Estudo de 25 anos sobre energia nuclear vs. renovável diz que uma das duas é claramente melhor na redução de emissões

0
429
Créditos: Allard Schager / Moment / Getty Images.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

A energia nuclear é muitas vezes promovida como uma das melhores maneiras de reduzir nossa dependência de combustíveis fósseis para gerar a eletricidade que precisamos, mas uma nova pesquisa sugere que investir em energias renováveis ​​como eólica e solar pode ser uma abordagem melhor para reduzir criticamente os níveis de dióxido de carbono na atmosfera.

Com base em uma análise de 123 países ao longo de um quarto de um século, a adoção da energia nuclear não alcançou a redução significativa nas emissões nacionais de carbono comparada com que as renováveis ​​alcançaram – e, em alguns países em desenvolvimento, os programas nucleares, na verdade, aumentaram as emissões de carbono.

O estudo também descobriu que a energia nuclear e a energia renovável não combinam bem quando experimentadas juntas: elas tendem a se opor, não deixando espaço para a infraestrutura de energia que é específica para seu modo de produção de energia.

Dado que a energia nuclear não é exatamente de emissão zero de carbono, corre o risco de colocar as nações em um caminho de emissões relativamente mais altas do que se usassem apenas as energias renováveis.

No entanto, ainda é muito cedo para fazer um julgamento apressado sobre a energia nuclear.

É importante notar que o estudo analisou especificamente os dados de 1999-2014, portanto, exclui inovações mais recentes relacionadas a energia nuclear e energias renováveis, e os próprios cientistas dizem que encontraram uma correlação, ao invés de causa e efeito. Mas é uma tendência interessante que precisa de mais investigação.

“As evidências indicam claramente que a nuclear é a menos eficaz das duas estratégias amplas de redução de emissões de carbono e, juntamente com sua tendência de não coexistir bem com a alternativa renovável, isso levanta sérias dúvidas sobre o pensamento de priorizar o investimento em energia nuclear ao invés de energia renovável”, diz Benjamin Sovacool, professor de política energética da Universidade de Sussex, no Reino Unido.

“Os países que planejam mais investimentos em larga escala em energia nuclear estão arriscando a supressão de maiores benefícios climáticos de investimentos alternativos em energias renováveis”.

Os pesquisadores sugerem que as regulamentações mais rígidas e os prazos de entrega mais longos associados à energia nuclear são responsáveis ​​por algumas das estatísticas exploradas no estudo, enquanto o desenvolvimento em larga escala que a energia nuclear requer tende a deixar menos espaço para projetos renováveis ​​que funcionam em menor escala.

Há também considerações mais amplas a serem ponderadas – energia nuclear e energias renováveis ​​serão dois fatores entre muitos nas políticas elaboradas pelos governos quando se trata de reduzir as emissões de carbono.

Além disso, dado o prazo, muitas das usinas nucleares cobertas por este estudo provavelmente estavam chegando ao fim de sua vida útil, o que significa que mais energia é necessária para mantê-las.

Quaisquer que sejam os prós e contras das políticas nucleares, o estudo mostra uma ligação clara entre uma maior adoção de projetos renováveis ​​e menores emissões de carbono em geral.

Os autores do estudo propõem que, eliminando totalmente a energia nuclear, esses ganhos renováveis ​​podem ser ainda maiores.

“Este artigo expõe a irracionalidade de argumentar a favor do investimento nuclear com base no argumento do ‘tente de tudo'”, disse o pesquisador de política de tecnologia Andrew Stirling da Universidade de Sussex.

“Nossas descobertas mostram não apenas que os investimentos nucleares em todo o mundo tendem a ser menos eficazes do que os investimentos renováveis ​​na mitigação das emissões de carbono, mas que as tensões entre essas duas estratégias podem diminuir ainda mais a eficácia de evitar os efeitos das mudanças climáticas”.

É uma questão mais controversa do que você imagina.

Muitos cientistas (e o Bill Gates) dizem que a energia nuclear é nossa única opção neste momento, mantendo uma visão de que ela pode substituir os combustíveis fósseis com uma eficiência que as energias renováveis ​​não conseguem igualar agora.

Um estudo de 2018 também concluiu que a energia nuclear deve ser uma parte essencial do investimento se quisermos reduzir a temperatura do planeta para o sustentavelmente necessário – pelo menos até as opções como eólica e solar terem tempo de aumentar a escala.

Há muito trabalho em andamento para tornar a energia nuclear uma fonte de energia mais econômica e ágil, que possa operar melhor ao lado de projetos renováveis, o que a ajudará a melhorar os números deste estudo.

Nesse meio-tempo, os autores do estudo pedem relatórios mais detalhados da indústria nuclear, a fim de compreender melhor seus benefícios.

“Embora seja importante reconhecer a natureza correlativa de nossa análise de dados, é surpreendente como os resultados são claros e consistentes em diferentes prazos e conjuntos de países”, disse Patrick Schmid, da International School of Management (ISM) na Alemanha.

“Em certas amostras de grandes países, a relação entre energia renovável e emissões de CO2 é até sete vezes mais forte do que a relação correspondente para a nuclear”.

A pesquisa foi publicada na Nature Energy.