Pular para o conteúdo

Cientistas podem ter encontrado o primeiro caminho para a América há 24.000 anos

Cientistas podem ter encontrado o primeiro caminho para a América há 24.000 anos

Uma estrada congelada pode ter dado aos viajantes antigos um caminho livre da Sibéria para o Novo Mundo, mais de 10.000 anos antes da chegada dos povos das Primeiras Nações da América.

Leia também O novo motor de detonação da NASA é ativado por 4 minutos em teste inovador

De acordo com dados baseados em estudos de sedimentos e vida marinha fossilizada analisados ​​por investigadores do US Geological Survey, do Woods Hole Oceanographic Institution e da Oregon State University, uma migração precoce teria sido muito mais facilitada pelo gelo marinho.

Uma apresentação do geólogo Summer Praetorius do Serviço Geológico dos EUA, apresentada na Reunião Anual da União Geofísica Americana (AGU23) em São Francisco, sugere que extensões planas de gelo de inverno podem ter desempenhado um papel crítico na facilitação das viagens em momentos em que a passagem de barco teria sido traiçoeira.

Durante quase meio século, os arqueólogos geralmente consideraram uma cultura conhecida como povo Clovis como os pioneiros originais do continente norte-americano. Atraídas por novos campos férteis de caça, as famílias caminharam por terras brevemente expostas pelo recuo do gelo que ligava a Sibéria ao Alasca, na América, há cerca de 13 mil anos.

A hipótese tinha muito a seu favor. Um punhado de restos de esqueletos e pontas de projéteis de estilo semelhante encontrados entre a megafauna agora extinta serviram como evidência tangível de sua existência, enquanto os dados climáticos apoiaram um cronograma de movimento relativamente fácil entre massas de terra.

No entanto, uma série de descobertas feitas nas últimas décadas continuou a minar a confiança na hipótese do primeiro Clóvis, atrasando a chegada dos humanos à América até o Último Máximo Glacial, há mais de 25 mil anos.

Uma questão urgente é como esses antigos viajantes fizeram a árdua jornada. Embora os níveis do mar provavelmente estivessem baixos o suficiente para expor uma ponte sólida sobre o topo do mundo já há quase 36.000 anos, a camada acidentada de neve e geleira que cobre a paisagem teria sido uma luta, se fosse possível atravessá-la.

Quando os glaciares começaram a recuar, uma estreita faixa de ecossistemas costeiros poderia ter fornecido às comunidades recursos e meios de transporte de barco. Um assentamento de 14 mil anos na costa oeste do Canadá apoia ainda mais a possibilidade de que os povos pré-Clovis estivessem avançando lentamente ao longo da beira da água.

A “hipótese da autoestrada das algas” presume que a tecnologia marinha estava à altura da tarefa de transportar famílias com segurança por milhares de quilômetros através de um ambiente marinho muito frio, uma possibilidade que pode ter dependido em grande parte do momento em que a viagem foi feita.

De acordo com um estudo publicado em 2020, as janelas de oportunidade podem ter-se fechado durante períodos críticos de calor, quando o derretimento acelerado teria feito com que as correntes girassem na direção errada para os remadores migrantes, à medida que inundações de água doce inundavam o oceano.

De acordo com Praetorius e a sua equipe, uma análise de modelos climáticos confirma que os ventos fortes e os níveis mais baixos do mar teriam ajudado a tornar as correntes oceânicas há 20 mil anos duas vezes mais fortes do que são hoje, aumentando os problemas de qualquer aspirante a marinheiro.

No entanto, os registos também sugerem que amplas extensões de gelo marinho no inverno teriam estado presentes até cerca de 15 mil anos atrás, ao longo das quais os migrantes poderiam ter caminhado, ou mesmo andado de trenó.

“Identificamos 24,5 – 22 [mil anos atrás] e 16,4 – 14,8 [mil anos atrás] como os períodos de tempo mais prováveis ​​para acomodar a migração inicial ao longo da costa do Alasca, possivelmente auxiliada pelo movimento e subsistência em uma “Rodovia do Gelo Marinho”, escrevem os pesquisadores.

Isso não quer dizer que as viagens marítimas devam ser excluídas em períodos em que as correntes as favorecem. Nem há provas sólidas de que tais viagens tenham realmente ocorrido.

À luz dos sinais emergentes de que os humanos podem ter-se aventurado até ao sul, até ao Novo México, há mais de 20 mil anos, pode-se presumir que pode ter havido um caminho relativamente seguro e aberto que os seus antepassados ​​percorreram para dar o poderoso salto entre os mundos.

 

Traduzido por Mateus Lynniker de ScienceAlert