Formas de vida misteriosas foram encontradas na escuridão hostil sob o gelo da Antártica

0
586
A câmera sendo baixada no poço. Créditos: Huw Griffiths / British Antarctic Survey.

Por Michelle Starr
Publicado na ScienceAlert

As águas abaixo da Antártica estão entre os ambientes mais inóspitos de nosso planeta – ou é isso que a gente pensava.

É escuro como o breu e as temperaturas estão abaixo de zero; ainda assim, quando os cientistas perfuraram uma plataforma de gelo da Antártica longe da luz ou do calor, eles encontraram uma rocha no fundo do mar que é o lar de várias espécies que talvez nunca tenhamos visto antes.

Alguns dos organismos foram vistos em locais semelhantes, mas esta descoberta marca a primeira vez que criaturas estacionárias que vivem suas vidas presas em um só lugar, como as esponjas, foram encontradas neste ambiente hostil.

“Esta descoberta é um daqueles acidentes afortunados que nos leva para uma direção diferente e nos mostra que a vida marinha da Antártica é incrivelmente especial e incrivelmente adaptada a um mundo congelado”, disse o biogeógrafo Huw Griffiths, pesquisador do British Antarctic Survey.

A pedra. Créditos: Huw Griffiths / British Antarctic Survey.

As plataformas de gelo da Antártica são jangadas flutuantes permanentes conectadas à massa de terra principal do continente Antártico e podem ser enormes. Ao todo, elas constituem mais de 1,5 milhão de quilômetros quadrados – cerca de um terço da plataforma continental da Antártica.

Por causa do fato do ambiente abaixo delas ser hostil e pelo fato ser difícil chegar lá, exploramos muito pouco dele. Geralmente, os cientistas fazem buracos no gelo e baixam o equipamento para dar uma olhada no que está lá embaixo.

A partir de oito dessas pesquisas de poços, sabemos que existe vida sob o gelo, geralmente na forma de pequenas criaturas móveis, como peixes, águas-vivas, vermes e crustáceos. Seres que se alimentam por filtração, como as esponjas, eram altamente inesperados de se encontrar aqui, por estarem tão distantes de regiões onde a fotossíntese é possível.

Mas abaixo da plataforma de gelo de Filchner – 260 quilômetros da parte frontal da plataforma, sob 890 metros de gelo, a uma profundidade do fundo do mar de 1.233 metros – é exatamente o que Griffiths e seus colegas descobriram. Presos à rocha, eles encontraram uma esponja em um pedúnculo, mais 15 esponjas sem pedúnculos e 22 organismos não identificados com pedúnculos que podem ser esponjas, ascídiashidroides, cracas, cnidários ou poliquetas.

“Nossa descoberta levanta muito mais perguntas do que respostas, por exemplo, como eles chegaram lá?”, disse Griffiths.

“O que eles estão comendo? Há quanto tempo estão lá? Quão comuns são essas pedras que hospedam vida? São as mesmas espécies que vemos fora da plataforma de gelo ou são novas espécies? E o que aconteceria com essas comunidades se o gelo a plataforma desabasse?”.

Créditos: Huw Griffiths / British Antarctic Survey.

A maior parte da vida na Terra depende do Sol para sobreviver. A fotossíntese está na base da cadeia alimentar, com organismos como plantas e algas usando a luz do sol para fazer açúcares, ou outros organismos que comem plantas, ou os organismos que comem os que comem as plantas (ou os organismos que comem os organismos que comem os que comem as plantas, e assim em adiante).

Mas nas profundezas escuras onde a luz do sol nunca chega, os seres vivos usam uma estratégia diferente. Em torno das fontes térmicas do oceano que liberam calor e produtos químicos vulcânicos, as bactérias dependem da quimiossíntese para produzir açúcares, formando a base de uma cadeia alimentar semelhante. Um ecossistema quimiossintético também foi descoberto em uma caverna na Romênia.

Pesquisas recentes descobriram que os organismos que vivem sob as geleiras quimiossintetizam hidrogênio. Ecossistemas quimiossintéticos que dependem de metano também foram encontrados no oceano; um vazamento de metano foi encontrado até mesmo nas águas da Antártica.

A rocha investigada por Griffiths e sua equipe se localiza entre 625 e 1.500 quilômetros da região mais próxima da fotossíntese. Portanto, parece provável que seres que vivem lá dependem de alguma forma de cadeia alimentar quimiossintética, mesmo se as esponjas forem do tipo carnívoro (que ainda está para ser determinado).

A única maneira de descobrir isso é fazendo um estudo muito mais detalhado dos organismos e de seu ambiente. E essa é uma perspectiva extremamente desafiadora.

“Para responder às nossas perguntas, teremos que encontrar uma maneira de nos aproximarmos desses animais e de seu ambiente – e isso está abaixo de 900 metros do gelo e 260 quilômetros de distância dos navios onde estão nossos laboratórios”, disse Griffiths.

“Isso significa que, como cientistas polares, teremos que encontrar maneiras novas e inovadoras de estudá-los e responder a todas as novas questões que temos”.

A pesquisa foi publicada na Frontiers in Marine Science.