Chimpanzés e gorilas são vistos juntos na natureza, e gostaríamos de ser convidados

0
159
Chimpanzés (à esquerda) e um gorila (à direita) compartilhando a mesma figueira no Triângulo de Goualougo. (Créditos: Sean Brogan)

Traduzido por Jullio Batista
Original de Carly Cassella para o ScienceAlert

Décadas de observação paciente de chimpanzés e gorilas nas selvas da África Central revelaram pela primeira vez que relações sociais duradouras e cooperativas podem se desenvolver entre as duas espécies.

Dentro do Triângulo de Goualougo – um reduto de conservação na República do Congo – os dois animais ameaçados de extinção frequentemente se cruzam.

Embora essas interações possam ocasionalmente se tornar agressivas, especialmente nas margens do Parque Nacional de Nouabale-Ndoki, na maioria das vezes, gorilas-ocidentais-das-terras-baixas (Gorilla gorilla gorilla) e chimpanzés (Pan troglodytes) na região de 250 quilômetros quadrados de floresta coexistem pacificamente.

Na verdade, eles parecem se dar bem.

Normalmente, as duas espécies irão interagir por cerca de uma hora. Mas em raras ocasiões, elas às vezes podem andar juntas por quase todo o dia (até 8 horas), comendo em comunidade, perseguindo animais, lutando e brincando uns com os outros.

Um dia, um pesquisador até capturo um gorila macho juvenil montando e empurrando uma chimpanzé fêmea criança.

Estudos sobre chimpanzés e gorilas em outras partes da África notaram as duas espécies interagindo antes, mas esta é a primeira documentação formal em um período de tempo tão longo e com tantos detalhes.

“Há poucos (se houver) estudos de interações entre espécies de primatas que foram capazes de levar em conta a identidade dos indivíduos”, disse a antropóloga biológica Crickette Sanz, da Universidade de Washington em St. Louis (EUA).

“Há muito tempo se sabe que esses macacos podem reconhecer membros individuais de sua própria espécie e formar relacionamentos de longo prazo, mas não sabíamos que isso se estendia a outras espécies”.

Além de fazer sua própria pesquisa, Sanz e seus colegas também revisaram relatórios anteriores publicados sobre chimpanzés e gorilas entre 1966 e 2020. Eles contaram 33 interações interespecíficas documentadas em oito locais na África.

As próprias observações da equipe foram confinadas ao Triângulo de Goualougo e, de 1999 a 2020, eles contaram 206 interações entre chimpanzés e gorilas locais.

Os resultados refutam uma hipótese comum de que grandes primatas podem se reunir para reduzir o risco de predação.

Enquanto chimpanzés e gorilas no estudo responderam aos chamados de alarme uns dos outros, os grupos maiores de chimpanzés eram mais propensos a sair com gorilas, não os grupos menores de chimpanzés, que tendem a ser mais vulneráveis ​​a predadores como leopardos, cobras ou aves de rapina.

Um chimpanzé individual pode até deixar seu grupo para procurar um indivíduo gorila em particular em outro lugar.

Os gorilas também foram observados deixando a proteção do dorso prateado de seu grupo para se reunir com os chimpanzés.

Os benefícios devem de alguma forma superar os riscos. Dadas as duas espécies co-alimentando na mesma árvore em cerca de um terço das observações, os pesquisadores acham que as vantagens têm algo a ver com o forrageamento e o compartilhamento de informações.

Mais da metade das interações interespécies observadas pelos cientistas ocorreram em figueiras (Ficus spp.), que são extremamente raras no triângulo de conservação. Essas árvores só oferecem seus frutos por três ou quatro dias, o que significa que o tempo é essencial.

Segundo os pesquisadores, quando grandes grupos de chimpanzés encontram um figo frutificando, eles transmitem o conhecimento em voz alta enquanto se alimentam.

Curiosamente, os gorilas pareciam responder a esses chamados, às vezes mudando sua direção de viagem para seguir em direção ao som.

“Os chimpanzés não exibiram nenhum comportamento semelhante que indicasse que foram atraídos por gorilas por fontes de alimento”, observaram os autores.

“Embora mais pesquisas sejam necessárias sobre o padrão temporal de associações interespecíficas em recursos alimentares específicos, sugerimos que os gorilas podem explorar o conhecimento dos chimpanzés sobre a localização do figo maduro”.

Às vezes, isso significava que os gorilas subiam na figueira junto com os chimpanzés. Outras vezes, eles ficavam no chão abaixo para se alimentar de frutas caídas.

Durante esses eventos de co-alimentação, os jovens gorilas e chimpanzés frequentemente procuravam a companhia uns dos outros.

Não está claro por que os chimpanzés não se incomodam com os gorilas comendo suas sobras, especialmente de uma árvore tão rara. Mas talvez haja benefícios sociais, como cuidados interespecíficos, cuidados infantis ou brincadeiras, que superam os custos competitivos de uma refeição compartilhada.

“Não podemos mais presumir que a paisagem social de um macaco individual é inteiramente ocupada por membros de sua própria espécie”, disse o antropólogo biológico Jake Funkhouser.

“A força e a persistência das relações sociais que observamos entre os macacos indicam uma profundidade de consciência social e inúmeras vias de transmissão social que não haviam sido imaginadas anteriormente. Tais novas perspectivas são importantíssimas, uma vez que essas relações sociais interespécies têm o potencial de servir como vias de transmissão tanto para comportamentos culturais socialmente aprendidos benéficos quanto para doenças infecciosas prejudiciais.”

A descoberta entre os grandes primatas também revela possíveis interações que podem ter ocorrido entre os primeiros hominídeos.

Registros fósseis na África do Sul, por exemplo, mostram que há 2 milhões de anos havia pelo menos três tipos de hominídeos vivendo em uma paisagem não muito maior que o Triângulo de Goualougo.

É impossível dizer com certeza quanto os territórios desses primeiros humanos podem ter se sobreposto, mas o fato de alguns dos parentes mais próximos de nossos ancestrais andarem juntos regularmente e transmitirem informações entre si deixa aberta a possibilidade de que os primeiros humanos possam ter feito o mesmo.

“Em suma, não podemos mais supor que essas interações não ocorreram”, escreveram os autores.

Certamente é algo para se aprofundar.

O estudo foi publicado na iScience.