Este novo processo baseado em diamante pode ajudar a salvar o oceano dos microplásticos

0
256
Microplástico antes e depois da eletrooxidação. (Créditos: Kiendrebeogo et al., Environmental Pollution, 2021)

Por Jacinta Bowler
Publicado na ScienceAlert

Uma nova técnica usando diamantes e titânio tem o potencial de ajudar a remover microfibras de plástico antes de entrarem no ambiente, decompondo-as em moléculas que ocorrem naturalmente.

É um fato que a indústria da moda prefere manter em segredo – a maioria de nossas roupas sintéticas são feitas de plástico e estão contribuindo para um grande problema, despejando fibras microplásticas em nossas águas residuais.

“A liberação de microplásticos no meio marinho é reconhecida como um dos principais problemas relacionados à poluição da água. Foi demonstrado que em ambientes aquáticos, esses microplásticos adsorvem substâncias tóxicas e podem ser ingeridos por organismos aquáticos”, explicaram pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Científicas (INRS) no Canadá em um novo estudo.

“Depois, eles se acumulam na cadeia alimentar e, posteriormente, chegam aos humanos”.

O plástico pode ser despejado no meio ambiente de muitas maneiras, de embalagens de plástico a pneus de automóveis, mas até recentemente um dos maiores contribuintes – microfibras de nossas roupas – foi quase sempre esquecido.

Quando roupas feitas de tecidos como poliéster, náilon e acrílico são lavadas, minúsculas microfibras de plástico se desprendem do material e vão para as águas residuais – e, se não forem removidas, para nossos cursos de água.

O novo método de remoção de plástico – chamado de eletrooxidação – não apenas captura as fibras, mas as desconstrói ativamente.

“Usando eletrodos, geramos radicais hidroxila (OH•) para ‘atacar’ os microplásticos”, explica um dos pesquisadores, o cientista de eletrotecnologia Patrick Drogui.

“Esse processo é ecologicamente viável porque os divide em moléculas de CO2 e água, que não são tóxicas para o ecossistema”.

Quando os pesquisadores fizeram experimentos usando diamante dopado com boro e eletrodos de titânio em uma amostra de água que estava artificialmente contaminada com microesferas de poliestireno de 26 µm, eles descobriram que em um período de seis horas, 89 por cento do plástico estava degradado.

Ainda existem alguns problemas a resolver neste processo. Usar o diamante é obviamente caro – embora a equipe explique que os componentes podem ser reutilizados por vários anos.

Os pesquisadores também precisarão fazer experiências com águas residuais reais para determinar se o processo é eficaz quando outros contaminantes estão presentes. Até agora, a equipe testou apenas o plástico de poliestireno.

No futuro, eles esperam integrar algo assim em lavanderias comerciais, ou potencialmente até em sua máquina de lavar, mas isso ainda está longe.

“Quando esta água da lavanderia comercial chega à estação de tratamento de águas residuais, ela é misturada com grandes quantidades de água, os poluentes são diluídos e, portanto, mais difíceis de degradar”, disse Drogui.

“Por outro lado, por atuar na fonte, ou seja, na lavanderia, a concentração de microplásticos é maior (por litro de água), portanto mais acessível para degradação eletrolítica”.

Atualmente, 80 por cento das águas residuais do mundo não são tratadas antes de voltar para o meio ambiente, então ainda há muito trabalho a ser feito nesta área.

Também é importante observar que essa não é a única maneira de remover o plástico de nossas águas residuais. Muitas estações de tratamento de águas residuais já usam um processo que captura 99 por cento das partículas maiores que 20 micrômetros de tamanho, mas isso ainda significa que você tem que fazer algo com o plástico depois de capturado – um problema que o processo de eletrooxidação também resolve.

Além disso, em relação aos tecidos têxteis constituindo a maioria dos microplásticos do oceano, não estamos fazendo o suficiente para removê-los.

Obviamente, uma das maneiras mais fáceis de impedir o despejo de plástico das nossas roupas é parar de usar plástico para produzir roupas. Isso exigiria grandes mudanças na maneira como produzimos, consumimos e regulamentamos a fabricação de roupas.

Mas para todo o plástico que já existe em nosso sistema de consumo, é bom saber que em breve poderá haver mais maneiras de remover as microfibras antes que elas tenham a chance de causar danos potenciais.

A pesquisa foi publicada na revista Environmental Pollution.