‘Cidade de Ouro Perdida’ é encontrada após 3 mil anos sob as areias do Egito

0
380
Créditos: Ministério Egípcio de Turismo e Antiguidades / Facebook.

Por Laura Geggel
Publicado na Live Science

Arqueólogos encontraram uma “Cidade de Ouro Perdida” que ficou enterrada sob a antiga capital egípcia de Luxor pelos últimos 3.000 anos, anunciou o Ministério do Turismo e Antiguidades egípcio na quinta-feira (8 de abril).

A cidade, historicamente conhecida como “A Ascensão de Áton”, foi fundada por Amenófis III (que reinou entre 1391-1353 a,C.), o avô de Tutancâmon, ou Rei Tut.

As pessoas continuaram a viver e fazer uso da “Cidade Dourada” durante a corregência de Amenófis III com seu filho, Amenófis IV (que mais tarde mudou seu nome para Aquenáton), bem como durante o governo de Tut e do faraó que o seguiu, conhecido como Aí.

Apesar da rica história da cidade – documentos históricos relatam que ela foi o lar dos três palácios reais do rei Amenófis III e foi o maior assentamento administrativo e industrial em Luxor na época – seus vestígios haviam iludido os arqueólogos até então.

“Muitas missões estrangeiras procuraram esta cidade e nunca a encontraram”, disse Zahi Hawass, o arqueólogo que liderou as escavações na Cidade Dourada e ex-ministro de Estado para assuntos de antiguidades, em um comunicado traduzido.

Sua equipe começou a busca em 2020 com a esperança de encontrar o templo mortuário do Rei Tut. Eles escolheram procurar nesta região “porque os templos de Horemheb e Aí foram encontrados nesta área”, disse Hawass.

Eles ficaram surpresos quando começaram a descobrir tijolos de lama em todos os lugares que cavaram. A equipe logo percebeu que havia desenterrado uma grande cidade que estava em relativamente bom estado.

“As ruas da cidade são ladeadas por casas”, algumas com paredes de até 3 metros de altura, disse Hawass. Essas casas tinham cômodos cheios de bugigangas e ferramentas que os antigos egípcios usavam na vida diária.

Créditos: Ministério Egípcio de Turismo e Antiguidades / Facebook.

“A descoberta desta cidade perdida é a segunda descoberta arqueológica mais importante desde a tumba de Tutancâmon”, que ocorreu em 1922, disse Betsy Brian, professora de egiptologia da Universidade John Hopkins (EUA), no comunicado.

“A descoberta da Cidade Perdida não apenas nos dará um raro vislumbre da vida dos antigos egípcios na época em que o império estava no seu período de maior riqueza, mas nos ajudará a esclarecer um dos maiores [mistérios] da história: Por que Aquenáton e a [Rainha] Nefertiti decidiram se mudar para Amarna?”

(Alguns anos depois que Aquenáton iniciou seu reinado no início de 1350 a.C., a Cidade de Ouro foi abandonada e a capital do Egito foi transferida para Amarna).

Assim que a equipe percebeu que havia descoberto a Cidade Perdida, eles começaram a datá-la.

Para fazer isso, eles procuraram por objetos antigos com o cartucho de Amenófis III, um símbolo oval preenchido com seu nome real em hieróglifos. A equipe encontrou este cartucho em todo o lugar, inclusive em vasos de vinho, anéis, escaravelhos, cerâmica colorida e tijolos de barro, o que confirmou que a cidade estava ativa durante o reinado de Amenófis III, que foi o nono rei da 18ª dinastia.

Créditos: Ministério Egípcio de Turismo e Antiguidades / Facebook.

Após sete meses de escavações, os arqueólogos descobriram vários bairros. Na zona sul da cidade, a equipe descobriu ainda os restos de uma padaria que tinha uma sala de preparação e confecção de alimentos com fornos e recipientes de cerâmica. A cozinha é grande, por isso provavelmente atendeu a uma grande clientela, de acordo com o comunicado.

