Este adaptador impresso em 3D transforma máscara de mergulho em um ventilador

A impressão 3D e a gambiarra tecnológica poderia resultar na salvação de vidas.

0
941
Crédito: Isinnova.

Por Victor Tangermann
Publicado no Futurism

Os engenheiros da impressão 3D estão ficando mais espertos na era do coronavírus.

Primeiro, uma empresa italiana de impressoras 3D ajudou um hospital sobrecarregado imprimindo válvulas de ventilação.

Agora, uma empresa chamada Isinnova está trabalhando em uma próxima solução engenhosa: um adaptador impresso em 3D que pode transformar uma máscara de mergulho em uma máscara de C-PAP para oxigenoterapia – um tratamento crucial para casos mais graves de COVID-19.

A ideia foi pensada pelo médico-chefe do Hospital de Gardone Val Trompia, Renato Favero, que entrou em contato com a Isinnova, de acordo com uma publicação do blog da empresa.

“O Dr. Favero compartilhou conosco uma ideia para corrigir a possível escassez de máscaras de C-PAP do hospital voltada para terapia subintensiva, que está se tornando um problema real vinculado à disseminação da COVID-19”, diz a publicação. “Seria a construção de uma máscara de ventilação de emergência, realizada através do ajuste de uma máscara de mergulho já disponível no mercado”.

O fabricante da máscara “Easybreath” da Decathlon “ficou imediatamente disposto a cooperar”, segundo Isinnova. Foi comprovado que um protótipo impresso em 3D estava funcionando corretamente com a equipe do hospital “entusiasmada com a ideia”.

Ao contrário da máscara de mergulho à qual estamos acostumados, essas máscaras específicas cobrem toda a frente do rosto, para dar aos nadadores uma visão desobstruída do mundo subaquático ao seu redor. A metade inferior do dispositivo é canalizada em um “tubo de respiração” estreito que fica acima da superfície da água.

Apesar dos primeiros sucessos, a Isinnova ainda não entrou na fase de produção. “Nem a máscara nem o vínculo com a Decathlon estão certificados e seu uso está sujeito a uma situação de necessidade obrigatória”, apontou a empresa de impressão 3D. Os pacientes ainda precisam assinar uma declaração para que o dispositivo não-certificado seja usado em seus cuidados médicos.