Dente de Neandertal perdido há muitos anos revela ligação desconhecida surpreendente com humanos modernos

0
254
Créditos: Museu de História Natural, Londres / Blinkhorn, et al., 2021.

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

Em 1928, a renomada arqueóloga britânica Dorothy Garrod escavou a Caverna Shukbah nas colinas da Palestina, ao norte de Jerusalém.

Este foi um dos primeiros trabalhos em uma carreira longa e bem-sucedida, revelando uma rica coleção de ferramentas de pedra antigas, ossos de animais e um único dente fossilizado – o que parecia ser um grande molar humano.

Por cinquenta anos a descoberta se perdeu na coleção particular de um colaborador, não reconhecida e negligenciada. Então, na virada do século, o dente há muito tempo perdido caiu no colo de pesquisadores do Museu Britânico de História Natural.

Olhando de perto para o grande molar, os pesquisadores perceberam que era provavelmente de um jovem Neandertal, possivelmente entre as idades de 7 e 12 anos.

Até hoje, o dente de Shukbah é o exemplo mais meridional do alcance do Neandertal na Arábia.

“Até agora não temos nenhuma evidência direta da presença de um Neandertal na África”, disse Chris Stringer, que estuda a evolução humana no Museu de História Natural.

“Mas a localização de Shukbah ao sul, apenas cerca de 400 km do Cairo, deve nos sugerir que eles podem até ter se dispersado para África”.

Além do mais, as ferramentas de pedra associadas escavadas nas proximidades pareciam notavelmente modernas em suas ilustrações.

Quando Garrod encontrou o dente anos atrás, ela imediatamente suspeitou que fosse de um Neandertal, mas como sua descoberta se perdeu em uma coleção particular, a alegação nunca foi verificada.

Outros artefatos associados que ela desenterrou na caverna Shukbah, incluindo lascas, pontas e ferramentas retocadas, também foram separados e dispersos em várias instituições globais ao longo dos anos.

Reanalisando o dente e essas ferramentas décadas depois, pesquisadores do Museu Britânico confirmaram que o molar, de fato, pertencia a uma criança de Neandertal, com cerca de 9 anos de idade.

Além do mais, as ferramentas de pedra escavadas perto dessa criança de Neandertal parecem ter sido feitas usando um método de lapidação de pedra que se acredita ter sido usado exclusivamente pelo Homo sapiens.

Esse tipo de lapidação é conhecido como técnica Levallois da Núbia, e sua presença no sul da Arábia durante o Paleolítico às vezes é considerada uma marca da expansão do Homo sapiens para fora da África.

Assim, várias outras escavações na região simplesmente presumiram que as ferramentas Levallois da Núbia foram feitas pelo Homo sapiens, mesmo sem restos humanos fossilizados por perto para sustentar essa hipótese.

Mas há outra explicação. A área em que Garrod estava escavando anos atrás tem uma concentração relativamente alta de sítios de cavernas com vestígios de antigas sociedades hominíneas.

Ao longo dos anos, as descobertas neste importante centro, muitas das quais foram feitas por Goddard, revelaram uma paisagem habitada por Neandertais e Homo sapiens.

A técnica Levallois da Núbia pode, portanto, ter sido adotada por neandertais que se deslocaram da Europa mais ao sul, o que significa que o método pode ter sido usado tanto por neandertais quanto por Homo sapiens ao mesmo tempo.

As diferenças entre os neandertais e o Homo sapiens tornaram-se mais difíceis de definir nos últimos anos, e essa nova pesquisa sugere que o uso de ferramentas de pedra como forma de determinar se o sítio estava ligado a neandertais ou ao Homo sapiens é insuficiente por si só.

A tecnologia de ferramentas de pedra encontrada nas cavernas Shukbah compartilha características amplas com outros achados do Paleolítico médio-superior associados aos Neandertais. Mesmo assim, os autores dizem que o método Levallois da Núbia estava claramente presente em alguns espécimes.

“No final, identificamos muito mais artefatos produzidos usando os métodos Levallois da Núbia do que havíamos previsto”, disse o arqueólogo Jimbob Blinkhorn, que trabalhou na pesquisa enquanto estava na Universidade de Londres.

“Esta é a primeira vez que eles foram encontrados em associação direta com fósseis de Neandertal, o que sugere que não podemos fazer uma ligação simples entre esta tecnologia e o Homo sapiens“.

A descoberta não prova que os próprios neandertais criaram as ferramentas usando esse método. Os artefatos de pedra poderiam ter sido uma mercadoria valiosa que valeria a pena compartilhar. Mas é o suficiente para abalar a confiança de que a tecnologia pode ser usada para distinguir uma presença humana específica.

A variedade de Neandertais no sul da Arábia é frequentemente restrita às florestas, mas a caverna Shuqbah pode ter representado uma fase de transição entre essas áreas mais exuberantes e paisagens mais áridas no sul, sugerem os autores.

“Este estudo destaca a extensão geográfica das populações de Neandertal e sua flexibilidade comportamental”, disse o arqueólogo Simon Blockley, da Universidade de Londres.

“Mas também emite um aviso de cautela de que não há ligações diretas entre hominídeos em particular e tecnologias específicas de ferramentas de pedra”.

O estudo foi publicado na Scientific Reports.