Estudo de Harvard diz que talvez será necessário manter o distanciamento social até 2022

Crédito: Rawpixel.

Publicado na ScienceAlert

Um único lockdown não interromperá o novo coronavírus e períodos mais longos de distanciamento social podem ser necessários até 2022 para impedir que os hospitais entrem em sobrecarga, disseram os cientistas de Harvard, que modelaram computacionalmente a trajetória da pandemia.

O estudo ocorre quando os EUA entram no pico de casos da COVID-19 e afirmam aderir a uma eventual flexibilização das medidas de bloqueio.

A simulação computacional da equipe de Harvard, publicada em um artigo na revista Science, pressupõe que a COVID-19 se tornará sazonal, como os vírus intimamente relacionados que causam o resfriado comum, com taxas de transmissão mais altas nos meses mais frios.

Até o momento, muita coisa ainda permanece desconhecida, incluindo o nível de imunidade adquirido por uma infecção anterior e quanto tempo ela dura, disseram os autores.

“Descobrimos que medidas únicas de distanciamento social provavelmente serão insuficientes para manter a incidência do SARS-CoV-2 dentro dos limites da capacidade de cuidados intensivos nos EUA”, disse o principal autor, Stephen Kissler, em uma ligação com repórteres.

“O que parece ser necessário na ausência de outros tipos de tratamentos são períodos intermitentes de distanciamento social”, acrescentou.

Seriam necessários testes virais generalizados para determinar quando os limiares para retomar o distanciamento foram ultrapassados, disseram os autores.

A duração e a intensidade dos bloqueios podem ser afrouxadas à medida que tratamentos e vacinas se tornarem disponíveis.

Porém, na ausência deles, o distanciamento atual e futuro daria aos hospitais tempo para aumentar a capacidade de tratamento crítico para atender ao aumento nos casos que ocorreriam quando as medidas fossem afrouxadas.

“Ao permitir períodos de transmissão que atingem uma prevalência mais alta do que seria possível, eles permitem uma aquisição acelerada da imunidade da população”, disse o coautor Marc Lipsitch.

Por outro lado, muito distanciamento social sem trégua pode ser uma coisa ruim. Sob o cenário modelado “o distanciamento social é tão eficaz que praticamente nenhuma imunidade populacional é construída”, afirmou o artigo, daí a necessidade de uma abordagem intermitente.

Os autores reconheceram que uma grande desvantagem em seu modelo é o quão pouco sabemos atualmente sobre o quão forte é a imunidade de uma pessoa infectada anteriormente e quanto tempo ela dura.

Atualmente, os melhores modelos preditivos intimamente relacionados sobre o coronavírus são que ele confere alguma imunidade por cerca de um ano. Também pode haver alguma imunidade de proteção cruzada contra a COVID-19 se uma pessoa estiver infectada por um vírus que causa o resfriado comum.

Uma coisa, porém, é quase certa: o vírus chegou para ficar. A equipe disse que é altamente improvável que a imunidade seja forte o suficiente e durará o suficiente para que a COVID-19 desapareça após uma onda inicial, como foi o caso do surto de SARS de 2002-2003.

Os testes de anticorpos que acabaram de entrar no mercado e verificam se uma pessoa foi infectada anteriormente serão cruciais para responder a essas perguntas vitais sobre imunidade, argumentaram eles, e uma vacina continua sendo a arma definitiva.