Confirmado: somos realmente ‘poeira das estrelas’

3
1801
Créditos: Futurism.

Por Nancy Atkinson
Publicado na Universe Today

Carl Sagan disse muitas vezes que “nós somos material de estrelas”, a partir do nitrogênio em nosso DNA, o cálcio em nossos dentes, e o ferro no nosso sangue.

É bem conhecido que a maioria dos elementos essenciais da vida são realmente feitos nas estrelas. Chamados de “CHNOPS elementos” – carbono, hidrogênio, nitrogênio, oxigênio, fósforo e enxofre – estes são os blocos de construção de toda a vida na Terra. Os astrônomos agora mediram todos os elementos CHNOPS em 150.000 estrelas em toda a Via Láctea e foi a primeira vez que um grande número de estrelas foi analisado ​​dessa forma.

“Pela primeira vez, podemos agora estudar a distribuição dos elementos em toda a nossa galáxia”, diz Sten Hasselquist da New Mexico State University. “Os elementos que medimos incluem os átomos que constituem 97% da massa do corpo humano.”

Astrônomos com os do Sloan Digital Sky Survey fizeram as suas observações com o espectrográfico (Apache Point Observatory Galactic Evolução Experiment ou APOGEE) e  com o telescópio de 2.5 metros da Sloan Foundation no Apache Point Observatory, no Novo México. Este instrumento observam no infravermelho próximo para revelar as assinaturas de diferentes elementos nas atmosferas de estrelas.

Embora os seres humanos possuam 65% de oxigénio, em massa, o elemento representa menos do que 1% da massa de elementos no espaço. Estrelas são feitas principalmente de hidrogênio, mas pequenas quantidades de elementos mais pesados, tais como o oxigênio, podem ser detectadas no espectro de estrelas. Com estes novos resultados, a Apogee tem encontrado mais desses elementos mais pesados ​​na parte interna da galáxia. Estrelas no interior da galáxia também são mais velhas, então isso significa que a maioria dos elementos da vida foram mais sintetizados anteriormente nas partes internas da galáxia do que nas partes externas. Enquanto as observações estão sendo usadas para criar um novo catálogo que está ajudando os astrônomos a ganhar uma nova compreensão da história e da estrutura da nossa galáxia, os resultados também “demonstram uma conexão humana e mais clara do céu”, disse a equipe.

Então, o que isso significa para os residentes das bordas exteriores de um dos braços espirais da Via Láctea, a cerca de 25.000 anos-luz do centro da galáxia?

“Eu acho que é difícil dizer quais são as implicações específicas são para quando poderia surgir vida”, disse o membro da equipe Jon Holtzman, também do Estado Novo México, em um e-mail para Universe Today. “Nós medimos a abundância típica de elementos CHNOPS em diferentes locais, mas não é tão fácil de determinar, em qualquer determinado local, a evolução temporal das abundâncias de CHNOPS, pois é difícil medir as idades das estrelas. Em cima disso, nós não sabemos o que a quantidade mínima de CHNOPS teria de ser para a vida a surgir, especialmente pelo fato de que nós realmente não sabemos qualquer detalhe de como isso acontece!”

Holtzman adicionou que é provável que, se existe uma abundância mínima exigida, esta provavelmente ocorreu em uma época remota, nas partes internas da galáxia onde estamos.

A equipe também disse que, enquanto é divertido especular como a composição do interior da Via Láctea pode afetar o modo de como pode surgir a vida, os cientistas do SDSS são muito melhores em entender a formação de estrelas em nossa galáxia.

“Estes dados serão úteis para para o progresso da compreensão da evolução galáctica”, disse o membro da equipe Jon Bird da Universidade Vanderbilt, “à medida que mais e mais simulações detalhadas da formação de nossa galáxia estão sendo feitas, requer dados mais complexos para comparação.”

Fundação Sloan 2.5m telescópio no Observatório Apache Point. Crédito: SDSS.

“É uma história de interesse humano, pois agora somos capazes de mapear a abundância de todos os principais elementos encontrados no corpo humano através de centenas de milhares de estrelas em nossa Via Láctea”, disse Jennifer Johnson, da Universidade do Estado de Ohio. “Isso nos permite colocar restrições sobre quando e onde nossa galáxia tinha os elementos necessários para evoluir a vida, uma espécie de ‘zona habitável galáctica’ “.

O catálogo está disponível no website SDSS.

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorA afinação não tão afinada do Universo
Próximo artigoDez exoplanetas que os humanos podem colonizar [1]: Kepler 186f
Felipe Sérvulo
Graduado em Física pela UEPB. Mestre em física com ênfase em Cosmologia pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, etnoastronomia, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico. Artista plástico. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229

3
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
AntonioMarceloDCSirhu Recent comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Antonio
Visitante
Antonio

E elementos mais pesados, como alumínio, ouro, chumbo, urânio? Sempre imaginei que fossem formados também nas estrelas quando explodissem em supernova.

Sirhu
Visitante

Quanto a outros animais? Também são “poeira das estrelas”?

MarceloDC
Visitante

Somos apenas uma espécie animal da Terra. O título do artigo deve ser porque muitos acham o ser humano “especial”, seja pelas religiões e afins como até uma doze de pseudociência (o “ápice da Evolução” – o ser humano como “o superior”) e é para ajudar a colocar nós no devido lugar da realidade.
A Terra toda (a Biosfera, etc), a Lua, etc tiveram a maioria de seus elementos produzidos nas estrelas e supernovas, e o processo continua no Universo…..
https://en.wikipedia.org/wiki/Nucleosynthesis
http://eternosaprendizes.com/2010/08/17/como-funciona-a-alquimia-das-estrelas-a-nucleossintese-dos-elementos-quimicos-no-universo/
E do Big Bang:
http://eternosaprendizes.com/2016/08/21/vamos-dar-revisitar-os-primeiros-momentos-do-universo-a-nucleossintese-do-big-bang/