Enorme muralha de gelo bloqueava a antiga entrada para as Américas, sugere estudo

0
121
Créditos: Andrew Luyten / Getty Images.

Por Charles Q. Choi
Publicado na Live Science

Uma barreira de gelo com um tamanho de uma construção de 300 andares – mais alta do que qualquer edifício na Terra – pode ter impedido que as primeiras pessoas entrassem no Novo Mundo pela ponte de terra que ligava a Ásia às Américas, descobriu um novo estudo.

Essas descobertas sugerem que as primeiras pessoas nas Américas chegaram por meio de barcos ao longo da costa do Pacífico, disseram os pesquisadores.

Existem duas hipóteses principais sobre como as pessoas migraram para a América do Norte. A ideia mais antiga sugeria que as pessoas faziam essa jornada quando a Beríngia – a massa de terra que ligava a Ásia à América do Norte, agora dividida pelo Estreito de Bering – estava relativamente livre de gelo.

Uma noção mais recente sugere que os viajantes seguiam em embarcações ao longo das costas do Pacífico da Ásia, Beríngia e América do Norte.

Um fator importante que influenciou a maneira pela qual os primeiros americanos chegaram foram os mantos de gelo gigantes que cobriam a América do Norte. Pesquisas anteriores sugeriram que um corredor livre de gelo entre as margens dessas camadas de gelo pode ter permitido viagens da Beríngia até as Grandes Planícies.

Com base em ferramentas de pedra que datam de 13.400 anos, os arqueólogos sugeriram há muito tempo que as pessoas da cultura pré-histórica conhecida como Clóvis foram as primeiras a migrar da Ásia para as Américas. Trabalhos anteriores sobre a idade do corredor sem gelo sugeriram que ele poderia ter servido como rota de migração para o povo Clóvis.

No entanto, os cientistas descobriram recentemente uma grande quantidade de evidências de uma presença pré-Clóvis na América do Norte. Por exemplo, em 2021, 60 pegadas antigas no Novo México sugeriram que os humanos estavam lá há cerca de 23.000 anos e, em 2020, os arqueólogos descobriram artefatos de pedra no centro do México com pelo menos 26.500 anos.

Estimativas recentes sugeriram que o corredor livre de gelo não foi aberto até cerca de 14.000 a 15.000 anos atrás, o que significaria que os primeiros americanos podem ter contado com uma rota costeira em vez de uma via terrestre. Ainda assim, ainda havia muita incerteza quando se tratava da era do corredor sem gelo.

Para ajudar a resolver esse mistério, os pesquisadores procuraram identificar quando o corredor sem gelo se abriu. Eles investigaram 64 amostras geológicas retiradas de seis locais que se estendem por 1.200 quilômetros ao longo da zona onde se pensava que o corredor sem gelo existia.

Os cientistas examinaram sedimentos que as geleiras carregavam para longe de seus lares originais, da mesma forma que os rios podem arrastar seixos pelos leitos dos rios ao longo do tempo.

Eles analisaram por quanto tempo essas rochas ficaram expostas na superfície da Terra – e, portanto, quanto tempo permaneceram em solo sem gelo – observando os níveis de elementos radioativos gerados quando as rochas foram bombardeadas por raios de alta energia do espaço.

As novas descobertas sugerem que o corredor sem gelo não foi totalmente aberto até cerca de 13.800 anos atrás, e as camadas de gelo “podem ter tido de 455 a 910 m de altura na área onde cobriam o corredor sem gelo”, disse a principal autora do estudo, Jorie Clark, geóloga e arqueóloga da Universidade do Estado do Oregon (EUA), à Live Science.

Em comparação, o edifício mais alto do mundo, o Burj Khalifa em Dubai, tem cerca de 829,8 m de altura.

“Este é um estudo muito bem executado que aborda uma questão de longa data”, disse Matthew Bennett, pesquisador que estuda fósseis na Universidade de Bournemouth, na Inglaterra, e que não participou deste trabalho, à Live Science. “Os resultados são interessantes e ajudam a aumentar a nossa compreensão desta potencial rota de migração. Os autores devem ser elogiados pela grande colaboração à ciência”.

Em suma, “agora temos evidências robustas de que o corredor livre de gelo não estava aberto e disponível para o primeiro povoamento das Américas”, disse Clark. Ainda assim, “ainda há muito a aprender sobre se eles realmente desceram pela rota costeira e, em caso afirmativo, como eles viajaram. Precisamos encontrar sítios arqueológicos da área”.

Após a primeira onda de migração e uma vez que o corredor sem gelo foi aberto, outras ondas de migração podem ter tomado essa rota mais direta, observou Clark. “Mas, novamente, precisamos encontrar sítios arqueológicos no corredor sem gelo para avaliar quando eles caíram”.

John Hoffecker, um paleoantropólogo da Universidade do Colorado em Boulder (EUA) que não participou deste estudo, apontou que os primeiros sinais de pessoas nas Américas podem revelar que os humanos estavam presentes lá quando as rotas costeiras e interiores para a América do Norte foram bloqueadas por gelo.

Se for verdade, “a explicação mais simples é que eles seguiram uma rota interior através do amplo corredor sem gelo que estava presente antes de 30.000 anos atrás”, disse ele à Live Science.

Os cientistas detalharam suas descobertas na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.