Dinossauro nadador com pescoço de macarrão pode ter sido um predador mergulhador como um pinguim

Cientistas descobriram recentemente o primeiro dinossauro terópode não aviário com um corpo aerodinâmico semelhante ao de pinguins, tordas e outras aves modernas mergulhadoras.

0
104
Uma reconstrução de Natovenator polydontus mostra como o dinossauro semiaquático pode ter nadado e mergulhado. (Créditos: Yusik Choi)

Traduzido por Julio Batista
Original para a Mindy Weisberger de Live Science

Um dinossauro com um pescoço de macarrão ondulado e um corpo aerodinâmico como o dos pássaros mergulhadores modernos pode ter se aventurado nas profundezas de um mar do Cretáceo cerca de 71 milhões a 72 milhões de anos atrás, no que é hoje a Mongólia. Este predador pertencia a uma linhagem diferente de terópodes – bípedes e carnívoros – daquele que produziu os pássaros modernos, mas seu formato corporal e membros sugerem que ele nadava e mergulhava como um pinguim, descobriram cientistas recentemente.

O esqueleto estava em condições excepcionais com um crânio quase completo. Foi escavado na Formação Baruungoyot (também conhecida como Barun Goyot), um local na parte sul do Deserto de Gobi da Mongólia, datado do período Cretáceo (145 milhões a 66 milhões de anos atrás). Em vida, teria sido do tamanho de um pato-real, e os pesquisadores observaram que seu pescoço de ganso, membros anteriores semelhantes a nadadeiras e proporções de seus dedos se assemelhavam aos do gênero terópode mongol Halszkaraptor, que se acredita ser aquático.

No entanto, não há evidências fósseis suficientes de Halszkaraptor e de seus parentes mais próximos para sugerir como podem ter sido as formas de seus corpos.

O fóssil recém-descoberto é mais completo do que qualquer um dos fósseis de Halszkaraptor conhecidos; o esqueleto é “principalmente articulado” com costelas voltadas para a cauda, ​​como nas aves de mergulho aquático, de acordo com um estudo publicado em 1º de dezembro na revista Communications Biology. Isso ofereceu aos cientistas a primeira evidência de um terópode não aviário com um corpo otimizado para reduzir o arrasto em ambientes aquáticos.

Essas adaptações, juntamente com os dentes que eram “excepcionalmente numerosos” e “bem compactados” na mandíbula, teriam tornado o dinossauro mergulhador um temível predador aquático, e o número e a forma de seus dentes sugerem que ele caçava peixes ou ártropodes, de acordo com o estudo. Os pesquisadores nomearam o gênero e espécie recém-descrito de Natovenator polydontus; o gênero vem das palavras latinas para “nadar” (“nato”) e “caçador” (“venator”), enquanto a espécie significa “muitos dentes” em grego.

“As narinas longas e a orientação posterior das costelas são conhecidas apenas no Natovenator porque essas partes não estão bem preservadas no Halszkaraptor”, disse o coautor do estudo Yuong-Nam Lee, professor de paleontologia de vertebrados na Faculdade de Ciências da Terra e Ambientais da Universidade Nacional de Seul, na Coreia do Sul.

N. polydontus provavelmente não foi capaz de voar alto com seus membros anteriores curtos e achatados, embora possa tê-los usado para remar na água. Mas uma das pistas mais convincentes sobre seus hábitos aquáticos eram suas costelas – especificamente, a direção para a qual apontavam. Nos terópodes terrestres, as costelas dorsais se estendiam da espinha em um arco predominantemente horizontal. Mas em N. polydontus, essas costelas se curvavam para trás em direção à cauda. Essas costelas voltadas para trás diminuem a altura da caixa torácica e são uma característica dos pássaros mergulhadores, disse Lee à Live Science por e-mail. Isso sugere que N. polydontus tinha um corpo aerodinâmico, “o que seria vantajoso porque um corpo aerodinâmico reduz o arrasto na água e permite uma natação eficiente”, disse Lee.

O crânio quase intacto de Natovenator polydontus preservou suas narinas alongadas, sugerindo um estilo de vida aquático. (Créditos: Yuong-Nam Lee)

Desde que os primeiros vertebrados saíram dos oceanos para viver na terra, “muitos grupos diferentes se adaptaram secundariamente a ambientes aquáticos”, escreveram os cientistas no estudo. As baleias, por exemplo, evoluíram de mamíferos terrestres de quatro patas antes de se adaptarem para viver exclusivamente nos oceanos. Entre os dinossauros, apenas as aves e alguns de seus ancestrais extintos desenvolveram formas aquáticas ou semiaquáticas (um dinossauro bizarro chamado espinossauro foi brevemente aclamado como um “dinossauro nadador“, mas a afirmação é controversa entre os paleontólogos, e um estudo de 2021 na revista Palaeontologia Electronica propôs que o espinossauro teria sido um nadador medíocre na melhor das hipóteses).

No entanto, N. polydontus parece ter se sentido em casa nas profundezas do oceano.

“O Natovenator é uma descoberta valiosa para despertar a diversidade da posição ecológica dos dinossauros”, disse Lee. “Encontrar dinossauros semi-aquáticos significa que a diversidade ecológica era muito alta em dinossauros e poderia mudar nosso preconceito sobre o estilo de vida dos dinossauros. Mais de 30 linhagens diferentes de tetrápodes invadiram independentemente os ecossistemas aquáticos. Por que não os dinossauros?”