‘Dragão da morte’ gigante com envergadura de 9 metros é desenterrado na Argentina

0
40
O pterossauro Thanatosdrakon apropriadamente chamado de "dragão da morte" era um réptil voador que viveu ao lado dos dinossauros durante o período Cretáceo. (Créditos: Cortesia de Leonardo D. Ortiz David)

Traduzido por Julio Batista
Original de para o Live Science

Pesquisadores na Argentina descobriram a maior espécie de pterossauro já encontrada na América do Sul. Apelidados de “dragão da morte” pelos paleontólogos, dois répteis voadores gigantes foram descobertos na Formação Plottier, um afloramento localizado na província de Mendoza.

As envergaduras dos dois espécimes mediam aproximadamente 7 metros de largura e 9 metros de largura, respectivamente. Os pesquisadores confirmaram que eles são azhdarchidae, uma família de pterossauros que viveu durante o final do período Cretáceo (aproximadamente 146 milhões a 66 milhões de anos atrás).

“Os azhdarchidae eram conhecidos por seus crânios muito grandes – às vezes maiores que seus corpos – bem como seus pescoços hiperalongados e corpos pequenos em relação ao corpo e robustos”, disse Leonardo D. Ortiz David, principal autor de um novo estudo descrevendo os enormes pterossauros e coordenador geral do Laboratório e Museu de Dinossauros da Argentina em Mendoza, à Live Science por e-mail.

Os cientistas identificaram os pterossauros como dois indivíduos da espécie Thanatosdrakon amaru. Esta é a única espécie do gênero, que significa “dragão da morte”, em grego. O nome da espécie, “amaru”, se traduz como “serpente voadora” na língua indígena quíchua e se refere a Amaru, uma divindade inca de duas cabeças, relataram os autores do estudo.

Os pesquisadores determinaram que os dois pterossauros morreram ao mesmo tempo e que um ainda não estava totalmente desenvolvido. Mas os cientistas não podem dizer com certeza se os dois animais representam parte de um grupo familiar.

“Não há indicação nos restos fósseis de um grau de relacionamento parental”, disse Ortiz David. “No entanto, pode-se confirmar que ambos os espécimes são de tamanhos diferentes, e que o menor é um juvenil-subadulto, e que estavam juntos quando morreram há mais de 86 milhões de anos.”

O paleontólogo Leonardo D. Ortiz David ao lado de uma reconstrução em tamanho real de Thanatosdrakon no Laboratório e Museu de Dinossauros da Universidade Nacional de Cuyo em Mendoza, Argentina.(Créditos: Cortesia de Leonardo D. Ortiz David)

Os fósseis foram encontrados durante escavações para um projeto de construção civil a cerca de 800 quilômetros da capital de Mendoza (também chamada Mendoza). Ortiz David e sua equipe estavam supervisionando a escavação quando descobriram fragmentos fósseis dentro de depósitos da área. Mendoza, onde também está localizado o Aconcagua, a montanha mais alta das Américas, é bem conhecida entre os paleontólogos por outras importantes descobertas de dinossauros, incluindo a do saurópode gigante Notocolossus, um dos maiores dinossauros do mundo, em 2016. (Ortiz David’s grupo de pesquisa fez essa descoberta também.)

“Os fósseis [de Thanatosdrakon] estavam em diferentes estados de preservação; alguns deles estavam completos, como úmeros [ossos grandes do braço], sincarpos [ossos do pé fundidos] e vértebras dorsais”, disse ele. “Outros eram fragmentários, incluindo as falanges [ossos do dedo do pé], ulna, rádio [ossos do antebraço], fêmur [osso da perna] e pelve.”

Esta foto mostra parte de um rádio de Thanatosdrakon, ou osso do antebraço, onde se liga ao ombro. (Créditos: Cortesia de Leonardo D. Ortiz David)

Ortiz David disse que a descoberta de fósseis em tão boas condições pela equipe foi surpreendente, porque os ossos de pterossauros são frágeis e os fósseis geralmente são encontrados em pedaços minúsculos.

“Desde o início, dois fatos nos chamaram a atenção: o primeiro foi o tamanho dos restos mortais e sua preservação em três dimensões, uma condição incomum nesse grupo de vertebrados; o segundo foi a quantidade de restos encontrados no local, já que grandes pterossauros gigantes são conhecidos apenas por restos fragmentários (com algumas exceções)”, disse ele. “A descrição de novos espécimes é sempre importante para a paleontologia de vertebrados, pois esclarece os diferentes grupos que estão sendo estudados. Neste caso em particular, os elementos 3D de grandes pterossauros são escassos, tornando Thanatosdrakon um excelente estudo de caso.”

Os fósseis estão atualmente alojados no Laboratório e Museu de Dinossauros da Universidade Nacional de Cuyo, em Mendoza. Para ajudar a preservar os espécimes, os especialistas do museu fizeram moldes dos diferentes fósseis em uma escala de 1 para 1; os moldes estão em exposição no museu.

As descobertas dos pesquisadores serão publicadas na edição de setembro de 2022 da revista Cretaceous Research.