Especialistas alertam sobre mortes em Madagascar – A Peste Negra?

0
2388

(CNN) – Um surto da peste matou dezenas em Madagascar, e especialistas temem que esses números possa aumentar.

Pelo menos 119 casos foram confirmados no final do ano passado, incluindo 40 mortes, os números informados pela Organização Mundial da saúde.

“A epidemia que começou em novembro passado e tem algumas dimensões perturbadoras”, disse a OMS nessa semana. “As pulgas que transmitem esta antiga doença dos ratos para os seres humanos desenvolveram resistência para o inseticida de primeira linha.”

Foram confirmados casos em mais de 20 distritos e na capital, informou Christophe Rogier do Institut Pasteur de Madagascar no ano passado. Rogier faz parte de uma equipa que trabalhar com a OMS, no terreno, para combater a doença.

Roedores e chuvas

A peste é causada pela Yersinia pestis, uma bactéria encontrada em roedores e espalhada por pulgas.

Recentes inundações no local deslocou dezenas de milhares de pessoas e um “número incontável de ratos”, sendo um pouco pessimista, a doença pode se espalhar, disse Margaret Chan, diretora-geral da Organização Mundial de saúde.

Como se espalha?

Uma vez que uma pulga infectada morde seres humanos, eles podem desenvolver a peste bubônica, que é marcada pelo inchaço dos gânglios linfáticos.

Se a bactéria atinge os pulmões, pode-se desenvolver a peste pneumônica.

O tipo pneumônico é raro, porém é mais perigoso do que a peste bubônica, porque pode ser transmitido entre seres humanos através da inalação e tosse.

“Se diagnosticado cedo, a peste bubônica pode ser tratada com sucesso com antibióticos,”, disse a Organização Mundial de saúde. “Peste pneumônica, por outro lado, é uma das doenças mais mortais e infecciosas; os pacientes podem morrer 24 horas após a infecção.”

Pelo menos 8% dos casos avançam para a pneumônica, informa a OMS. 

A última epidemia ocorreu na Europa, Estados Unidos, África, Ásia e América do Sul.

A peste era conhecida como a “morte negra” na Europa no século XIV e levou à morte de 50 milhões de pessoas, segundo a OMS.

Epidemias ao longo da história


Tradução parcial da notícia publicada na CNN. Notícia original aqui.

CONTINUAR LENDO