Pular para o conteúdo

Cientistas revelam plano para um telescópio gigante na Lua

Cientistas revelam plano para um telescópio gigante na Lua

Um telescópio já foi o ápice da tecnologia, hoje já construímos em nossos quintais e no alto de montanhas remotas, e até lançamos telescópios no espaço.

A cada avanço em nossa tecnologia, fizemos novas descobertas incríveis e surpreendentes sobre o Universo. Então, qual deveria ser o nosso próximo avanço em observatórios?

Com base em um novo artigo do arXiv, uma boa escolha seria a superfície lunar.

Colocar telescópios na Lua não é uma ideia nova. A NASA já financiou uma doação exploratória para o Radiotelescópio da Cratera Lunar (LCRT). Durante as missões Apollo, os astronautas colocaram retrorrefletores na Lua para que os astrônomos pudessem medir a distância até a Lua em milímetros.

Neste novo artigo, os autores resumem várias ideias conhecidas e também introduzem um novo conceito que chamam de hipertelescópio.

Embora os radiotelescópios no lado oculto da Lua, como o LCRT, sejam talvez a proposta mais popular, outros incluem o Life Finder Telescope At Lunar Poles (LFTALP), que seria um conjunto de telescópios de 6,5 metros focados no estudo de atmosferas de exoplanetas à medida que transitam.

Depois, há o Lunar Optical UV Explorer (LOUVE), que se concentra em objetos ultravioleta brilhantes. Existem até propostas para um observatório de ondas gravitacionais semelhante ao LIGO.

O problema com todas estas propostas é que exigirão uma construção a um nível técnico que seria um desafio mesmo na Terra. A ideia de construir observatórios e similares na Lua é um objetivo elevado, mas atualmente está muito além das nossas capacidades técnicas.

Portanto, os autores propõem uma ideia um pouco mais simples. Um telescópio óptico básico que aproveitaria o terreno lunar. O poder de um telescópio óptico depende em grande parte do tamanho do seu espelho primário e da distância focal do telescópio. Na Terra, a distância focal pode ser aumentada com vários espelhos.

Um hipertelescópio poderia usar um conjunto de espelhos como espelho primário disposto ao longo do terreno de uma cratera. O conjunto de detectores do telescópio poderia então ser suspenso por um cabo, semelhante à forma como os detectores do Observatório de Arecibo foram suspensos acima da antena de malha.

Como os espelhos não precisariam ser grandes, seriam muito mais fáceis de construir, e o formato geral da cratera significaria menos “terraplanagem” necessária para colocá-los no lugar.

Uma variante desta ideia seria colocar espelhos de um lado da cratera e a instrumentação do outro. Isso permitiria uma distância focal muito grande, e o alcance de observação de tal telescópio seria limitado.

Todas essas ideias ainda estão em seus estágios iniciais. E há sérios desafios que precisariam ser superados além da sua construção.

A poeira se acumularia nos espelhos com o tempo e precisaria ser removida. E embora a Lua tenha muito menos atividade sísmica do que a Terra, ainda pode afetar o alinhamento de espelhos e detectores.

Mas uma coisa está clara é que voltaremos à Lua, e onde os humanos vão, eles constroem telescópios. Um observatório lunar é apenas uma questão de tempo.

 

Traduzido por Mateus Lynniker de ScienceAlert