Esses enormes ‘patos demônios’ com cérebros amassados foram uma experiência evolucionária extrema

0
551
Crédito: Peter Trusler.

Por Tessa Koumondouros
Publicado na ScienceAlert

Na época em que vombates gigantesequidnas do tamanho de ovelhas e leões-marsupiais vagavam pelas antigas terras da Austrália, também vivia um pássaro gigante que não voava. Conhecido por alguns como o ‘pato-demônio’, Dromornis stirtoni é descrito pelo paleontólogo Trevor Worthy como um “experimento evolucionário extremo”.

“Parece que esses pássaros gigantes foram provavelmente o que a evolução produziu quando soltou as galinhas nas condições ambientais australianas”, explicou Worthy, pesquisador da Universidade Flinders, na Austrália.

Embora as descobertas de seus crânios sejam raras, os registros fósseis sugerem que ‘mihirung’ (uma palavra aborígine para ‘pássaro gigante’) existiu por um período incrível de 25 milhões de anos.

Algumas espécies eram quase do tamanho de casuares, mas outras eventualmente evoluíram para o enorme peso de meia tonelada do D. stirtoni, com bicos enormes para ajudá-los a devorar todos os alimentos vegetais de que precisavam para manter seu tamanho exagerado.

No entanto, para abrir espaço para seu bico enorme, essas galinhas absurdamente enormes desenvolveram crânios um tanto distorcidos.

Reconstrução de um esqueleto de Dromornis planei, Museu do Território do Norte. Créditos: Trevor Worthy / Universidade Flinders.

“Para acomodar os músculos que manejavam esse bico enorme, o crânio tornou-se mais alto, mais largo e menos comprido e, portanto, o cérebro interno foi comprimido e achatado para caber dentro dele”, disse Worthy.

Usando técnicas modernas de imagiologia, o paleontólogo Warren Handley da Universidade Flinders e Worthy puderam discernir detalhes anteriormente misteriosos de quatro fósseis de crânio de mihirung: Dromornis murrayi de 24 milhões de anos; Dromornis planei e Ilbandornis woodburnei de 12 milhões de anosD. stirtoni, de 7 milhões de anos.

Isso permitiu aos pesquisadores identificar características que revelam como esses animais provavelmente viviam.

“Junto com seus olhos grandes voltados para a frente e bicos muito grandes, a forma de seus cérebros e nervos sugeria que essas aves provavelmente tinham uma visão estereoscópica bem desenvolvida, ou percepção de profundidade, e se alimentavam de uma dieta de folhas macias e frutas”, explicou Handley.

Os pesquisadores construíram modelos cerebrais a partir de tomografias computadorizadas de crânios fossilizados de Queensland e do Território do Norte e os compararam a pássaros modernos visando esclarecer ainda mais coisas sobre suas relações.

“A improvável verdade é que essas aves eram parentes de aves como galinhas e patos”, disse Worthy.

Impressão artística do maior mihirung, D. stirtoni. Crédito: Peter Trusler.

A equipe acredita que os períodos de exuberantes florestas na Austrália durante a evolução inicial do mihirung forneceram pressão de adaptação para as aves formarem sua visão avançada, permitindo-lhes navegar por esses complexos ambientes florestais.

Os gigantes que não voavam, então, parecem ter usado essas habilidades para se adaptar ao clima australiano cada vez mais seco até o final do Pleistoceno – resultando em sua provável restrição às florestas cada vez menores ao redor dos cursos d’água, potencialmente colocando-os diretamente no caminho da chegada dos humanos.

Esse impacto natural, entre outros fatores, podem ter levado à morte dessas aves monstruosas e únicas, em algum período entre 50.000 a 20.000 anos atrás.

O último dos mihirung, Genyornis newtoni. Crédito: Peter Trusler.

Sua morfologia craniana e endocraniana é “diferente de qualquer outra vista na evolução das aves” e representa adaptações distintas aos ambientes australianos em mudança progressiva, concluíram Handley e Worthy em seu estudo.

Sua pesquisa foi publicada na Diversity.