cordilheira que divide a Espanha e a França. O Vale do Ebro em torno de Saragoça, no entanto, permaneceu em mãos muçulmanas.

A região governada por muçulmanos ficou conhecida como al-Andalus – com o nome “Andal” possivelmente devido ao nome dos vândalos que os muçulmanos conquistaram – e atingiu seu auge cultural por volta do século 10 com avanços em matemática, astronomia e medicina.

Segundo alguns relatos, o regime era relativamente benigno. Judeus e cristãos foram autorizados a praticar suas religiões se optassem por não se converter ao islamismo, mas pagavam um imposto extra, chamado jizya, e foram tratados como uma classe social inferior aos muçulmanos.

O domínio muçulmano na Espanha começou a se fragmentar após o século 11, e os reinos cristãos no norte se tornaram mais poderosos. O último emirado muçulmano, em Granada, foi derrotado em 1492 pelos exércitos de Castela na batalha final da Reconquista cristã liderada por Isabela e Fernando, a primeira rainha e rei da Espanha. O Islã foi proibido e as violentas perseguições antimuçulmanas continuaram até o início do século XVII.

A influência do domínio islâmico foi reconhecida em partes próximas da região, mas a história da fase islâmica em Tauste foi silenciada.

Túmulos antigos às vezes eram desenterrados na cidade, mas eram considerados como vítimas de uma pandemia de cólera que matou quase 250 mil pessoas na Espanha em 1854 e 1855, disse Miriam Pina Pardos, diretora do Observatório Antropológico do Islã da Necrópole de Tauste para o El Patiaz.

Desenterrando o Islã

Alguns membros do El Patiaz suspeitaram que uma torre de igreja do século 11 na cidade tinha origens islâmicas – uma suspeita confirmada quando exames mostraram que ela já foi um minarete com modelo arquitetônico Zagri.

Então, em 2010, o grupo iniciou escavações lideradas pelo arqueólogo Francisco Javier Gutierrez. Eles descobriram que os túmulos antigos em Tauste continham indivíduos enterrados com rituais muçulmanos, e não no estilo de um enterro em massa que poderia ser esperado para as vítimas da pandemia de cólera, disse Pina Pardos.

Por exemplo, cada túmulo continha os restos mortais de uma única pessoa, normalmente colocados deitados sobre o lado direito de modo que seu olhar fosse voltado para Meca, e cada um estava coberto com um monte de terra, disse Gutierrez. Alguns também podem ter tido uma tampa de madeira, que agora estão faltando.

Os túmulos também mostraram outras características muçulmanas distintas: eles eram grandes o suficiente para acomodar o corpo, e os mortos foram enterrados em uma mortalha branca, independentemente de seu status social, disse ela.

Até hoje, os rituais muçulmanos não permitem que os mortos sejam enterrados com bens materiais, mas fragmentos de cerâmica encontrados nas proximidades das escavações desde 2010 mostraram que eles datavam de entre os séculos VIII e XII, disse Giménez.

Embora a existência do cemitério islâmico fosse conhecida pelas escavações anteriores, “o que não se sabia eram as dimensões e a densidade das tumbas”, disse ela. “Era esperado e inesperado ao mesmo tempo”.

As últimas descobertas, em uma única rua conhecida por fazer parte da antiga necrópole, mostram a extensão da influência muçulmana na cidade ao longo de vários séculos.

O cemitério estava em uso contínuo por mais de 400 anos, eles descobriram. “Isso nos mostra uma população [islâmica] constante e profundamente enraizada em Tauste desde o início do século VIII”, disse Giménez.