Pular para o conteúdo

Estas fotos assustadoras são as únicas já tiradas em Vênus

Estas fotos assustadoras são as únicas já tiradas em Vênus

Vênus está tão tentadoramente perto de ser gêmea da Terra. O seu tamanho, composição e densidade são muito semelhantes às propriedades do nosso planeta natal… mas quando se trata de habitabilidade, Vênus não poderia ser mais diferente.

Envolta em uma mortalha densa e sufocante de nuvens tóxicas e ácidas, a superfície de Vênus é hostil, e não apenas à vida.

Graças a um efeito estufa descontrolado, no qual essas nuvens retêm o calor do Sol e evitam que ele escape de volta para o espaço, a temperatura média da superfície de Vênus fica em horríveis 464 graus Celsius (867 graus Fahrenheit). Sem mencionar a pressão atmosférica – quase 100 vezes a da Terra.

Os cientistas têm lutado para conceber um módulo de aterrissagem que possa sobreviver a estas condições profundamente inóspitas… mas, acredite ou não, na verdade, temos dados da superfície venusiana. Entre 1961 e 1984, o programa espacial soviético enviou uma série de 16 sondas ao vizinho solar da Terra.

Estas fotos assustadoras são as únicas já tiradas em Vênus
Uma imagem da superfície de Vênus capturada pela Venera 13. (Venera 13/Don P.Mitchell)

O programa chamava-se Venera e foi, em termos inequívocos, um triunfo. Foi o primeiro programa a entrar com sucesso na atmosfera de outro planeta, com a Venera 3 em 1966. Em 1970, a Venera 7 foi a primeira sonda a fazer um pouso suave em outro planeta.

E, embora nenhuma das oito sondas Venera que pousaram em Vênus tenha durado mais de duas horas – a mais longa foi a Venera 12, que durou 110 minutos antes de sucumbir ao calor e à pressão – a Venera foi a primeira missão a enviar à Terra imagens e sons de outro planeta.

Até o momento, o Venera é o único programa que enviou imagens e áudio da superfície de Vênus. Venera 13 e 14 gravaram som, e Venera 9, 10, 13 e 14 tiraram imagens panorâmicas de seus locais de pouso.

Os dados que chegaram são, pelos padrões de hoje, talvez um pouco granulados, mas isso foi há décadas, e as condições sob as quais as sondas operaram eram muito estressantes. Abaixo, podem ser vistas as primeiras imagens, da Venera 9 e 10, tiradas em 1975, e da Venera 13, em 1982.

Imagens da superfície de Vênus capturadas pela Venera 9 e Venera 10 em 1975. (Agência Espacial Russa)

Você pode ver uma diferença significativa na qualidade da imagem entre os dois períodos, mesmo que eles tenham sido separados por apenas alguns anos.

(Agência Espacial Russa)

Em tempos mais recentes, outros revisitaram os dados de quase 50 anos com a tecnologia e técnicas aprimoradas de processamento de imagem disponíveis, resultando em algumas imagens bastante interessantes de Vênus.

Eles mostram um mundo alienígena em tons dourados, que de alguma forma parece ameaçador, mesmo sem qualquer indício de temperatura, pressão ou veneno que devastaria a vida como a conhecemos.

Essa tonalidade dourada é resultado da filtragem da luz solar através das nuvens venusianas, tingindo a superfície. O processamento de imagens realizado na Universidade Brown revela que as rochas e a sujeira da superfície do planeta apresentam uma tonalidade acinzentada escura.

Pensa-se que isto se deve à forma como a superfície se formou: a superfície de Vênus é dominada por características vulcânicas – na verdade, pode ainda estar vulcanicamente ativa hoje em dia – e pensa-se que a rocha escura seja basáltica.

Venera 13 na cor original (parte superior) e com os efeitos de filtragem atmosférica removidos (parte inferior). (Academia de Ciências da URSS/Universidade Brown)

Devido à forma como Vênus é semelhante à Terra, os cientistas estão ansiosos para aprender mais sobre ela. Estudar Vênus poderia nos ajudar a aprender algumas das maneiras pelas quais os caminhos evolutivos dos planetas podem se desviar, para produzir um ambiente que seja propício à vida, ou que extremamente não o seja.

Esta é uma informação que podemos usar para procurar vida em outros locais da Via Láctea e responder a algumas das questões mais fundamentais da humanidade: como chegamos aqui e por quê?

Embora a nossa tecnologia tenha melhorado desde os tempos de Venera, ainda não enviamos outra sonda a Vênus. Várias missões futuras de agências espaciais ao redor do mundo planejam estudar a atmosfera do planeta. A Roscosmos é a única agência com planos atuais de enviar um módulo de pouso à superfície.

Então, por enquanto, estamos presos no limbo de Vênus – olhando para imagens de décadas atrás, imaginando que segredos se escondem naquela paisagem estranha e alienígena.

 

Traduzido por Mateus Lynniker de ScienceAlert