Cientistas estão caçando artefatos alienígenas em todo o Sistema Solar. Eis o porquê

0
38
A caça à inteligência alienígena expande seus horizontes. (Créditos: Christoph Burgstedt/Science Photo Library/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original Seth Lockman para o Universe Today

Alienígenas existem? Quase certamente. O Universo é vasto e antigo, e nossa vizinhança nele não é particularmente especial. Se a vida surgiu aqui, provavelmente surgiu em outro lugar.

Tenha em mente que esta é uma suposição super ampla. Um único exemplo de organismos semelhantes a arqueobactérias fossilizados a cinco superaglomerados de distância seria o suficiente para dizer: “Sim, existem alienígenas!”… se pudéssemos encontrá-los de alguma forma.

Escutando ETs

Até que possamos enviar paleontólogos para outras galáxias, a melhor maneira de procurar alienígenas é ficar em casa e procurar por “tecnoassinaturas“.

O que seria isso exatamente? Honestamente, não sabemos, mas podemos fazer algumas boas suposições. Por exemplo, quando usamos rádios para nos comunicar, produzimos sinais muito diferentes do tipo natural de energia que você obteria de uma estrela.

É razoável supor que os alienígenas fariam a mesma coisa para suas comunicações, então procuramos principalmente por sinais de rádio de aparência não natural de pontos fixos distantes no espaço.

O sensoriamento de rádio, ou qualquer tentativa científica de detectar assinaturas tecnológicas não humanas, pode ser chamado de Busca por Inteligência Extraterrestre ou SETI, na sigla em inglês. Os esforços da SETI são geralmente liderados por organizações como o SETI Institute e o Breakthrough Listen. Cientistas cidadãos desempenham um papel fundamental na análise de dados à medida que são coletados e, às vezes, até mesmo fazendo suas próprias observações de acompanhamento sobre possíveis detecções.

Até agora, várias detecções de candidatos foram feitas, mas nenhuma foi confirmada.

Isso não é surpresa, pois o Universo é vasto e antigo. É uma questão de tamanho da amostra. Como Jill Tarter apontou, se você pegasse um copo de água do oceano e procurasse por peixes, provavelmente não encontraria nenhum. À medida que o tempo gasto na pesquisa aumenta e a tecnologia melhora, nossas chances de detecção aumentam.

Os alienígenas estão por perto?

Provavelmente não, pela mesma razão que o Universo é vasto e antigo. É preciso mais tecnologia do que a Terra tem para viajar além de mais recursos do que todo o nosso Sistema Solar tem.

O SETI pode ser feito em casa, detectando ondas de rádio, ópticas e de gravidade. Mensagens poderiam ser trocadas entre civilizações com a mesma tecnologia. Com falta de turismo, não há muitas razões para fazer a viagem. Mas devemos verificar? Claro! Mesmo que não encontremos alienígenas, quem sabe o que mais poderíamos aprender pesquisando?

Nosso primeiro desafio aqui é definir o tamanho do Sistema Solar. Netuno orbita o Sol a uma distância média de 30 UA. A nuvem de Oort pode se estender até 100.000 UA do Sol. O fator de diferença no volume de pesquisa é superior a 37 bilhões.

Em comparação, se você foi encarregado de encontrar um alienígena em Nova York e esqueceu de perguntar “cidade ou estado?” o fator de diferença na área de busca seria de apenas 180.

O próximo grande desafio é furtivo – um caso especial do paradoxo de Fermi. Se eles estão aqui, os alienígenas não parecem estar se esforçando muito para dizer olá. Se é porque seus artefatos estão inertes, seus sensores são passivos, sua tecnologia é indetectável por nós – ou eles simplesmente não estão lá – ainda é um mistério.

Esse enigma é encontrado no cerne dramático do segundo ato da maioria dos filmes subaquáticos, mas pelo menos nesses filmes, você sabe que “os outros” estão lá. Então, ou enviamos Sean Connery lá para fazer os alienígenas nos darem um sinal, apenas um sinal, ou…

O Projeto Galileo

Fundado em julho de 2021 por Avi LoebFrank Laukien da Universidade Harvard, o Projeto Galileo é o primeiro programa de pesquisa científica a buscar artefatos astro-arqueológicos próximos à Terra. Eles usam principalmente o termo Civilizações Tecnológicas Extraterrestres (CTEs) em vez de IET – basicamente a mesma coisa, mas sem julgar a inteligência alienígena pelos padrões humanos.

