Estudo recente não encontra vestígios de alienígenas em meteorito marciano de 4 bilhões de anos

0
318
Crédito: NASA.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

Até o momento, encontramos mais de cem rochas preciosas de Marte que viajaram do planeta vermelho e pousaram na Terra em algum momento. Entre eles, ALH84001 pode ser uma das mais enigmáticas.

Este fragmento de meteorito foi recolhido durante um passeio de moto de neve no campo de gelo de Alan Hills, na Antártida, em 1984, e acredita-se que tenha se formado em Marte há cerca de 4 bilhões de anos. Imediatamente, foi “reconhecida como a rocha mais incomum coletada” na viagem.

O que intrigou especialmente os cientistas desde sua descoberta são os minúsculos vestígios de carbono orgânico detectados como parte da composição da rocha. Isso poderia apontar para a vida alienígena precoce em Marte todos esses bilhões de anos atrás?

Bem, provavelmente, não, de acordo com o último estudo do fragmento. Em vez disso, as moléculas orgânicas encontradas no meteorito são provavelmente o resultado de interações particulares de fluidos e rochas, algo semelhante ao que acontece na Terra.

O meteorito Allan Hills 84001. Créditos: NASA / JSC / Universidade de Stanford.

“Analisar a origem dos minerais do meteorito pode servir como um meio para revelar tanto os processos geoquímicos que ocorrem no início da história da Terra quanto o potencial de habitabilidade de Marte”, disse o astrobiólogo Andrew Steele, da Instituto Carnegie de Ciência em Washington DC (EUA).

“Como uma das mais antigas rochas conhecidas de Marte, ALH84001 serve como um vislumbre para os primeiros processos planetários que também podem ter ocorrido na Terra primitiva”, observou a equipe em seu estudo. “As hipóteses sobre a proveniência e os mecanismos de formação desses materiais orgânicos incluem a produção abiótica por processos relacionados ao impacto, além de processos ígneos e/ou hidrotérmicos; também, a produção biológica por supostos organismos marcianos antigos; e a contaminação terrestre”.

Para estudar os minúsculos glóbulos de carbono encontrados dentro do ALH84001, a equipe teve acesso a um corte fino e um pedaço do meteorito, obtido do Centro Espacial Johnson da NASA.

Eles submeteram esses fragmentos a uma variedade de técnicas, incluindo imagens em nível de nanoescala, uma análise dos isótopos presentes na rocha e espectroscopia (usando luz para estudar a composição química da matéria).

Seus resultados mostraram que as características da rocha indicam que ela poderia ter se formado facilmente na presença de processos não biológicos ou abióticos que são conhecidos por produzir moléculas de carbono orgânico aqui na Terra. A primeira é a serpentinização, que acontece quando rochas ígneas (solidificadas de lava ou magma) ricas em ferro ou magnésio interagem com a água circulante, produzindo hidrogênio.

O segundo processo é a carbonação, onde as rochas reagem com água levemente ácida que tem dióxido de carbono dissolvido nela, resultando em materiais carbonáticos. Não está claro se ambos os processos aconteceram simultaneamente, mas o estudo sugere que eles não estavam acontecendo por um longo período de tempo.

“Tudo o que é necessário para esse tipo de síntese orgânica é água salgada que contém dióxido de carbono dissolvido para percolar através de rochas ígneas”, disse Steele. “Esses tipos de reações geológicas não biológicas são responsáveis ​​por um conjunto de compostos orgânicos de carbono a partir dos quais a vida poderia ter evoluído e representam um indicativo que deve ser levado em consideração ao procurar evidências de vida passada em Marte”.

Vários outros processos abióticos foram sugeridos para a presença de material orgânico no meteorito, além das hipóteses de que são vestígios de vida alienígena ou contaminação da Terra: atividade vulcânica, eventos de impacto em Marte e exposição hidrológica foram todos apresentados como hipóteses no passado.

Serpentinização e carbonação são raramente encontrados em meteoritos marcianos, especialmente os antigos, embora esses processos tenham sido detectados através de levantamentos orbitais do planeta vermelho. Parece que a síntese abiótica de moléculas orgânicas vem acontecendo em Marte há quase tanto tempo quanto o planeta existe.

“Na Terra, essas reações são responsáveis ​​pela síntese orgânica abiótica, produção de metano e diversidade mineralógica. Em Marte, essas reações são relevantes para a habitabilidade e foram sugeridas para explicar a presença de metano na atmosfera”, concluiu a equipe em seu estudo.

Tal como acontece com grande parte da pesquisa em Marte, também há implicações para a Terra, que teve um início semelhante. Uma das maneiras pelas quais essas novas descobertas serão úteis no futuro é informar pesquisas sobre a história antiga de nosso próprio planeta e como as moléculas orgânicas apareceram pela primeira vez.

“Se essas reações aconteceram em Marte antigo, elas devem ter acontecido na Terra antiga, e poderiam explicar os resultados vistos em análises da lua de Saturno Encélado também”, disse Steele. “A busca por vida em Marte não é apenas uma tentativa de responder à pergunta ‘estamos sozinhos?’ Também se relaciona com os ambientes da Terra primitiva e aborda a questão ‘de onde viemos?'”.

A pesquisa foi publicada na revista Science.