Cosmologia, O Perto e o Longe

0
2643

Os astrônomos mediram o parâmetro de Hubble, a velocidade com que o Universo se expande, com as observações que são locais (redshifts de objetos próximos) e globais (radiação cósmica de fundo). Durante muito tempo, elas têm sabido que estes dois grupos de medidas diferentes, uma discrepância que não foi completamente explicada e o que foi, de fato, recentemente confirmado para ser de cerca de 9 %por observações do satélite Planck. Em uma análise teórica publicada na revista Physical Review Letters, Valerio Marra da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, e colegas, pode ser responsável por parte desse déficit aparente, mas as diferenças restantes, se confirmada, pode apontar para física além do modelo padrão da cosmologia.

Os cálculos do grupo Heidelberg mostram que parte da discrepância entre a expansão local e global pode ser resultado de uma variação cósmica do Hubble, parâmetro com a noção de que diferentes pedaços do Universo comportam-se em diferentes campos gravitacionais e assim o nosso parâmetro de Hubble local pode diferir do valor médio global. Desde os anos 1990, os cosmólogos têm lançado em torno da idéia de um local “Hubble Bubble”, com menos matéria nele do que em comparação com a média global. Marra considera diferentes cenários e conclui que a variância cósmica poderia, no máximo, explicar cerca de um quarto da discrepância entre os valores Hubble global e local para uma bolha que é esperada em cosmologia padrão. Toda a discrepância pode ser explicada somente dessa forma, se a bolha foi um tipo que deve ocorrer muito raramente no universo. Portanto, alguma coisa deve estar acontecendo além de bolhas de tamanho padrão, talvez até uma nova física, que fuja da naturalidade tais como a presença de heterogeneidades não previstas pela cosmologia padrão ou uma forma exótica de energia escura.

O artigo foi publicado no site da Physics, no dia 13/06/2013: Physics – Spotlighting Exceptional Research.

CONTINUAR LENDO