Em outra área da escavação, ainda parcialmente coberta, os arqueólogos encontraram um distrito administrativo e residencial que tinha unidades maiores e bem organizadas.

Uma cerca em zigue-zague – um projeto arquitetônico usado no final da 18ª Dinastia – cercava a área, permitindo apenas um ponto de acesso que levava às áreas residenciais e corredores internos.

Esta única entrada provavelmente serviu como uma medida de segurança, dando aos antigos egípcios o controle sobre quem entrou e saiu desta área, de acordo com o comunicado.

Em outra área, os arqueólogos encontraram uma área de produção de tijolos de barro, que foram usados ​​para construir templos e anexos. Esses tijolos, observou a equipe, tinham o cartucho do rei Amenófis III.

A equipe também encontrou dezenas de moldes de fundição que foram usados ​​para fazer amuletos e itens decorativos – evidência de que a cidade tinha uma linha de produção movimentada que fazia decorações para templos e tumbas.

Por toda a cidade, os arqueólogos encontraram ferramentas relacionadas ao trabalho industrial, incluindo fiação e tecelagem. Eles também desenterraram metal e entulho de fabricação de vidro, mas ainda não encontraram a oficina que fez esses materiais.

Os arqueólogos também encontraram vários sepultamentos: dois sepultamentos incomuns de uma vaca ou touro, e um sepultamento notável de uma pessoa cujos braços estavam estendidos para o lado e tinha uma corda enrolada nos joelhos.

Créditos: Ministério Egípcio de Turismo e Antiguidades / Facebook.

Os pesquisadores ainda estão analisando esses sepultamentos e esperam determinar as circunstâncias e o significado por trás deles.

Mais recentemente, a equipe encontrou um navio com cerca de 10 quilos de carne seca ou cozida. Este navio está inscrito com uma inscrição que diz: “Ano 37, carne preparada para o terceiro festival Heb Sed do matadouro no armazém de Kha feita pelo açougueiro luwy”.

“Esta valiosa informação não só nos dá os nomes de duas pessoas que viveram e trabalharam na cidade, mas confirmou que a cidade estava ativa e era a época da corregência do rei Amenófis III com seu filho Aquenáton”, disseram os arqueólogos no comunicado.

Além disso, a equipe encontrou um vaso de barro que diz “gm pa Aton” – uma frase que pode ser traduzida como “o domínio do deslumbrante Áton” – o nome de um templo em  Carnaque construído pelo rei Aquenáton.

De acordo com documentos históricos, um ano após a fabricação deste vaso, a capital foi transferida para Amarna. Aquenáton, que é conhecido por ordenar que seu povo adorasse apenas uma divindade – o deus do sol Áton -, convocou essa mudança.

Mas os egiptólogos ainda se perguntam por que ele mudou a capital e se a Cidade Dourada estava realmente abandonada naquela época. Também é um mistério se a cidade foi repovoada quando o rei Tut voltou a Tebas e a reabriu como um centro religioso, de acordo com o comunicado.

Outras escavações podem revelar a história tumultuada da cidade. E ainda há muito a escavar. “Podemos revelar que a cidade se estende a oeste, até o famoso Deir Almedina” – uma antiga vila de trabalhadores habitada por artesãos, construtores e carpinteiros que construíram os túmulos reais no Vale dos Reis e Vale das Rainhas, disse Hawass.

Além disso, no norte, os arqueólogos encontraram um grande cemitério que ainda não foi totalmente escavado. Até agora, a equipe encontrou um grupo de tumbas talhadas na rocha que só podem ser alcançadas por escadas esculpidas na rocha – uma característica que também é vista no Vale dos Reis e no Vale dos Nobres.

Nos próximos meses, os arqueólogos planejam escavar essas tumbas para aprender mais sobre as pessoas e os tesouros enterrados lá.