Descoberta necrópole de 40 tumbas com humanos enterrados em vasos na Córsega

0
108
Créditos: Pascal Druelle / INRAP.

Por Owen Jarus
Publicado na Live Science

Uma antiga necrópole com 40 tumbas, incluindo jarros cilíndricos cheios de restos humanos, foi descoberta na ilha francesa da Córsega.

As pessoas enterradas no cemitério variam de bebês a adultos, disseram os arqueólogos. Localizado na cidade de Île-Rousse, na costa norte da ilha, o cemitério parece ter sido usado entre os séculos III e V d.C., época em que o Império Romano estava gradualmente em declínio.

Muitas pessoas foram encontradas enterradas dentro de ânforas, grandes recipientes que normalmente seriam usados ​​para transportar produtos como azeite, vinho ou picles. O desenho das ânforas indica que são do Norte da África, com algumas possivelmente sendo fabricadas em Cartago.

Créditos: Jean-Jacques Grizeaud / Île-Rousse.

Mesmo assim, as pessoas enterradas na necrópole, incluindo aquelas dentro das ânforas, provavelmente viviam perto da necrópole na Córsega, disse Jean-Jacques Grizeaud, arqueólogo do Instituto Nacional Francês de Pesquisa Arqueológica Preventiva (INRAP) que liderou as escavações no local.

Na época, muito comércio estava acontecendo no Mediterrâneo, acrescentou Grizeaud.

Os arqueólogos também descobriram que alguns dos túmulos eram cobertos com ladrilhos de terracota que os romanos chamavam de “tégula” e “imbrices”. Os romanos costumavam usar essas telhas para cobrir os telhados de edifícios e, às vezes, para cobrir sepulturas.

A necrópole está localizada aos pés da igreja da Imaculada Conceição, construída em 1893, disseram os pesquisadores.

A cabeça de uma das pessoas enterradas. Crédito: Jean-Jacques Grizeaud.

Outros túmulos encontrados na ilha, como os dos sítios arqueológicos de Mariana e Sant’Amanza, foram associados a locais de culto, observaram os pesquisadores. Mais pesquisas precisam ser feitas para determinar quais vilas ou cidades antigas estavam localizadas perto desta necrópole.

“Não há menção real de uma cidade nos textos antigos ou, por exemplo, no mapa [da Córsega] feito por Ptolemeu”, um geógrafo que viveu no século II d.C., disse Grizeaud.

Nos próximos meses, os arqueólogos conduzirão trabalhos de laboratório para determinar o sexo das pessoas, suas idades exatas e quaisquer doenças ou ferimentos que possam ter sofrido, disse Grizeaud.