Esta semana, Marte estará mais próximo da Terra do que nos próximos 15 anos

0
269
Mosaico de Marte capturado pelo Viking Orbiter 1. Créditos: NASA / JPL-Caltech.

Por Jacinta Bowler
Publicado na ScienceAlert

Marte, nosso segundo primo cósmico mais próximo, está em nossa imaginação coletiva há décadas. Entre fantasias da ficção científica de visitas de marcianos e a promessa de encontrarmos água líquida sob sua superfície gelada, Marte não precisa fazer muito para proporcionar material para uma boa leitura a todos.

Mas muito em breve, Marte não estará apenas perto de nossos corações, mas também mais próximo de nosso planeta mesmo – a meros 62,1 milhões de quilômetros de distância da Terra.

Este é o mais próximo que Marte estará de nós nos próximos 15 anos. E isso significa que observar as estrelas é altamente recomendado a todos, pois Marte estará brilhante, grande e fácil de ver com ou sem um telescópio.

Recomendamos verificar um mapa do céu para descobrir onde Marte estará no céu noturno de sua localização, para que você possa planejar a melhor visualização possível.

Mas a boa notícia é que estará em uma região do céu noturno com muito poucas estrelas e, se você tiver sorte, também poderá ver Júpiter e Saturno brilhando intensamente mais perto do horizonte.

O dia em que estaremos, de fato, mais próximos de Marte é 6 de outubro, então vá em frente.

Como você pode ver neste vídeo abaixo, Marte e a Terra estão ambos em órbitas ligeiramente elípticas, o que significa que eles podem ocasionalmente ficar muito próximos um do outro.

O encontro mais próximo possível é quando a Terra está mais distante do Sol (afélio) e Marte está o mais próximo do Sol (periélio). Nesse ponto, os dois estariam separados por um mínimo de 54,6 milhões de quilômetros.

Essa situação é chamada de oposição e acontece a cada dois anos ou mais. No entanto, na verdade, nunca registramos o momento que atingimos aquele ponto perfeito ‘mais próximo’.

A aproximação mais próxima que já registramos aconteceu em 2003, com apenas 55,7 milhões de quilômetros nos separando de Marte. Dois anos atrás, 2018 também estava bem próximo, com apenas 57,6 milhões de quilômetros entre nós.

Infelizmente, porém, estamos ficando cada vez mais desalinhados com nosso vizinho mais próximo e não começaremos a nos aproximar novamente até 2029, culminando em uma aproximação muito próxima em 2035 – apenas 56,9 milhões de quilômetros de distância – então, comece planejando sua programação de visualização de Marte para 2035 com bastante antecedência!

Na outra extremidade da escala de uma oposição está uma conjunção, quando os dois planetas estão mais distantes um do outro. Eles podem estar até 401 milhões de quilômetros de distância um do outro. Isso ocorre quando a Terra e Marte estão em lados opostos do Sol e ambos em seu afélio.

É por essa razão que as organizações espaciais aproveitam a curta distância entre nossos planetas quando essas oportunidades surgem. Este ano foi um pico de oportunidade para muitas missões ao Planeta Vermelho.

A Mars One planejava lançar uma sonda em 2020, antes de ir à falência.

Mas três missões decolaram com sucesso. O rover Perseverance da NASA está quase na metade de sua jornada para o planeta vermelho depois de decolar em julho, enquanto duas outras missões partiram para Marte na mesmo período de duas semanas.

A próxima leva de missões a Marte – como o Mars Sample Return – começará sua viagem em 2022, mas terá que viajar 20 milhões de quilômetros extras, pois estaremos a uma distância de 81,5 milhões de quilômetros de nossa aproximação mais próxima durante este tempo.

Portanto, esta semana é uma oportunidade muito especial que não a teremos novamente até 2035. Certifique-se de acenar para Marte conforme ele passa!