Pular para o conteúdo

Criptógrafos decifraram as cartas perdidas de Maria, Rainha da Escócia

Traduzido por Julio Batista
Original de Carly Cassella para o ScienceAlert

Um trio de criptógrafos se deparou acidentalmente com uma série perdida de cartas secretas escritas por Maria, Rainha da Escócia nos anos anteriores à sua execução em 1587.

A incrível correspondência de sete anos foi criptografada com tanto sucesso que os documentos foram arquivados em um arquivo não marcado e colocados por engano em uma parte da biblioteca nacional da França envolvida com assuntos italianos.

Quando os pesquisadores se depararam aleatoriamente com as 57 cartas, no entanto, ficou claro que nenhuma delas tinha nada a ver com a Itália. Elas foram escritas em francês e pareciam conter um sofisticado sistema de cifras baseado em símbolos misteriosos.

Uma mensagem codificada encontrada anteriormente entre Maria e Chateauneuf, o embaixador francês em Londres. (Créditos: Arquivos Nacionais Britânicos)

Quando o criptógrafo e cientista da computação George Lasry, o professor de música Norbert Biermann e o físico Satoshi Tomokiyo finalmente decifraram o código, eles ficaram chocados ao descobrir de quem eram as palavras que estavam lendo.

Maria Stuart nasceu rainha da Escócia em 1542 e, no entanto, passou grande parte de sua vida presa; primeiro na Escócia por revolucionários protestantes e depois na Inglaterra por sua prima, a rainha Elizabeth I, que a via como uma ameaça ao trono. Maria era católica e os seguidores de sua religião na Inglaterra achavam que ela deveria ser a líder da nação.

Ao longo de sua vida, Maria se envolveu em várias tentativas de rebelião católica, que ela apoiou por meio de cartas fortemente codificadas.

Esta correspondência em particular revelou ser suas cartas há muito tempo perdidas para Michel de Castelnau de Mauvissière, o diplomata francês na Inglaterra em meados do século 16 e um conhecido aliado católico. Os historiadores há muito tempo suspeitam que esses dois estavam em conluio, mas até agora, suas cartas nunca tinha vindo à tona.

John Guy, um especialista e biógrafo de Maria, Rainha da Escócia, chamou a descoberta de “fabulosa” e “um marco literário e histórico”.

“Esta é a nova descoberta mais importante sobre Maria, Rainha da Escócia em 100 anos”, exclamou Guy.

“Eu sempre me perguntei se as originais de Castelnau poderiam aparecer um dia, perdidas na Biblioteca Nacional da França (BNF) ou talvez em outro lugar, não identificados por causa da codificação.

“E agora elas apareceram.”

Um exemplo de uma mensagem codificada recentemente encontrada entre Maria e Castelnau. (Créditos: BNF)

A comunicação de Maria com o mundo exterior era praticamente um segredo aberto da época. Até as autoridades inglesas sabiam o que ela estava fazendo e, ainda assim, por muitos anos, seus canais com o mundo exterior eram aparentemente tão seguros que muitas de suas cartas simplesmente desapareceram.

Ao todo, as cartas com de Castelnau contêm mais de 50.000 palavras de material primário, revelando novas perspectivas sobre as opiniões pessoais, saúde, lealdades e tramas da rainha escocesa que abdicou ao poder.

Em 16 de abril de 1583, por exemplo, Maria escreveu uma carta criptografada na qual agradecia a Castelnau por seu apoio contínuo.

Uma tradução revela: “Não posso agradecer o suficiente pelo cuidado, vigilância e carinho inteiramente especial quando vejo você abraçar tudo o que me diz respeito e imploro que continue a fazer isso com mais força do que nunca, especialmente por minha dita liberdade onde vejo o cargo de rainha da Inglaterra bastante próximo. Se isso trouxer algum sucesso, tenha certeza de que reconhecerei tanto quanto puder seus bons serviços prestados por mim e a obrigação que tenho para com você desde o passado.

Mas as cartas de Maria nem sempre foram guardadas tão secretamente. Muitas vezes eles foram interceptados ou simplesmente enviadas de volta para ela.

Em 1585, o carcereiro de Maria foi substituído por um sujeito muito mais rígido, que tentou encerrar todas as suas comunicações privadas.

Quando Maria tentou apoiar uma conspiração de 1586 para colocá-la de volta no trono, um espião em seu canal de comunicação foi o responsável pelo seu fim.

No ano seguinte, ela foi executada por traição.

A descoberta dessas mensagens há muito tempo perdidas para de Castelnau pode ser uma das últimas cartas que Maria escreveu, embora uma análise da caligrafia sugira que várias pessoas estiveram envolvidas na escrita das palavras cifradas.

“Devido à grande quantidade de material decifrado, cerca de 50.000 palavras no total e suficientes para encher um livro, fornecemos apenas resumos preliminares das cartas, bem como a reprodução integral de algumas delas, esperando fornecer incentivo suficiente para historiadores com experiência relevante para se envolver em uma análise aprofundada de seu conteúdo, para extrair perspectivas que enriqueceriam nosso conhecimento sobre o período na prisão de Maria”, escreveram os criptógrafos.

O estudo foi publicado na Cryptologia.