Descoberta base epigenética associada à homossexualidade em homens

29
8242
Créditos da Imagem: Los Angeles Times.

Publicado por Sara Reardon na Nature
Traduzido por Euclécio Rodrigues e Douglas Rodrigues

A biologia da orientação sexual tem sido uma das mais complicadas – e politicamente carregadas – questões da genética humana. Pela primeira vez investigadores encontraram associações entre homossexualidade e marcadores ligados ao DNA que podem ser influenciados por fatores ambientais.

Estudos com gêmeos e árvores genealógicas fornecem fortes evidências de que a orientação sexual é, pelo menos parcialmente, genética. Quando um gêmeo idêntico é gay, há cerca de 20% de chances de que o outro também será¹. Mas o motivo desta taxa não ser 100% é devido aos fatores ambientais que desempenham um papel importante. Um dos mais caracterizados problemas é o do ‘efeito do irmão mais velho’: a chance de um homem ser gay aumenta em 33% para cada um irmão mais velho que ele tem². A razão não é clara, embora exista uma hipótese que diz que o sistema imunológico da mãe começa a reagir contra antígenos masculinos e a alterar o desenvolvimento do feto.

Para procurar fatores que podem mediar a relação entre ambiente e genes, o geneticista Eric Vilain da University da California, Los Angeles (UCLA), e seus colegas analisaram marcadores epigenéticos – mudanças químicas no DNA que afetam a forma como os genes são expressos, mas não as informações que eles contêm. Estas “epi-marcas” podem ser herdadas, mas também podem ser alteradas por fatores ambientais, como tabagismo, e nem sempre são compartilhadas por gêmeos idênticos.

Os pesquisadores coletaram amostras de DNA na saliva de 37 pares de gêmeos idênticos em que apenas um dos gêmeos era gay, e 10 pares em que ambos eram gays. Ao digitalizar os epigenomas dos gêmeos, os investigadores encontraram cinco epi-marcas que eram mais comum entre os homens homossexuais do que em seus irmãos heterossexuais geneticamente idênticos. Eles desenvolveram um algoritmo, com base em cinco epi-marcas, que poderiam predizer corretamente a orientação sexual dos homens no estudo em 67% das vezes. O geneticista computacional Tuck Ngun (UCLA) vai apresentar o trabalho no dia 8 de outubro em um encontro na Sociedade Americana de Genética Humana em Baltimore, Maryland.

Vilain não ficou surpreso ao descobrir que a epigenética está associada com a orientação sexual, embora ele afirma que é muito cedo para tentar vincular diretamente as epi-marcas a qualquer exposição ambiental particular ou a expressão de um gene específico. Ngun diz que os pesquisadores querem replicar o estudo em um grupo diferente de gêmeos e também determinar se as mesmas marcas são mais comuns em homens homossexuais do que em homens heterossexuais em uma população grande e diversificada. As associações que foram encontradas em pequenos estudos são propensas a evaporar quando testadas em grupos maiores.

Incógnitas Biológicas

Vilain reconhece certas limitações no estudo – por exemplo, os marcadores epigenéticos diferem entre os tecidos no corpo, e aqueles no cérebro são, provavelmente, as mais relevantes para a orientação sexual.

Mas os pesquisadores acolhem a adição dos dados esparsos sobre a biologia da orientação sexual. “Eu acho que ele certamente tem o potencial de adicionar um pouco de conhecimento”, diz o geneticista psiquiátrico Alan Sanders no Instituto de Pesquisa NorthShore em Evanston, Illinois.

Os pesquisadores também alertam que, assim como as associações genéticas conhecidas oferecem uma visão escassa sobre os mecanismos de orientação sexual, pouco se pode concluir a partir dos locais das epi-marcas. Uma marca foi associada com um gene no sistema imunológico, um segundo com o desenvolvimento do cérebro. As outras três estavam em regiões do DNA que não estão associadas com qualquer gene.

“Nós já sabemos que não há ‘gene gay'”, diz William Arroz, geneticista evolutivo da Universidade da Califórnia, Santa Barbara. Se houvesse, diz ele, teria aparecido em um dos estudos maciços que digitalizar todo o genoma para variantes comuns entre pessoas homossexuais. O maior estudo sobre, liderado por Sanders, olhou para 409 pares de irmãos gays incluindo alguns gêmeos não-idênticos. Os pesquisadores descobriram que os homens gays compartilham semelhanças em duas áreas do genoma: o cromossomo X e cromossomo 8³. Mas Sanders diz que ele e seus colegas ainda estão tentando determinar quais genes particulares ou outros componentes nestas regiões contribuem para a orientação sexual.

Da mesma forma, os pesquisadores vão querer determinar o significado biológico destas associações epigenéticas, diz Rice. Muitas pessoas querem entender mais sobre as raízes de sua orientação sexual, diz ele. “Quando a biologia for mais desenvolvida, nós seremos, pelo menos, capazes de entender.”

CONTINUAR LENDO