Escavação se depara com um mistério de 1.500 anos em um sítio arqueológico romano na Grã-Bretanha rural

0
368
Arqueólogos desenterraram o caixão revestido de chumbo. Crédito: Pre-Construct Archaeology.

Publicado na Newcastle University

Um mausoléu abandonado e a extração de prata em escala industrial em um sítio arqueológico romano na zona rural de Kent deixaram os arqueólogos com um mistério de 1500 anos.

Extração de prata em escala industrial

Arqueólogos trabalhando em uma escavação em Grange Farm, perto de Gillingham, descobriram 15 quilos de litargírio – um material associado à extração de prata de outros metais. Esta é a maior quantidade já encontrada em um sítio arqueológico romano britânico e excede em muito a quantidade que os arqueólogos normalmente esperariam encontrar em um assentamento rural como o de Grange Farm, sugerindo que o refino da prata estava ocorrendo em escala industrial.

No entanto, a equipe de escavação não descobriu nenhum sinal da infraestrutura que pudesse suportar o tamanho da operação necessária para produzir essa quantidade de material.

A escavação e a pesquisa subsequente, liderada pela Pre-Construct Archaeology (PCA) e envolvendo arqueólogos da Universidade de Newcastle, na Austrália, revelou um edifício retangular que teria sido construído em madeira e dividido internamente por três corredores. Este tipo de edifício com corredores multifuncionais era bastante comum na Grã-Bretanha romana e teria sido usado tanto como casa quanto como local de artesanato. No entanto, embora os arqueólogos tenham encontrado evidências de metalurgia em pequena escala em uma extremidade do edifício, não estava em um nível que produziria a quantidade de litargírio descoberto.

A equipe foi confrontada com outro mistério quando também descobriu um mausoléu de pedra – um grande monumento funerário geralmente encontrado em vilas romanas, não em edifícios com corredores. Datado do final do século 3 ou início do século 4 d.C., este teria a altura de um prédio de dois andares e seria visível do rio Medway, nas proximidades. No interior, o mausoléu tinha um piso “tesselado” de mosaicos vermelhos lisos, o que era muito incomum para mausoléus na Grã-Bretanha romana, disseram os arqueólogos.

Dentro das ruínas do mausoléu, os arqueólogos encontraram um caixão revestido de chumbo contendo o corpo de uma senhora idosa. A análise isotópica dos dentes da senhora sugere que ela provavelmente era do local, enquanto a datação por radiocarbono sugere que ela foi enterrada na mesma época em que o mausoléu foi construído. Embora não fosse inédito que as pessoas fossem enterradas em caixões de chumbo na Grã-Bretanha romana, não era uma prática generalizada. A descoberta também foi incomum porque a equipe não encontrou nenhuma evidência de que a senhora tenha sido enterrada com objetos pessoais ou bens funerários, o que era comum na época.

Dr. James Gerrard, professor sênior de Arqueologia Romana, disse: “Há tantos mistérios em torno das descobertas em Grange Farm. Embora saibamos que a economia durante o final do Império Romano era baseada em prata e ouro, cuja produção era fortemente controlada por do estado, não sabemos por que a prata estava sendo refinada em quantidades tão grandes em Grange Farm – que era apenas um pequeno assentamento rural. Pode ter sido que a proximidade do local com o rio foi um fator importante, ou pode ter sido que o trabalho estava sendo feito ilegalmente, fora da vista do Império. Além disso, temos muito poucas pistas sobre quem era a senhora idosa. Está claro que ela era alguém importante com status significativo na comunidade, porque ser enterrada em um caixão de chumbo em um monumento substancial como o mausoléu requer recursos – tanto em termos de dinheiro, como de contribuição”.

Uma das pontas de lança anglo-saxônicas descobertas em Grange Farm. Crédito: Pre-Construct Archaeology.

Descobertas anglo-saxônicas

Nos séculos V e VI, Grange Farm parece ter caído em desuso como um assentamento permanente, então a equipe ficou surpresa quando a escavação também desenterrou vários itens anglo-saxões antigos, incluindo duas pontas de lança e broche ornamentado. As lanças eram geralmente usadas como parte das práticas funerárias anglo-saxônicas, mas não havia evidências que sugerissem que a Grange Farm estivesse sendo usada como assentamento ou local de enterro naquela época.

“O broche é um achado muito incomum – estilisticamente, está mais perto do sul da Escandinávia e é um dos poucos broches semelhantes encontrados na Grã-Bretanha”, acrescentou o Dr. Gerrard. “Tanto as lanças quanto o broche são objetos incomuns e de alto status em um local rural modesto. O mausoléu não estava em uso neste momento e, de fato, parece que o túmulo da senhora idosa foi perturbado em anos posteriores – possivelmente por ladrões de túmulos medievais ou caçadores de relíquias”.

Além de litargírio e dos mistérios que cercam o mausoléu e a senhora idosa no caixão revestido de chumbo, a equipe de arqueólogos também encontrou 453 moedas romanas, mais de 20.000 fragmentos de cerâmica e 8.000 ossos de animais.

Sequência complexa de atividade ao longo dos séculos

A escavação, que ocorreu antes do início de um novo conjunto habitacional no local, é o tema de um novo livro, By the Medway Marsh, escrito pelo Dr. Gerrard e publicado pela PCA. Detalha a escavação e a história do local, desde o final da Idade do Ferro, sua transição e crescimento sob os romanos, e o que aconteceu durante a Idade Média.

“O sítio arqueológico em Grange Farm nos deu um mistério fascinante e uma extensa e complexa sequência de atividades cobrindo todo o período romano até o início do período anglo-saxão – e além”, acrescentou o Dr. Gerrard. “Mas essa é apenas uma fase da história deste lugar. Tudo o que encontramos – e o que está acontecendo com o local agora – é evidência da força econômica em torno do rio Medway e do desenvolvimento em mudança da área”.

Victoria Ridgeway, diretora e chefe de pós-escavação da Pre-Construct Archaeology, acrescentou: “De certa forma, as escavações em Grange Farm tipificam muito do trabalho realizado por empreendimentos arqueológicos comerciais como a PCA, em que os limites dos sítios arqueológicos foram determinados pela extensão do recente desenvolvimento, neste caso para habitação. Mas, embora soubéssemos que a área tinha sido importante durante o período medieval, estávamos menos preparados para a extraordinária variedade de achados romanos e anglo-saxões que encontramos. Este livro, em comum com outros de uma série de monografias produzidas pela PCA, é o culminar de vários anos de trabalho, envolvendo muitos especialistas de diferentes áreas de pesquisa. Agradecemos o apoio de James Gerrard e do departamento da Universidade de Newcastle. Este projeto proporcionou uma oportunidade bem-vinda para a colaboração entre os aspectos ‘acadêmico’ e ‘comercial’ do mundo arqueológico”.