Este deslumbrante close do ”Grand Canyon” de Marte é de arrepiar

0
20
(Créditos: NASA/JPL /UArizona)

Por Jacinta Bowler
Publicado na ScienceAlert

O Tithonium Chasma é um grande desfiladeiro. Com impressionantes 810 quilômetros de comprimento, ocupa uma grande parte do Valles Marineris – o maior sistema de cânions que conhecemos em todo o Sistema Solar.

Este close do abismo foi obtido em 2013 pela câmera High Resolution Imaging Science Experiment (HiRISE) a bordo do Mars Reconnaissance Orbiter e foi apresentada como a imagem HiRISE do dia.

A imagem mostra cerca de um quilômetro do terreno de Marte com colinas e vales tortuosos, mas como você pode ver nas outras imagens, quando você começa a diminuir o zoom, esta é apenas uma pequena seção de um todo colossal.

(Créditos: NASA/JPL/UArizona)

Mas como ele foi parar lá? O Grand Canyon na Terra – que é cinco vezes mais raso e 10 vezes mais curto que os Valles Marineris – foi esculpido pelo Rio Colorado.

Mas os cientistas não têm certeza do que teria formado o cânion de Valles Marineris e o Tithonium Chasma, de 8 a 10 quilômetros de profundidade, então eles estão tirando fotos para tentar descobrir.

Sabemos que a inclinação do eixo de Marte (chamada de obliquidade) não é tão estável quanto a da Terra, variando amplamente de mais de 60 graus a menos de 10 no passado antigo.

Uma versão não cortada e sem a coloração da imagem acima. (Créditos: NASA/JPL/UArizona)

“É possível, embora não comprovado, que a maior obliquidade tenha provocado o derretimento parcial de parte do gelo de Marte”, escreveu o porta-voz da HiRISE, Edwin Kite, em 2014.

“Nossa melhor chance de entender isso é encontrar partes de gelo, poeira, lodo ou areia que se acumularam ao longo de muitos ciclos de mudança de obliquidade.”

A imagem do Tithonium Chasma acima mostra esses achados. As camadas de sedimentos – aquelas listras escuras e claras estendendo diagonalmente no meio da imagem – são relativamente uniformes, possivelmente mostrando o acúmulo gradual de sedimentos ao longo de muitos longos ciclos dessa mudança de inclinação axial.

Um mapa mostrando a localização das imagens acima no Valles Marineris. (Créditos: NASA/JPL/UArizona)

Mesmo sete anos após esta foto ter sido tirada, ainda não temos certeza do que criou os Valles Marineris. Alguns pesquisadores suspeitam que uma grande “rachadura” tectônica pode ter dividido a superfície de Marte para ser posteriormente reforçada pelo fluxo de lava, ou potencialmente água se a inclinação axial do planeta estiver correta.

Mas, realmente, embora essas imagens sejam cientificamente interessantes para os astrônomos, elas também são simplesmente lindas.

A escala impressionante desses picos e vales incríveis, capturados por uma espaçonave a 264 quilômetros da superfície do planeta, realmente não pode ser subestimada.

Você pode ver ainda mais fotos dos Valles Marineris aqui.