Um mapa impressionante sobre as taxas de depressão ao redor do mundo

17
3596
Países mais vermelhos têm maiores taxas de depressão. Países mais azuis têm taxas de depressão mais baixas. (Max Fisher / The Washington Post).

Por Caitlin Dewey
Publicado no
The Washington Post

O Oriente Médio e o Norte da África sofrem as maiores taxas de depressão do mundo, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da University of Queensland, na Austrália – o que está tirando das pessoas vários anos de suas vidas.

O estudo, publicado em novembro de 2013 na revista PLoS Medicine, usou dados sobre a prevalência, a incidência e a duração da depressão para determinar a carga social e de saúde pública da doença em todo o mundo. Globalmente, eles descobriram que a depressão é a segunda principal causa de incapacidade, com pouco mais de 4 por cento da população do mundo diagnosticada com ela. O mapa na parte superior desta página mostra o quanto da população em cada país recebeu um diagnóstico de depressão clínica.

Claro, os pesquisadores não saíram e testaram todos os casos de depressão clínica; em vez disso, eles usaram dados preexistentes. Isso significa que nós não estamos olhando para as taxas de depressão clínica, exatamente, nem sobre a taxa na qual as pessoas são diagnosticadas com depressão clínica. As pessoas que vivem em países mais conscientes e um acesso mais fácil aos serviços de saúde mental, em seguida, naturalmente, vão ser diagnosticadas com uma taxa mais elevada. Isso pode ajudar a explicar a taxa anormalmente baixa do Iraque, por exemplo, onde os serviços de saúde pública são pobres. Tabus contra distúrbios de saúde mental também podem reduzir as taxas de diagnóstico, por exemplo, na Ásia Oriental, baixando artificialmente a medida do estudo de prevalência de depressão clínica naquela região. O documento adverte, ainda, que pesquisas confiáveis de depressão nem sequer existem para alguns países de baixa renda – um problema comum com estudos globais – forçando os pesquisadores a chegarem em suas próprias estimativas baseadas em modelos de regressão estatística.

Ainda assim, as descobertas dos pesquisadores tem ramificações reais para o mundo – e são muitas vezes surpreendentes. Mais de 5 por cento da população sofre de depressão no Oriente Médio, Norte da África, África Subsaariana, Europa Oriental e no Caribe. Enquanto isso, a depressão é supostamente menor no leste da Ásia, seguidos pela Austrália / Nova Zelândia e Sudeste da Ásia. Este gráfico mostra como cada região do mundo é afetada pela depressão; a linha laranja indica o número de anos passados ​​de pessoas que vivem com depressão clínica para cada 100.000 pessoas.

Níveis de Depressão em regiões ao redor do mundo, como medido por anos que vivem com tal doença, em 1990 (à esquerda) e em 2010 (á direita). As abreviaturas das região, acima, são: África Sub-Saariana (SSA), Oceania (OC), Pessoas com Alta Renda na América do Norte (Nam-HI), Norte de África / Médio Oriente (Nafr-ME), América Latina (LA), Europa (Eur), Caribe (Caribb), Austrália (Aus), Ásia (a / as) e pessoas de Alta Renda na Ásia-Pacífico (AP-HI). (Ferrari et al.)

O país mais deprimido é o Afeganistão, onde mais de uma a cada cinco pessoas sofrem deste transtorno. O menos deprimido é o Japão, com uma taxa de diagnóstico de menos de 2,5 por cento.

Os pesquisadores também quantificaram o “nível” nacional de depressão usando uma métrica chamada DALY – anos de vida ajustados por incapacidade, ou o número de anos saudáveis que uma pessoa perde por causa da depressão, ou uma morte prematura relacionada à depressão. Previsivelmente, os encargos de depressão na maior parte seguiram as taxas de depressão. O nível é maior no Afeganistão, no Oriente Médio e em países do Norte Africano, bem como na Eritreia, Ruanda, Botswana, Gabão, Croácia, Holanda e Honduras. É menor em economias mais prósperas da Ásia, incluindo o Japão.

Consegue ver alguns padrões aqui? Os pesquisadores também viram. Enquanto eles não podem conclusivamente explicar por que a depressão é muito mais prevalente e prejudicial em alguns países do que em outros, eles têm algumas teorias. Aqueles que incluem conflitos, o que aumenta a taxa de depressão, e a presença de outras epidemias graves, o que torna a depressão mais do que um simples ônus social em relação a outras questões de saúde pública. Notavelmente, Afeganistão, Honduras e os territórios Palestinos são as três áreas mais deprimidas analisadas.

“No caso do Norte de África / Oriente Médio, o conflito na região aumentou a prevalência [de depressão], levando a um nível maior no ranking”, escrevem eles. Na África subsaariana, por outro lado, as doenças como a malária e a SIDA têm ultrapassado a depressão como um risco para a saúde pública. Ainda é algo muito grave, em outras palavras, mas o HIV ainda é responsável por muito mais perdas de anos saudáveis do que a depressão.

Níveis de depressão por idade (Ferrari et al.)

Cientistas Sociais e defensores da saúde pública identificaram outras causas “macro” ou “ambientais” para a depressão, também. Um documento de 2010 pela Inter-American Development Bank constatou que, por exemplo, o desemprego, salários baixos e elevada desigualdade de renda se correlacionam com elevadas taxas de depressão. Eles também encontraram uma ligação entre depressão e Idade: pessoas entre 16 e 65 anos têm taxas muito mais elevadas de depressão.

Esse fator de idade, juntamente com o elevado crescimento populacional, realmente explica o fato de que os níveis de depressão cresceram quase um terço desde 1990, dizem os pesquisadores. E uma vez que tanto o envelhecimento quanto o crescimento populacional provavelmente irão continuar, criar métodos de intervir na depressão com um baixo custo é uma prioridade ainda maior tanto para as organizações globais quanto para governos nacionais. Infelizmente, entre os custos de tais programas e os tabus contra os distúrbios de saúde mental, tais tipos de ações parecem estar a muitos anos de distância.

CONTINUAR LENDO