Este predador de dentes de sabre foi provavelmente um dos primeiros carnívoros verdadeiros

0
165
Uma paleoarte da criatura recém-descoberta. Crédito: Museu de História Natural de San Diego.

Por Jacinta Bowler
Publicado na ScienceAlert

Se você já viveu com um gato, provavelmente recebeu uma mordida dolorosa dos caninos pontudos de sua amada bola de pelos ambulante pelo menos uma vez.

Mas 42 milhões de anos atrás, os dentes do seu gatinho teriam parecido muito diferentes: a evolução estava apenas aprimorando os dentes de animais parecidos com gatos para uma lança afiada mortal para perfurar e triturar carne.

Um novo estudo descreveu um dos primeiros predadores felinos conhecidos na costa oeste da América do Norte, dando-nos novas informações sobre esses predadores antigos e a evolução dos carnívoros modernos.

“Hoje, a capacidade de ter uma dieta só de carne, também chamada de hipercarnívoro, não é incomum. Os tigres fazem isso, os ursos polares podem fazer também. Se você tem um gato doméstico, pode até ter um hipercarnívoro em casa. Mas 42 milhões anos atrás, os mamíferos estavam apenas descobrindo como sobreviver apenas com carne”, disse a paleontóloga Ashley Poust, do Museu de História Natural de San Diego. “Um grande avanço foi desenvolver dentes especializados para cortar carne – algo que vemos neste espécime recém-descrito”.

A criatura recém-descrita, chamada Diegoaelurus vanvalkenburghae, é conhecida apenas por um pedaço de mandíbula inferior com alguns dentes presos, mas os dentes nos fornecem muitas informações sobre esse antigo predador.

D. vanvalkenburghae faz parte da subfamília de felinos extintos chamados Machaeroidinae – que significa ‘semelhante a uma adaga’. Este fóssil parece ser o mais recente machaeroidina encontrado e é muito diferente de seu parente mais próximo conhecido, Apataelurus kayi.

“Nada como isso existia em mamíferos antes”, disse Poust. “Alguns ancestrais mamíferos tinham presas longas, mas Diegoaelurus e seus poucos parentes representam a primeira abordagem felina a uma dieta de carne, com dentes de sabre na frente e dentes de ‘tesoura’ cortantes chamados carniceiros atrás. É uma combinação potente que vários grupos de animais evoluíram independentemente nos milhões de anos desde então”.

A mandíbula. Crédito: Museu de História Natural de San Diego.

É importante notar que outras subfamílias também evoluíram predadores de dentes de sabre, incluindo o Machairodontinae, que contém Smilodon fatalis, o mais famoso tigre-de-dentes-de-sabre.

A mandíbula está na coleção do museu desde 1988, mas só recentemente foi analisada pela equipe. O fóssil foi desenterrado de um leito rochoso de 42 milhões de anos chamado Formação Santiago, em San Diego. Essa formação remonta ao final do Eoceno e pode nos dar informações de uma época em que o mundo era mais quente e a Califórnia era uma floresta úmida.

“Os fósseis da Formação Santiago nos mostram uma Califórnia úmida e florestada, onde minúsculos rinocerontes, antas primitivas e estranhos oreodontes herbívoros semelhantes a ovelhas pastavam sob as árvores, enquanto primatas e marsupiais incomuns se agarravam nos galhos acima”, disse Poust. “Esta riqueza de espécies de presas teria sido uma miscelânea para Diegoaelurus, permitindo-lhe viver a vida de um caçador especializado antes da maioria dos outros mamíferos”.

Por enquanto, este é o único fóssil de Diegoaelurus, tornando-o um pouco solitário na coleção do Museu de San Diego, mas à medida que continuamos cavando mais fundo, podemos descobrir amigos com dentes ainda mais afiados.

O estudo foi publicado em PeerJ; um modelo 3D do fóssil pode ser visto aqui.