Florestas escondidas encontradas nas profundezas do oceano cobrem duas vezes a área da Índia

0
221
(Créditos: Douglas Klug/Moment/Getty Images)

Traduzido por Julio Batista
Original de Albert Pessarrodona Silvestre et al. para o The Conversation

Amazônia, Bornéu, Congo, Daintree. Conhecemos os nomes de muitas das maiores ou mais famosas florestas tropicais do mundo.

E muitos de nós conhecem a maior extensão de florestas do mundo, as florestas boreais que se estendem da Rússia ao Canadá.

Mas quantos de nós poderíamos nomear uma floresta submarina?

Escondidas debaixo d’água estão enormes florestas de algas marinhas, estendendo-se muito mais longe do que imaginávamos anteriormente.

Poucas são sequer nomeadas. Mas suas copas exuberantes abrigam um grande número de espécies marinhas.

Ao largo da costa do sul da África encontra-se a Grande Floresta Marinha Africana, enquanto a Austrália possui o Grande Recife do Sul em torno de seu hemisfério sul.

Existem muitas mais vastas, mas sem nome, florestas subaquáticas em todo o mundo.

Nossa nova pesquisa descobriu o quão extensasprodutivas elas são. Descobrimos que as florestas oceânicas do mundo cobrem uma área duas vezes maior que a da Índia.

Essas florestas de algas marinhas enfrentam ameaças de ondas de calor marinhas e mudanças climáticas. Mas elas também podem conter parte da resposta, com sua capacidade de crescer rapidamente e sequestrar carbono.

O que são florestas oceânicas?

As florestas subaquáticas são formadas por algas marinhas. Como outras plantas, as algas crescem capturando a energia do Sol e o dióxido de carbono através da fotossíntese.

As maiores espécies crescem dezenas de metros de altura, formando copas de floresta que balançam em uma dança sem fim enquanto as ondas se movem. Nadar por uma delas é ver luz e sombra entrelaçadas e uma sensação de movimento constante.

Assim como as árvores em terra, essas algas oferecem habitat, alimento e abrigo para uma grande variedade de organismos marinhos.

Espécies grandes, como o bambu marinho e a alga gigante, têm estruturas cheias de gás que funcionam como pequenos balões e os ajudam a criar vastas coberturas flutuantes.

Outras espécies dependem de hastes fortes para se manterem eretas e sustentarem suas folhas fotossintéticas. Outras, como a alga dourada no Grande Recife do Sul da Austrália, cobrem o fundo do mar.

Poucas das florestas mais produtivas do mundo foram reconhecidas e nomeadas. Tradução da imagem: florestas oceânicas mais produtivas ao redor do mundo (most productive ocean forests around the world), Grande Floresta Marinha Africana (GASF) e Grande Recife do Sul (GSR). (Créditos: Fornecido pelo autor)

Quão extensas são essas florestas e quão rápido elas crescem?

As algas marinhas são conhecidas há muito tempo por estarem entre as plantas que mais crescem no planeta. Mas até agora, tem sido muito desafiador estimar a extensão da área que suas florestas cobrem.

Em terra, agora você pode medir facilmente as florestas por satélite. Debaixo d’água, é muito mais complicado. A maioria dos satélites não pode fazer medições nas profundezas onde as florestas subaquáticas são encontradas.

Para superar esse desafio, contamos com milhões de registros subaquáticos da literatura científica, repositórios online, herbários locais e iniciativas de ciência cidadã.

Com essas informações, modelamos a distribuição global das florestas oceânicas, descobrindo que elas cobrem entre 6 milhões e 7,2 milhões de quilômetros quadrados. Isso é maior que a Amazônia.

Em seguida, avaliamos o quão produtivas são essas florestas oceânicas – ou seja, o quanto elas crescem. Mais uma vez, não houve registros globais unificados. Tivemos que passar por centenas de estudos experimentais individuais de todo o mundo, onde as taxas de crescimento de algas marinhas foram medidas por mergulhadores.

Descobrimos que as florestas oceânicas são ainda mais produtivas do que muitas culturas intensamente cultivadas, como trigo, arroz e milho.

A produtividade foi maior nas regiões temperadas, que geralmente são banhadas por água fria e rica em nutrientes.

Todos os anos, em média, as florestas oceânicas nessas regiões produzem 2 a 11 vezes mais biomassa por área do que essas culturas

O que nossas descobertas significam para os desafios que enfrentamos?

Essas descobertas são animadoras. Poderíamos aproveitar essa imensa produtividade para ajudar a atender a futura segurança alimentar do mundo. As fazendas de algas marinhas podem complementar a produção de alimentos em terra e impulsionar o desenvolvimento sustentável.

Essas taxas de crescimento rápido também significam que as algas marinhas estão famintas por dióxido de carbono. À medida que crescem, extraem grandes quantidades de carbono da água do mar e da atmosfera. Globalmente, as florestas oceânicas podem absorver tanto carbono quanto a Amazônia.

Isso sugere que eles podem desempenhar um papel na mitigação das mudanças climáticas. No entanto, nem todo esse carbono pode acabar sequestrado, pois isso exige que o carbono das algas marinhas seja bloqueado da atmosfera por períodos de tempo relativamente longos.

As primeiras estimativas sugerem que uma proporção considerável de algas marinhas pode ser sequestrada em sedimentos ou no fundo do mar. Mas exatamente quanto carbono de algas marinhas acaba sequestrado naturalmente é uma área de intensa pesquisa.

Tempos difíceis para as florestas oceânicas

Quase todo o calor extra retido pelas 2.400 gigatoneladas de gases de efeito estufa que emitimos até agora foi para nossos oceanos.

Isso significa que as florestas oceânicas estão enfrentando condições muito difíceis. Grandes extensões de florestas oceânicas desapareceram recentemente na Austrália Ocidentalno leste do Canadá e na Califórnia, resultando na perda de habitat e potencial de sequestro de carbono.

Por outro lado, à medida que o gelo do mar derrete e a temperatura da água aumenta, espera-se que algumas regiões do Ártico vejam a expansão de suas florestas oceânicas.

Essas florestas negligenciadas desempenham um papel crucial e em grande parte invisível em nossas costas. A maioria das florestas submarinas do mundo é desconhecida e inexplorada.

Sem esforços substanciais para melhorar nosso conhecimento, não será possível garantir sua proteção e conservação – muito menos aproveitar todo o potencial das muitas oportunidades que eles oferecem.


Albert Pessarrodona Silvestre é bolsista de pesquisa de pós-doutorado da Universidade da Austrália Ocidental; Karen Filbee-Dexter é pesquisadora da Faculdade de Ciências Biológicas da Universidade da Austrália OcidentalThomas Wernberg é professor da Universidade da Austrália Ocidental.