Doença de pele fatal que atinge golfinhos em todo o mundo é associada às mudanças climáticas

0
70
(Créditos: Dr Nahiid Stephens)

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

Eles estão entre os animais mais populares e cativantes do oceano – uma criatura que encanta a cada nado ou manobra. E muitos estão morrendo.

Uma condição de pele mortal, observada pela primeira vez em golfinhos perto de Nova Orleans após o furacão Katrina em 2005, foi agora formalmente identificada por cientistas.

‘A doença cutânea de água doce’, como os pesquisadores definem a patologia em um novo estudo, atingiu cetáceos costeiros em várias partes do mundo, produzindo lesões graves que podem cobrir a maior parte do corpo do animal.

A causa exata desta doença misteriosa nunca foi conhecida, mas agora, graças a novas pesquisas, temos uma explicação sombria: mudanças ambientais no habitat marinho dos golfinhos que estão ligadas às mudanças climáticas.

(Créditos: Universidade Murdoch)

“Esta doença cutânea devastadora está matando golfinhos desde o furacão Katrina e temos a honra de finalmente definir o problema”, disse o patologista-chefe Pádraig Duignan, do Centro de Mamíferos Marinhos em Sausalito, Califórnia (EUA).

“Com uma temporada recorde de furacões no Golfo do México este ano e sistemas de tempestades mais intensos em todo o mundo devido à mudanças climáticas, podemos absolutamente esperar ver mais desses surtos devastadores matando golfinhos.”

Embora as lesões características da doença cutânea de água doce tenham sido observadas pela primeira vez nos Estados Unidos, foi sua manifestação em animais do outro lado do mundo que deu a Duignan e sua equipe um destaque crucial em sua investigação.

Dois eventos de mortalidade de golfinhos na Austrália produziram evidências da mesma patologia – uma afetando golfinhos-burrunan (Tursiops australis) nos lagos Gippsland de Vitória, Austrália, em 2007, a outra em 2009 entre golfinhos nariz-de-garrafa roaz-do-índico (T. aduncus) no Sistema Fluvial de Swan-Canning na Austrália Ocidental.

“Embora esses eventos sejam históricos, eles nos permitiram realizar autópsias nas carcaças dos golfinhos para identificar a causa de suas mortes, caracterizar as lesões cutâneas graves típicas da doença e ver se há uma correlação entre esses eventos e outros em todo o mundo”, explica o patologista veterinário Nahiid Stephens, da Universidade Murdoch, na Austrália.

De acordo com a análise, há de fato uma correlação entre as instâncias globais da doença.

(Créditos: Duignan et al., Scientific Reports, 2020)

Surtos de doença cutânea de água doce parecem surgir após tempestades severas, como furacões e ciclones, nos quais um grande volume de chuva de água doce cai sobre a terra, com o subsequente escoamento chegando aos rios e águas costeiras.

O perigo de tais eventos de enchentes repentinas é que eles diminuem rapidamente a salinidade da água salgada em que os golfinhos costeiros vivem – produzindo condições hipossalinas que podem persistir por semanas ou meses, como mostram os dados de monitoramento ambiental dos locais australianos.

Os golfinhos podem tolerar condições hipossalinas, mas apenas por um curto período, com exposição prolongada à água doce resultando em uma série de mudanças na pele dos animais e na química do sangue, produzindo dermatites, lesões e outros estresses fisiológicos, acompanhados pela colonização oportunista de algas, diatomáceas, fungos e bactérias.

“As fissuras na pele fazem com que o golfinho perca íons vitais e proteínas de seus corpos… então, quando tudo isso vai se perdendo, a doença cutânea de água doce corre, causando inchaços e úlceras”, disse Stephens à Australian Broadcasting Corporation.

“As lesões são equivalentes a queimaduras de terceiro grau em humanos – uma lesão horrível que pode resultar em morte muito rapidamente. Ela os mata porque causa distúrbios eletrolíticos na corrente sanguínea [dos golfinhos] e acaba resultando em falência de órgãos.”

Pior ainda, como apontam os pesquisadores, a frequência de eventos climáticos severos, como inundações, tempestades e ciclones deve aumentar sob as mudanças climáticas, o que pode resultar em eventos de inundação mais devastadores para estuários, lagoas e pântanos costeiros – provavelmente desencadeando mais surtos de doenças cutâneas de água doce.

Embora não haja muitas notícias positivas a serem encontradas nesta descoberta sombria, pelo menos sabemos com o que os golfinhos estão lidando agora, e os pesquisadores dizem que talvez possamos usar esse conhecimento para ajudar os golfinhos em ambientes costeiros.

Mas não temos muito tempo para agir.

“Se eles forem levados ao limite, podemos perdê-los e eles morrerão completamente”, disse Stephens.

“Temos que enfrentar o terrível problema das mudanças climáticas, que é multifacetado, e também temos que aliviar outras ameaças aos golfinhos. De quantas chamadas de alerta mais precisamos antes que seja tarde demais?”

Os resultados são relatados em Scientific Reports.