A equipe do Galileo tem sido muito consistente em trazer um tom racional ao discurso em torno da visitação alienígena. Por exemplo, o projeto se comprometeu publicamente a testar apenas hipóteses de “física conhecida” e a analisar apenas novos dados.

O projeto é “agnóstico em relação ao resultado”, o que significa que seu único objetivo é coletar e analisar dados de maneira confiável e reproduzível, compartilhando abertamente os dados e suas conclusões testáveis. Para a ciência, tudo isso é normal e esperado, mas para qualquer pessoa genuinamente curiosa sobre alienígenas antigos, o Projeto Galileo busca um realismo desesperadamente necessário.

O Projeto Galileo tem três faixas experimentais principais:

  1. Imagens de Fenômenos Aéreos Não Identificados (UAP, na sigla em inglês) nas faixas de infravermelho, rádio e óptica e gravação de dados de áudio. A equipe projetou, construiu e implantou seu próprio equipamento de observação e IA para coletar e interpretar esses dados. No momento da redação deste artigo, o conjunto de instrumentos foi implantado para calibração e teste e será reimplantado para operação completa nos próximos meses.
  2. Encontro com futuros Objetos Interestelares (OIEs) que passam pelo Sistema Solar como Oumuamua e 2I/Borisov, com um orçamento de projeto estimado em pouco mais de US$ 1 bilhão, ou cerca de um quarto do preço de um único lançamento de SLS.
  3. Recuperando os fragmentos de objetos interestelares que colidem com a Terra, como o CNEOS 2014-01-08 que impactou na costa de Papua Nova Guiné. No momento em que escrevo, uma expedição acaba de ser totalmente financiada e a produção de máquinas especializadas começou.
  4. Procurar pequenos satélites alienígenas orbitando a Terra usando o Observatório Vera C. Rubin quando estiver online em 2023. Isso exigirá o desenvolvimento de um novo software avançado para detectar o que seriam objetos muito pequenos e em movimento rápido, provavelmente em órbitas irregulares. A IA também vasculhará dados de satélites feitos por humanos em busca de assinaturas tecnológicas alienígenas próximas.

Focar em artefatos físicos é uma nova estratégia no SETI, mas Loeb e Laukien estão otimistas. Os artefatos, eles apontam, são necessariamente menos vagos do que os sinais de rádio.

Embora um objeto possa ser tecnicamente mais difícil de detectar do que um sinal, um objeto não precisaria se repetir de alguma forma se fosse perdido na primeira vez. Também ao contrário da luz, a maioria dos objetos físicos em nossa galáxia está gravitacionalmente ligada a ela. Isso torna a detecção menos crítica para um objeto físico.

#StartupLife

Como todo esforço do SETI, o projeto Galileo tem que fazer o máximo que pode com o que tem. Em seu estado atual, o projeto não conseguiu detectar uma anomalia magnética em nossa Lua, muito menos uma cápsula do tempo deixada para a humanidade no Planeta X. (Para ser justo, o Planeta X ainda não foi descoberto, apenas previsto). Mas os meios experimentais que já estão em andamento exemplificam três maneiras econômicas de investigar três conjuntos razoáveis ​​de suposições de como podem ser as visitas alienígenas.

A conclusão é que, como escreve Loeb, “a falta de ‘evidências extraordinárias’ é muitas vezes uma ignorância auto-infligida”. O Projeto Galileu não está investigando trivialidades como cisnes negros ou árvores quadradas; está fazendo imparcialmente uma das questões mais fundamentais da humanidade de uma nova maneira. “Estamos sozinhos?” Bem, vamos começar verificando a vizinhança.

Quer ser um dos primeiros a saber quando o Projeto Galileo fizer uma detecção interessante? Vá para o Twitter e siga @universetoday. Então, certifique-se de seguir @galileoproject1. Com base no relato de Seth Shostak de uma detecção de rádio candidata em 1997, há uma boa chance de você ouvir sobre isso antes de seu chefe de Estado!