Encontrado um leão de 55 mil anos de idade em tão bom estado que os cientistas acreditam que sua espécie pode ser ressuscitada

Créditos: The Siberian Times.

Por Carlos Zahumenszky
Publicado na Gizmodo

O leão-das-cavernas (Panthera leo spelea) é uma subespécie de felino que habitou o continente asiático e europeu há 50 mil anos. Hoje, está completamente extinto, mas uma descoberta na Rússia acabou de abrir a porta para a possibilidade de ressuscitar a espécie através da clonagem.

O que descobriram são os restos de um filhote de leão-das-cavernas de dois meses de idade. O corpo permaneceu congelado por 50 mil anos no pergelissolo da tundra que rodeia o rio Tirekhtykh, na província russa de Yakutia. O frio extremo dessa região serviu para manter o corpo em um estado impressionante. Não só conservou todos seus ossos, mas também a pele dos tecidos moles.

Créditos: The Siberian Times.

O espécime está bem mais conservado do que Uyan e Dina, uma dupla de filhotes do leão-das-cavernas encontrada em 2015 e que ainda tinha restos de leite materno em seu trato digestivo. O Dr. Albert Protopopov, chefe do departamento de paleontologia da Academia de Ciências de Yakutia, acredita que o espécime poderia fornecer amostras de DNA suficientes para clonar e ressuscitar a espécie, assim como deseja fazer com os mamutes.

Os leões-da-caverna não são maiores do que os atuais, mas ambas as espécies se parecem o suficiente para valorizar a ideia da clonagem das espécies extintas com os leões atuais. Por enquanto, a amostra será estudada para avaliar a viabilidade de seus genes.

CONTINUAR LENDO