Entre tapas e beijos: onças brasileiras rivais se unem por anos em bromances inesperados

0
376
Um par de onças machos passeia pela selva na região do Pantanal brasileiro. Este par viveu lado a lado por mais de sete anos. (Créditos: NHK (Japan Broadcasting Group))

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

As onças-pintadas machos rivais estão se unindo inesperadamente por anos a fio em busca de parceiras, descobriram pesquisadores.

As onças-pintadas machos geralmente são criaturas solitárias que passam a maior parte de suas vidas vagando sozinhas no mato, apenas cruzando caminhos com outras onças para acasalar com as fêmeas ou defender seu território de rivais.

No entanto, em uma reviravolta inesperada, os pesquisadores descobriram evidências de pares raros e nunca antes vistos de onças-pintadas (Panthera onca) machos que vivem lado a lado por até sete anos. Os grandes felinos provavelmente formam essas alianças improváveis ​​porque as parceiras em potencial se tornaram mais concentradas geograficamente, o que forçou os grandes felinos machos a compartilhar territórios individuais entre eles.

Em um novo estudo, publicado no início deste ano na revista Behavioral Ecology and Sociobiology, os pesquisadores analisaram imagens de armadilhas fotográficas, dados de GPS e observações de campo de cinco estudos diferentes realizados na América do Sul, e descobriram dois exemplos desses bromances machos de grandes felinos. Em ambos os casos, as coalizões duraram pelo menos cinco anos antes que os improváveis ​​amigos se separassem.

“Esta nova descoberta mostra que, quando serve ao seu propósito de obter maior acesso a presas, parceiros e território, as onças-pintadas machos selvagens podem colaborar, cooperar e até formar relacionamentos de longo prazo com ex-concorrentes”, disse Allison Devlin, coautora do estudo, ecologista de grandes felinos e vice-diretora do programa de onça-pintada na organização de conservação de grandes felinos do gênero Panthera, em um comunicado.

A equipe analisou mais de 7.000 registros de onças e encontrou 105 interações entre machos. Dessas interações masculinas, 18 foram consideradas agressivas, nove foram consideradas intolerância social – o que significa que os homens mantiveram distância um do outro, mas não entraram em conflito – e 70 mostraram sinais de cooperação, com o restante sendo não categorizado. Mas depois de observar atentamente as interações cooperativas, a equipe percebeu que esses comportamentos eram principalmente de dois bromances diferentes.

O primeiro par foi observado na região brasileira do Pantanal, um vasto ecossistema pantanoso que se estende até a Bolívia e o Paraguai. Essa aliança começou em 2006 e terminou em 2014, quando uma das onças provavelmente foi morta. A dupla patrulhava territórios juntos, comunicavam-se vocalmente uma com a outra, descansavam lado a lado e em uma ocasião até compartilhavam uma refeição juntas.

Uma imagem de armadilha fotográfica do par de onças-pintadas machos caminhando juntas no Brasil. (Créditos: Wlodek Jedrzejewski)

O segundo par foi visto entre 2013 e 2018 em Los Llanos, uma depressão plana que cobre cerca de um quarto da Venezuela. Surpreendentemente, ambas as onças neste par acasalaram com sucesso com várias fêmeas durante este tempo. Não está claro o que aconteceu com o par depois de 2018.

Mais dois pares de onças machos foram vistos no Pantanal brasileiro, em 2010 e 2019, mas esses pares só foram vistos juntos uma vez cada.

A dupla brasileira compartilha uma refeição: uma anta abatida. (Créditos: Karen Souza)

Depois de identificar os improváveis ​​bromances, os pesquisadores voltaram sua atenção para o que pode estar fazendo com que as onças se tornem parceiras.

Inicialmente, a equipe suspeitou que as alianças nasceram da caça cooperativa. No entanto, em ambos os habitats em que os pares foram vistos, havia abundância de presas disponíveis, como capivaras, anta, jacarés, tartarugas e animais domésticos. Além disso, nos avistamentos, nenhuma das duplas mostrou evidências de caça cooperativa.

Em vez disso, os pesquisadores acreditam que os bromances são uma resposta a uma concentração cada vez maior de mulheres disponíveis. Em ambos os casos, as distribuições geográficas das onças-pintadas diminuíram devido à destruição do habitat e à caça furtiva, o que significa que há mais fêmeas em uma área menor. A equipe suspeita que os machos da onça estão se unindo para dividir as parceiras em potencial entre eles, em vez de arriscar perder seu território para outro macho. A procriação bem-sucedida de ambos os machos na dupla de onças venezuelanas sugere que este é provavelmente o caso.

A cooperação entre machos já foi observada em leões e chitas, mas nessas espécies as coalizões normalmente contêm mais de dois indivíduos e são definidas dentro de uma estrutura de grupo. Em leões e chitas, as alianças também são influenciadas pelo número de fêmeas disponíveis, mas em menor grau.

Os pesquisadores estão entusiasmados por terem descoberto o novo comportamento, mas são cautelosos sobre o quão significativo pode ser por causa de quão raro é. No estudo, apenas 0,1% do total de avistamentos de onças-pintadas machos incluíam comportamento cooperativo entre os machos.

A equipe também reconhece que mais estudos multigeracionais são necessários para mostrar se há algum benefício evolutivo para o comportamento recém-observado.

“A vida secreta das onças é mais complexa do que se pensava”, disse Devlin. “Ainda temos muito a aprender sobre a complexa vida desses felinos selvagens secretos”.