Como a carne cortada conduziu a evolução humana

3
2564
Créditos: The Natural History Museum.

Por Lizzie Wade
Publicado na Science

A parte mais tediosa da vida de um chimpanzé é mastigar. Nossos primos primatas passam 6 horas por dia rangendo frutas e carcaças de macacos ocasionalmente – tudo feito pelo mesmo tipo de dentes e grandes mandíbulas que nossos antepassados ​​tinham. Então, por que nossos próprios dentes e mandíbulas são muito menores? Um novo estudo credita o desenvolvimento de ferramentas simples de pedra para fatiar carnes e algumas raízes, na redução drástica de tempo e força necessária para mastigar, desta forma permitindo que nossos antepassados mais próximos evoluam as características físicas necessárias para a fala.

A razão pela qual os seres humanos modernos são capazes de gastar tão pouco tempo mastigando é que “comemos uma dieta de qualidade muito maior do que nossos antepassados”, diz Daniel Lieberman, antropólogo evolucionário da Universidade de Harvard e autor do novo estudo. Enquanto os chimpanzés sobrevivem principalmente de frutas, os seres humanos comem alimentos que embalam mais nutrientes e energia em tamanhos e porções menores – ou seja, carne. (Os chimpanzés também comem carne, principalmente de macacos caçados, mas não é um alimento básico para os seres humanos, incluindo caçadores-coletores.) Hoje, cozinhar nos ajuda a tornar a carne mais fácil de comer e digerir, mas Lieberman pensa que nossos antepassados começaram a comer carne muito antes de aprenderem a assar. Há evidências de que nossos ancestrais – macacos eretos chamados homininis – estavam comendo carne regularmente há 2,5 milhões de anos atrás. Mas cozinhar não parece ser comum até 500.000 anos atrás, diz Lieberman. “O que os humanos faziam antes de regularmente terem acesso à culinária?”, perguntou-se.

A resposta poderia ter surgido sob a forma de outra inovação que apareceu ao mesmo tempo que homininis adotaram carne na dieta: ferramentas de pedra. Lieberman juntou-se com a antropóloga evolucionária Harrison Katherine Zink para investigar como essas ferramentas poderiam ter mudado os tipos de alimentos que os homininis comiam. “Nós escolhemos as formas mais simples de processamento que eles poderíamos pensar”, explica Zink. Para legumes de raízes, como inhame e beterraba, isso significava batê-los até formar uma pasta triturada, e para carne cortar em fatias. Em seguida, Zink colou eletrodos em algumas dúzias de voluntários para avaliar o tempo e a força necessária para mastigar carne e legumes crus/não processados e cruas e processadas com fatias simples ou triturada ou cozidas.

A primeira coisa que descobriram foi que a carne crua é quase impossível de comer se você tem dentes humanos, ou mesmo de chimpanzés. Vacas modernas são criadas para ter carne macia, então Zink e Lieberman (ou autores do texto) alimentaram seus voluntários com carne de cabra, por ser mais dura e mais próximo ao modelo que os selvagens homininis teriam comido. “Comer cabra crua não é agradável”, diz Lieberman, que tentou os métodos sozinho. “Você mastiga e mastiga e mastiga e mastiga e nada acontece.” Os dentes humanos simplesmente não conseguem quebrar a carne em pedaços menores que podemos engolir. “É quase como goma de mascar”, diz Zink. Dentes de chimpanzés são igualmente ruins em mastigar carne. Para nossos antepassados, com dentes e boca semelhantes a chimpanzés, comer carne provavelmente consumia muito tempo e energia.

A habilidade de Cortar, seja com uma faca ou um floco de pedra afiada, muda tudo isso. De repente, homininis poderiam cortar os músculos elásticos de uma carcaça em pequenos pedaços antes de colocá-los em suas bocas, tornando-os mastigáveis e mais fácil de digerir. Triturar, amassar tem um efeito semelhante em vegetais de raiz resistente e fibroso. “O que descobrimos é que simplesmente cortando carne uma homininis seria capaz de reduzir o número de mastigação em cerca de 17% “, diz Zink. “Isso equivale a 2 milhões e meio menos de mastigação por ano.

Zink e Lieberman, que publicam suas descobertas hoje na Nature, acreditam que essa redução foi mais do que suficiente para permitir que os primeiros membros do nosso gênero Homo evoluam dentes e mandíbulas menores. Uma vez que os seres humanos primitivos não tiveram que gastar tanto de suas vidas que mastigam, os dentes grandes e os maxilares longos pararam de fornecer alguma vantagem – e a seleção natural poderia começar a favorecer outras características preferíveis. Por exemplo, um focinho menor liberou espaço para os lábios manobráveis, um componente chave na formação de palavras, e também torna a cabeça mais fácil de equilibrar durante uma corrida, uma habilidade importante para a caça. “As simples tecnologias de processamento de alimentos tiveram um enorme benefício para os homininis há 2 milhões e meio de anos”, diz Lieberman.

O estudo desafia uma hipótese concorrente, o cozimento de alimentos governou as mudanças do tamanho dos dentes e mandíbulas. Zink e Lieberman citam evidências arqueológicas mostrando que o cozimento apareceu pela primeira vez há 1 milhão de anos e foi difundida por cerca de 500 mil anos atrás. Mas apenas porque os arqueólogos não encontraram evidências de cozimento e fogueiras antes disso, isso não significa que os hominídeos primitivos não os usassem, diz Richard Wranghman, antropólogo biológico também em Harvard e principal proponente daquilo que é conhecido como a hipótese de culinária. “Eu não posso ver como as dietas que Zink e Lieberman estão propondo podem explicar a combinação de menores características de mastigação e, muito importante, o intestino menor “visto nos primeiros membros do Homo começando há cerca de 1,9 milhões de anos atrás, diz ele.

Lieberman e Zink dizem que não descartam a culinária, mas propõem um processo de duas etapas: triturar e cortar forneceu um impulso evolutivo inicial para dentes menores, mandíbulas e intestinos; E cozinhar terminou o trabalho posteriormente. Uma coisa é certa: os seres humanos modernos não podem sobreviver a base de carne de cabra crua sozinhos, no entanto você pode finalmente cortá-la.

CONTINUAR LENDO