DNA humano mais antigo do Reino Unido revela povos antigos emergindo da Era do Gelo

0
137
Mandíbula humana da Caverna de Kendrick. (Créditos: R. Stevens)

Traduzido por Julio Batista
Original de Carly Cassella para o ScienceAlert

Cerca de 27.000 anos atrás, uma imensa camada de gelo cobriu dois terços das Ilhas Britânicas, tornando a região menos hospitaleira para a habitação humana.

Tudo isso mudou à medida que o clima quente transformou a paisagem, convidando as comunidades a encontrar um novo lar em seus solos férteis. Os arqueólogos estão juntando as histórias desses primeiros migrantes, descobrindo que a região se tornou um verdadeiro crisol de culturas.

Os genomas humanos mais antigos de restos descobertos na Grã-Bretanha ou na Irlanda apontam para pelo menos duas histórias de origem diferentes, cada uma seguindo seu caminho de volta ao continente europeu e além.

Um indivíduo fossilizado da Caverna de Gough em Somerset tem um genoma que pode estar mais intimamente ligado a ancestrais encontrados em locais na Espanha e na Bélgica.

Outro da Caverna de Kendrick, no País de Gales, tem ligações genéticas com ancestrais representados em locais na Itália.

A datação por radiocarbono sugere que ambos os humanos viveram na Grã-Bretanha há mais de 13.500 anos, apenas alguns milhares de anos depois que a imensa camada de gelo da região recuou em direção ao Ártico.

Os ossos da Caverna de Gough são os mais antigos dos dois restos. Tais pessoas morreram cerca de 15.000 anos atrás, o que significa que seus ancestrais provavelmente se juntaram a uma onda de migração do noroeste da Europa pelo menos mil anos antes de suas vidas.

O indivíduo da Caverna de Kendrick viveu alguns milhares de anos depois disso, e seus ancestrais provavelmente migraram do Oriente Próximo para a Grã-Bretanha cerca de 14.000 anos atrás.

“Encontrar os dois ancestrais tão próximos no tempo na Grã-Bretanha, com apenas um milênio de diferença, está aumentando o quadro emergente da Europa paleolítica, que é uma população dinâmica e em mudança”, disse a antropóloga evolutiva Mateja Hajdinjak, do Instituto Francis Crick, no Reino Unido.

Há cerca de 16.000 anos, a camada de gelo britânica-irlandesa praticamente desapareceu. Os fósseis dessa época são escassos, e outros restos humanos que foram encontrados datam apenas de cerca de 15.500 anos atrás, alguns séculos antes do clima da Grã-Bretanha começar a aquecer rapidamente.

Quem eram essas pessoas e de onde vieram ainda são questões em aberto.

Em 2018, arqueólogos revelaram que um fóssil humano também encontrado na caverna de Gough datava de cerca de 10.500 anos atrás. Conhecido como o ‘Homem de Cheddar’, esse fóssil era, na época, o humano mais antigo da Inglaterra a ter todo o seu genoma sequenciado.

As descobertas sugerem que o homem antigo tinha pele escura e olhos azuis, um sinal de que a população ainda estava para se adaptar às latitudes mais altas e frias. A ascendência do Homem de Cheddar era uma mistura de caçadores-coletores da Europa Ocidental e membros de uma migração anterior para a Inglaterra.

Muitos dos mesmos pesquisadores envolvidos em investigações anteriores estão envolvidos nesta última análise, esperando ver quais outras conexões ancestrais podem ser encontradas.

“Nós realmente queríamos descobrir mais sobre quem e como essas primeiras populações na Grã-Bretanha poderiam ter sido e se parecido”, disse a bióloga Selina Brace, do Museu de História Natural da Inglaterra, que trabalhou em ambos os papers.

“Sabíamos de nosso trabalho anterior, incluindo o estudo de Homem de Cheddar, que os caçadores-coletores ocidentais estavam na Grã-Bretanha por volta de 10.500 anos AP, mas não sabíamos quando eles chegaram à Grã-Bretanha e se essa era a única população que estava presente.”

Os novos resultados sugerem que os colonos pós-glaciais na Grã-Bretanha não eram apenas geneticamente distintos. Eles também parecem ser culturalmente distintos.

As práticas de enterro na caverna de Gough e na caverna de Kendrick eram visivelmente diferentes, assim como suas dietas. A Caverna de Gough mostra sinais de ossos de animais e humanos. Um crânio humano foi encontrado em forma de xícara, possivelmente para fins canibais.

O humano da caverna de Kendrick, enquanto isso, mostra traços químicos em seus ossos de ter comido peixes e mamíferos marinhos e de água doce. Ao contrário da Caverna de Gough, no entanto, não há sinais de veados, auroques ou cavalos que tenham sido comidos por humanos.

“Combinadas, essas linhas de evidência apoiam a interpretação de que pelo menos dois grupos humanos diferentes, com diferentes afinidades genéticas e comportamentos alimentares e culturais, estavam presentes na Grã-Bretanha durante o período glacial tardio”, escreveram os autores.

Uma linhagem está ligada a ancestrais encontrados em locais em Villabruna, na Itália, enquanto a outra parece ser uma combinação de ascendência de humanos das Cavernas Goyet relacionada a de locais na Bélgica e em El Mirón da Espanha.

O Homem de Cheddar, de acordo com alguns modelos, pode ser uma mistura de todas as três ascendências.

“Isso apresenta um quadro de um período glacial tardio dinâmico e variado na Grã-Bretanha, com mudanças ocorrendo no Paleolítico Superior tardio na dieta, comportamentos funerários, tecnologias e afinidade genética em um momento de rápidas mudanças ambientais e ecológicas”, concluíram os autores.

“Com a adição de nossos dados ao conhecimento existente da genética pré-histórica inicial na Grã-Bretanha, o cenário emergente é um dos múltiplos eventos de mudança genética da população no Reino Unido”.

O estudo foi publicado na Nature Ecology & Evolution.