Cientistas encontram pistas sobre cabeça de múmia egípcia decapitada encontrada em sótão

0
182
A antiga cabeça de múmia egípcia de 2.000 anos. (Créditos: Consórcio da NHS de Maidstone e Tunbridge Wells)

Traduzido por Julio Batista
Original de Alia Shoaib para o Business Insider

A cabeça decapitada de uma múmia egípcia antiga encontrada em um sótão em Kent, na Inglaterra, foi submetida a uma tomografia computadorizada, revelando que pertencia a uma mulher que viveu pelo menos 2.000 anos atrás.

Acredita-se que a cabeça tenha sido trazida do Egito como um souvenir no século 19, disseram pesquisadores da Universidade da Igreja de Cristo de Canterbury.

As radiografias iniciais tiradas na Universidade da Igreja de Cristo de Canterbury sugeriram que a cabeça pertencia a uma mulher adulta, e uma tomografia computadorizada mais detalhada foi organizada para saber mais.

Os resultados preliminares da tomografia computadorizada, realizada no Hospital de Maidstone, revelaram que uma dieta rústica havia desgastado os dentes da mulher, mas sua língua estava bem preservada, disseram os pesquisadores.

Parecia haver um tubo feito de material desconhecido dentro da narina esquerda e no canal espinhal da múmia, disseram os pesquisadores, e não estava claro se isso era de origem antiga ou mais recente.

O cérebro parece ter sido removido no processo de mumificação.

Ainda existem mistérios sobre as origens da cabeça, que foi presenteada à coleção dos Museus e Galerias de Canterbury em uma caixa de vidro.

“A cabeça foi encontrada no sótão de uma casa em Kent, que estava sendo esvaziada após a morte do proprietário”, disse James Elliott, professor de radiografia diagnóstica da Universidade da Igreja de Cristo de Canterbury e radiologista sênior do Consórcio da NHS de Maidstone e Tunbridge Wells.

“Durante os tempos vitorianos, itens como este costumavam ser trazidos do Egito como souvenir e podem muito bem ter passado de geração em geração para a pessoa que o possuía.”

Craig Bowen, gerente de coleções de galerias e aprendizado dos Museus de Canterbury, disse ao Kent Online: “A cabeça foi encontrada por um homem que a herdou de seu irmão.

“Acredita-se que o irmão o obteve de um ‘Dr. Coates’ em algum momento no início/meados do século XX, mas não temos mais detalhes do que isso.”

“A varredura fornece uma enorme quantidade de informações – tudo, desde estado dentário, patologias, método de preservação, bem como estimativas de idade e sexo”, disse Elliott, que liderou a varredura.

Elliott disse que a equipe planejava usar dados digitalizados para criar uma réplica tridimensional da cabeça e uma possível reconstrução facial.

Ele disse que o avanço da tecnologia de tomografia computadorizada permitiu que os pesquisadores aprendessem mais detalhes sobre as antigas tradições egípcias.