Estas passagens andinas ocultas podem ter sido usadas para rituais psicodélicos antigos

0
66
Rede de passagens seladas dentro do complexo do templo Chavín de Huántar. (Créditos: John Rick/Programa Chavin)

Traduzido por Julio Batista
Original de Tom Metcalfe para a Live Science

Arqueólogos revelaram um complexo de passagens e galerias escondidas nas profundezas do antigo complexo do templo de Chavín de Huántar, nos Andes peruanos. Os pesquisadores acham que a rede de câmaras e galerias foi usada em rituais religiosos, possivelmente envolvendo drogas psicodélicas.

É a primeira vez em cerca de 3.000 anos que essas estruturas ocultas particulares são exploradas; algumas das câmaras escuras e isoladas podem ter sido usadas para privação sensorial, enquanto algumas das galerias maiores parecem ter sido usadas para a adoração de ídolos, disse John Rick, arqueólogo da Universidade de Stanford que está liderando a pesquisa.

“São passagens, corredores, salas, celas e nichos revestidos de pedra, com paredes muito grossas, cobertas com vigas de pedra”, disse ele à Live Science por e-mail. “As galerias têm uma diversidade de funções pelo que podemos dizer, [mas] todas estão relacionadas à atividade ritual”.

Rick explicou que as passagens recém-descobertas não eram estritamente túneis, porque não haviam sido cavadas no chão. Em vez disso, elas foram deliberadamente construídas dentro da massa do enorme complexo do templo, pois este foi construído em etapas entre 1200 a.C. e 200 a.C.

Algumas das câmaras parecem ter sido originalmente salas perto da superfície que foram mantidas acessíveis por um tempo com telhados pesados ​​e passagens de entrada estendidas, disse ele. As passagens têm até 100 metros de comprimento, mas muitas são sinuosas, com cantos em ângulo reto e vários níveis.

Um total de 36 galerias e suas passagens associadas foram encontradas em Chavín de Huántar ao longo de 15 anos de escavações, mas esta última rede foi detectada apenas alguns anos atrás e não foi explorada até este ano, disse Rick.

O complexo do templo em Chavín de Huántar. (Créditos: Qpqqy/CC BY-SA 4.0/Wikimedia Commons)

Templo antigo

Os arqueólogos acreditam que Chavín de Huántar foi um centro religioso para o misterioso povo Chavín, que viveu nas partes norte e central do que hoje é o Peru entre 3.200 e 2.200 anos atrás, segundo a Encyclopedia Britannica.

O complexo fica a cerca de 430 quilômetros ao norte de Lima, em um vale montanhoso a uma altura de mais de 3.000 m, e é a maior das várias localidades religiosas de Chavín encontradas até agora.

Rick disse que as últimas passagens no interior do complexo foram detectadas pela primeira vez em 2019 e foram inicialmente exploradas com uma câmera de controle remoto.

As restrições contra a COVID-19 impediram a exploração até maio deste ano, quando os arqueólogos puderam entrar nas passagens pela primeira vez desde que foram aparentemente fechadas cerca de 3.000 anos atrás, disse ele.

As passagens levavam a uma galeria principal que continha duas grandes tigelas de pedra rituais, uma delas decorada com a cabeça e as asas simbólicas de um condor, a outra com uma grande ave de rapina andina. A galeria agora é conhecida como Galeria Condor como resultado.

“Já documentamos a galeria, mas ainda temos muito a explorar”, disse Rick. “Grandes escavações começarão no próximo ano.”

Ele acrescentou que a galeria era mais profunda do que a maioria das encontradas antes e parecia ser mais antiga. “A Galeria Condor mostra várias evidências apontando para uma idade de pelo menos 3.000 anos desde que a galeria foi construída e provavelmente desde que foi formalmente selada”, disse Rick.

Duas tigelas de pedra, uma com características de um Condor Andino, encontradas em uma galeria. (Créditos: John Rick/Programa Chavin)

Religião misteriosa

Pouco se sabe sobre as crenças de Chavín, mas as passagens e galeria recém-descobertas parecem ter tido um propósito religioso, como outras câmaras encontradas no passado em Chavín de Huántar. “As galerias têm uma diversidade de funções, pelo que podemos dizer”, disse Rick.

Eles incluem várias pequenas câmaras que podem ter sido usadas para privação sensorial ou desorientação visual, auditiva e tátil ritual, disse ele.

Outras câmaras eram usadas para adoração ou para guardar equipamentos rituais, incluindo as famosas trombetas ornamentais esculpidas feitas de conchas gigantes que foram desenterradas em grande número em Chavín de Huántar e que parecem ter sido usadas em cerimônias lá, disse ele.

Embora algumas passagens e galerias tenham sido descobertas em locais religiosos de idade semelhante nos Andes, geralmente são muito menores e mais simples – “nada como as passagens encontradas em Chavín”, disse Rick.

“As passagens mais semelhantes no Novo Mundo podem ser as cavernas sob as pirâmides de Teotihuacán, no centro do México, mas as diferenças ainda são gritantes”, disse Rick. “Chavín é efetivamente único no número e na natureza das galerias.”

O antropólogo e arqueólogo Richard Burger, especialista em pré-história sul-americana da Universidade de Yale que não esteve envolvido nas pesquisas mais recentes de Chavín de Huántar, disse que as duas tigelas da Galeria Condor provavelmente eram morteiros usados ​​para moer drogas psicodélicas para cerimônias religiosas.

“Havia uma tradição em Chavín de inalar rapé alucinógeno”, disse ele à Live Science. Ele argumentou que foi feito de vagens de sementes da árvore angico, que contém uma poderosa substância alucinógena que inclui dimetiltriptamina, ou DMT.

O antropólogo da Universidade da Flórida (EUA), Dan Contreras, que não esteve envolvido na descoberta, mas trabalhou com Rick em Chavín de Huántar, disse que os túneis mais recentes apresentam uma rara oportunidade para os arqueólogos estudarem as passagens com novas técnicas.

Embora o complexo do templo em Chavín incluísse várias redes seladas de passagens, “esta é uma que permaneceu totalmente desconhecida”, disse ele. “Até agora, não só não havia sido visitada, mas ninguém sabia que estava lá.”

Muitas das passagens parecem ter estado originalmente perto da superfície, mas foram fechadas à medida que o complexo foi construído ao longo dos séculos, disse ele. Uma das mais famosas é uma galeria com um monólito de pedra próximo ao centro.

“Há um argumento convincente de que esta era originalmente uma praça aberta”, disse Contreras. “Então, como o templo foi construído ao redor, eles mantiveram o acesso ao que antes era uma praça, mas agora em um espaço totalmente fechado.”