Pular para o conteúdo

Cientistas revelam como os efeitos da psicose se espalham pelo cérebro

Cientistas revelam como os efeitos da psicose se espalham pelo cérebro

Psicoses como a esquizofrenia custam milhares de milhões de dólares anualmente e inviabilizam a vida das pessoas que lutam contra a doença. Agora, pesquisadores da Monash University modelaram como os efeitos da psicose se espalham pelo cérebro, permitindo-lhes isolar áreas de onde essas alterações podem se originar e que poderiam ser alvo de terapias destinadas a reduzir a progressão da doença.

O estudo, publicado hoje na revista JAMA Psychiatry, detalha como os cientistas foram capazes de mapear e modelar a propagação de alterações cerebrais em pessoas com diferentes estágios de psicose, como a esquizofrenia, desde pessoas recém-diagnosticadas até aquelas que sofrem de psicose há anos.

O estudo, liderado pelo Dr. Sid Chopra, do Instituto Turner para Cérebro e Saúde Mental e da Escola de Ciências Psicológicas da Universidade Monash, identificou o hipocampo, que é importante para a memória, como um possível local inicial de alterações cerebrais na psicose. “Esta descoberta poderia potencialmente orientar terapias que possam atingir esta área do cérebro, potencialmente limitando o impacto da doença ou talvez até reduzindo o risco de aparecimento de psicose”, disse ele.

O estudo analisou 534 indivíduos de quatro grupos, abrangendo os estágios iniciais e finais da doença psicótica. Os pesquisadores usaram a ressonância magnética para examinar as alterações na massa cinzenta que ocorrem nos diferentes estágios da doença.

Eles descobriram que a evolução das psicoses, medida pelas mudanças na grande matéria, pode ter origem no hipocampo e espalhar-se gradualmente pelo cérebro, ao longo do tempo, através das conexões nervosas ou axonais. De acordo com o Dr. Chopra, “descobrimos que o padrão de alteração da massa cinzenta visto na psicose não é distribuído aleatoriamente pelo cérebro, mas é moldado por uma rede complexa de conexões estruturais – de uma forma muito semelhante à forma como vemos a progressão da doenças neurodegenerativas no cérebro.”

Os pesquisadores usaram um modelo matemático para prever alterações no volume de massa cinzenta em quatro grupos diferentes de pessoas com esquizofrenia, examinadas nos estágios iniciais e finais da doença. De acordo com o professor Alex Fornito, que liderou a equipe de pesquisa, disse: “encontramos evidências consistentes de que o hipocampo, uma área importante para a memória e que é conhecido por desempenhar um papel importante na esquizofrenia, é um candidato a epicentro de alterações cerebrais na doença.”

É importante ressaltar que os pesquisadores foram capazes de distinguir as alterações cerebrais associadas à doença daquelas ligadas ao uso de medicamentos antipsicóticos. “A maioria das pesquisas ocorreu com pessoas que já tomam medicamentos antipsicóticos, tornando difícil separar os efeitos dos medicamentos daqueles da doença”, disse o Dr. Chopra.

“Nosso modelo baseado em rede foi capaz de explicar as alterações cerebrais relacionadas à medicação e às doenças, o que significa que a arquitetura da rede cerebral representa uma restrição fundamental em ambos os tipos de alterações cerebrais na psicose”.

Segundo o Dr. Chopra, a nova abordagem abre novas possibilidades para a compreensão das causas das alterações cerebrais na esquizofrenia e para a previsão de como elas podem evoluir em pacientes individuais.

“Nosso trabalho demonstra que é possível investigar mecanismos promissores por trás das alterações cerebrais generalizadas na esquizofrenia, usando modelos bastante simples”, disse ele. “Esperamos ampliar ainda mais esses modelos para identificar possíveis alvos de tratamento e prever como a doença pode evoluir em pessoas individuais”.

 

Traduzido por Mateus Lynniker de MedicalXpress